quarta-feira, 3 de junho de 2020

RETRATO DA TRAGÉDIA ! ! !

Parece que o prefeito Luiz Fernando Machado não teve a menor ideia do tamanho do desastre que se aproxima ao autorizar a reabertura do comércio e de outros segmentos na cidade.

Imaginem o seguinte, amigos deste blog. Se a simples reabertura do comércio no centro da cidade levou uma multidão a passear e matar a saudade das ruas Barão e Rosário expondo-se à contaminação pelo coronavírus, imaginem agora que serão reabertos os shoppings da cidade. Vai ser uma catástrofe.

Apenas para termos uma pálida ideia do que está acontecendo, vamos analisar aqui alguns dados estatísticos publicados pela própria prefeitura municipal de Jundiaí.

Pasmem os senhores. Sobre a COVID-19, a cidade de Jundiaí tem hoje um percentual de letalidade maior que o de São Paulo, do Brasil e do mundo. Já o percentual de mortalidade a cada 100 mil habitantes, a cidade de Jundiaí tem um índice quase igual ao de São Paulo e maior que o do Brasil e do mundo.

Uma verdadeira hecatombe em matéria de saúde pública. Enquanto isso o alcaide vai abrindo tudo e andando pela cidade atendendo aos pedidos dos vereadores visando as próximas eleições.

Confiram no quadro abaixo o buraco em que a cidade foi jogada por um prefeito que só está pensando em sua reeleição:

segunda-feira, 1 de junho de 2020

TERRA DE CORONEL ! ! !

A cidade de Jundiaí já chegou a 1.000 casos de contaminação pelo coronavírus, com 67 mortes por esta doença. A ocupação de leitos de UTI pelo coronavírus, segundo a prefeitura, chega aos 80%. Todos os números que envolvem esta pandemia não param de crescer.

Mesmo assim, o prefeito liberou para o funcionamento, a partir deste dia 1º de junho, as atividades de concessionárias, imobiliárias, escritórios, comércios e shoppings centers.

Não bastasse esta sandice, o prefeito e seus sabujos vereadores estão em plena campanha eleitoral. Nas redes sociais pipocam fotos, vídeos e textos sobre obras realizadas pelo alcaide a pedido de seus parlamentares capachos. Na realidade, eles estão preocupados mesmo é com a sua reeleição. As mortes pelo coronavírus, para eles, são uma mera fatalidade.

No dia 15 de novembro de 1889, o Marechal Deodoro da Fonseca proclamou a república. Deste ato surgiram os três poderes que deveriam funcionar de maneira independente e harmônica: Executivo, Legislativo e Judiciário.

Porém, caros amigos, isso foi uma doce ilusão. De independente os três poderes não têm nada. Um exemplo clássico sobre esta afirmação é o que ocorre aqui em Jundiaí.

Sob o domínio deste execrável grupo político que nos governa há 40 anos, o poder legislativo passou a ser um mero puxadinho do poder executivo. Um poder legislativo cartorial que carimba e aprova todos os projetos do poder executivo sem discussão alguma.

É uma relação de promiscuidade e de troca de favores que vai corroendo estes poderes e dissolvendo a confiança da população nesta porca e imunda democracia representativa, cujos atores não representam os interesses do povo e sim os seus próprios benefícios.

Uma cidade com mais de 400.000 habitantes, um município rico e progressista, nas mãos de um grupelho de coronéis que não se cansa de refestelar-se no sistema político vigente.

Enfim, esse estado de coisas foi retratado certa vez por uma frase imortal do saudoso Stanislaw Ponte Preta: " Restaure-se a moralidade ou locupletemo-nos todos ". Restaurar a moralidade é preciso.

quarta-feira, 27 de maio de 2020

DESASTRE IMINENTE ! ! !

O governador do Estado de São Paulo, João Doria, divulgou o plano de retomada gradual das atividades econômicas.

A cidade de Jundiaí pertence à região de Campinas e, por isso, entrará na fase 2 de flexibilização, na qual serão liberadas as atividades de concessionárias, imobiliárias, escritórios, comércios e shoppings centers. Entenda a classificação:

*** CLIQUEM SOBRE A IMAGEM PARA AUMENTAR DE TAMANHO ***


É claro que o prefeito vai acatar as medidas sugeridas pelo governador e abrir correndo estes estabelecimentos, atendendo à pressão dos empresários e também pensando em sua reeleição. Só que o tiro vai sair pela culatra. Vai ser uma catástrofe.

O Hospital São Vicente está com todas as suas UTIs lotadas. Vários setores do hospital estão sendo modificados para a acomodação dos infectados que não param de chegar. O 12º GAC está cedendo as suas instalações para a montagem de um hospital de campanha porque a estrutura de saúde do município entrará em colapso brevemente pelo crescimento vertiginoso dos casos de COVID-19.

Mesmo diante deste quadro caótico, a prefeitura flexibilizará a quarentena na cidade.

Vamos deixar bem claro o seguinte: O prefeito Luiz Fernando Machado, se ceder a esta flexibilização, será o grande responsável pela tragédia que se aproxima e pelas mortes que ocorrerem no município. Assim sendo, ele será cobrado de maneira implacável pelas atitudes irresponsáveis que adotar.

Colocar os interesses econômicos acima da preservação da vida será uma atitude imperdoável por parte do alcaide.

segunda-feira, 25 de maio de 2020

ONTEM E HOJE ! ! !

Ano de 2018
Véspera da Eleição

" Como homem público, exercendo o cargo de chefe do Executivo, e, principalmente, como pai de família que quer o bem do Brasil, tenho o dever de me manifestar diante do segundo turno das eleições presidenciais. Não podemos permitir a volta da esquerda e do PT ao poder. Por isso, é hora de nos mobilizarmos para vencer essa disputa ". ( Luiz Fernando Machado )

Ano de 2020
Reunião Ministerial

" Eu sou o chefe supremo das forças armadas. Ponto final. O pessoal tava lá, eu fui lá. Dia do exército. E falei algo que eu acho que num tem nada demais. Pedir que as forças armadas intervenham pra reestabelecer a ordem no Brasil, sem problema nenhum. Não tem problema nenhum, quando um coitado levanta uma placa de Al-5 ". ( Jair Bolsonaro )

quarta-feira, 20 de maio de 2020

INSANIDADE TOTAL ! ! !

Em todo o país, e fora dele, existe um consenso de que a pandemia do coronavírus no Brasil poderá sair do controle dos órgão oficiais.

Isto se deve a vários fatores, como uma insana cavalgadura chamada Jair Bolsonaro e a estupidez do prefeito municipal que teve a coragem, o desplante e a desfaçatez de promover uma flexibilização da quarentena em Jundiaí, revogada por ações no Judiciário.

As internações que ocorrem na cidade acenderam o sinal amarelo sobre a dissipação do vírus na região de Jundiaí, como afirmou recentemente o gestor de saúde no município.

A preocupação é com a saturação do número de leitos, caso os números de casos confirmados continuem a crescer.

E o pior. Na Ação Civil Pública promovida pelo Ministério Público pedindo o fim do relaxamento da quarentena, cuja liminar foi deferida pelo judiciário, foram incluídos terceiros interessados que, inclusive, protocolaram embargos de declaração contestando a decisão do juiz em manter a quarentena.

No Brasil já são mais de 270.000 pessoas infectadas pelo coronavírus com mais de 18.000 mortes. Uma catástrofe.

Com tudo isso, aqui em Jundiaí estão querendo acabar com a quarentena. No mesmo dia em que o Estado de São Paulo registrou um recorde com 324 novas mortes por Coronavírus, a Câmara Municipal de Jundiaí aprovou uma moção, assinada por todos os 19 vereadores, pedindo ao Governo do Estado de São Paulo o fim do isolamento social e a reabertura do comércio em Jundiaí.

Um escárnio. Um acinte. Um descaramento sem limites.

Para lerem todos os detalhes da referida Ação Civil Pública e os recentes embargos de declaração, na íntegra, cliquem aqui.

segunda-feira, 18 de maio de 2020

ENIGMA TUCANO ! ! !

FOTO: O vereador do PSDB, Faouaz Taha, sempre sentado ao lado do prefeito Luiz Fernando Machado. Fazendo o quê ?

Um grande mistério tem tomado conta da cidade nas últimas semanas em que a comunidade jundiaiense está envolvida com os graves problemas referentes à pandemia do coronavírus.

Em todas as transmissões realizadas pelo comitê de enfrentamento ao coronavírus, o vereador Faouaz Taha está sentado ao lado do prefeito, ninguém sabe fazendo o quê.

É necessário reforçarmos aqui algumas questões que envolvem o desempenho de um vereador. Em consonância com os artigos 29 a 31 da Constituição Federal, são competências de um vereador: Elaborar a Lei Orgânica do Município, fiscalizar e julgar as contas do Executivo e legislar sobre assuntos de interesse local.

Oras bolas, se o vereador Faouaz Taha vive pendurado no prefeito como papagaio de pirata, que isenção ele terá para fiscalizar o Executivo ou para julgar as contas do alcaide ?

A situação política de Jundiaí é profundamente desoladora.

Na realidade, a imagem de nossos vereadores já foi retratada inúmeras vezes neste blog, ou seja, não passam de sabujos do prefeito, de vassalos de uma aristocracia política falida, de marionetes de uma elite rentista patrimonialista desqualificada que domina o poder público desta cidade há 40 anos.

É como diz um velho pensamento: " O bajulador e o puxa saco é a prova mais real de um incapaz ".

sexta-feira, 15 de maio de 2020

MALI HABITUS ! ! !

Atitude errada da Diocese Católica de Jundiaí.

A Basílica e a Praça de São Pedro estão fechadas para visitação desde 10 de março, quando o Vaticano passou a seguir as medidas adotadas pelo governo italiano para a contenção da propagação do novo coronavírus.

Até agora, cinco infecções foram notificadas, sendo que um dos pacientes é um funcionário da Secretaria de Estado do Vaticano que mora na Casa Santa Marta, residência oficial do Papa Francisco.

Diante desta catástrofe humanitária, o Papa Francisco se pronunciou:

" Na nossa avidez de lucro, deixamo-nos absorver pelas coisas e transtornar pela pressa. Não nos detivemos perante os Teus apelos, não despertamos face a guerras e injustiças planetárias, não ouvimos o grito dos pobres e do nosso planeta gravemente enfermo ".

O momento foi registrado em imagens impressionantes que mostram o Papa Francisco sozinho diante da grandiosa Praça São Pedro.

Mesmo diante de toda esta situação, o bispo Dom Vicente Costa e o padre Leandro Megeto, coordenador da Ação Evangelizadora, participaram de um encontro virtual com Prefeitos e Secretários de Saúde dos 11 municípios que compõem o território diocesano.

Como resultado da videoconferência, as autoridades eclesiais e civis decidiram que será elaborado um novo protocolo sanitário, que possibilite a retomada gradual e responsável de algumas atividades da Diocese, flexibilizando a quarentena, para que as igrejas voltem a ficar abertas para a presença física dos católicos.

Realmente é inacreditável. Enquanto o Papa Francisco está recluso na Casa Santa Marta, em Roma, em isolamento social determinado pelas autoridades sanitárias, o bispo de Jundiaí quer abrir as portas dos templos para a presença pessoal dos católicos.

Além disso, a constituição dogmática Pastor Aeternus, sobre o primado e infalibilidade do Papa, diz o seguinte:

" O Romano Pontífice, quando fala ex cathedra, isto é, quando no exercício de seu ofício de pastor e mestre de todos os cristãos, em virtude de sua suprema autoridade apostólica, define uma doutrina de fé ou costumes que deve ser sustentada por toda a Igreja, possui, pela assistência divina que lhe foi prometida no bem-aventurado Pedro, aquela infalibilidade da qual o divino Redentor quis que gozasse a sua Igreja na definição da doutrina de fé e costumes. Por isto, ditas definições do Romano Pontífice são em si mesmas, e não pelo consentimento da Igreja, irreformáveis ".

Assim sendo, Sua Eminência Dom Vicente Costa, ao aliar-se a políticos e empresários, contrariou uma definição de costumes emitida pelo Papa a respeito da quarentena em que o próprio Pontífice se submete em Roma. Que pena.

quarta-feira, 13 de maio de 2020

ACREDITE SE QUISER ! ! !

DEPOIS DE ACADEMIA DE TÊNIS, O DESEMBARGADOR DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO, Dr. CLÁUDIO ANTONIO SOARES LEVADA, LIBERA CONCESSIONÁRIA DE VEÍCULOS.

SÃO PAULO - FOLHAPRESS

Depois de liberar uma academia particular de tênis a abrir as portas, o Tribunal de Justiça de São Paulo decidiu liberar também o funcionamento de uma concessionária de veículos do interior, desrespeitando assim a quarentena decretada pelo governador João Doria como medida de combate à pandemia do coronavírus.

A liminar em mandado de segurança foi concedida pelo desembargador Cláudio Antonio Soares Levada, do Órgão Especial do Tribunal de Justiça, o mesmo que atendeu à academia e defendeu tratamento diferenciado ao tênis, sob o argumento de que o esporte melhora "a capacidade cardiorrespiratória de seus praticantes, o que é relevante no combate ao vírus Covid-19".

Em sua nova decisão, publicada no último dia 6, o desembargador afirma não existir risco de contágio do coronavírus em showrooms de lojas de automóveis porque, segundo ele, inexistem aglomerações.

"Com a 'vacina facial' representada pelo uso obrigatório de máscaras, outrossim, medida que inexplicavelmente não foi adotada desde o início do combate ao vírus em nosso Estado, o risco de contaminação é mínimo e não justifica o fechamento do estabelecimento do impetrante e as consequências econômicas e humanas", disse.

O magistrado também consigna em sua decisão que a concessionária, AUTOMEC - Comércio de Veículos Novos e Usados, de Indaiatuba, alega que já demitiu 11 funcionários e poderá dispensar outros 150, caso continue com as portas fechadas. Também aponta prejuízo de R$ 8,4 milhões com a aquisição de 47 retroescavadeiras que agora não pode vender.

O desembargador também critica as medidas de isolamento impostas pela gestão Doria que, para ele, pelo "isolacionismo rígido, acumula óbitos e duvidosa eficiência no combate ao vírus".

Por fim, o desembargador ecoa o presidente Jair Bolsonaro dizendo em recente artigo estar havendo disseminação de pânico pela mídia. "Sou médico ? Não. Mas estou replicando a opinião de inúmeros infectologistas, entre os quais Osmar Terra, que foi Secretário da Saúde por oito anos", escreveu ele.

Para lerem a matéria da Folha, na íntegra, cliquem aqui.

segunda-feira, 11 de maio de 2020

AULAS: ALTO RISCO ! ! !

Segundo informações coletadas por este blog, a situação da educação pública de Jundiaí é altamente preocupante aproximando-se de um patamar de irresponsabilidade das autoridades municipais.

A volta às aulas em Jundiaí será em julho. Os alunos terão aulas dia sim, dia não fazendo um revezamento. Como será feito esse revezamento de alunos ? Vai metade da sala para a aula contrair vírus e depois vem a outra metade também se contaminar ?

As crianças, como todo mundo sabe, não se controlam e vão se abraçar, vão brincar juntas, irão trocar lanches, irão espirrar sem a devida precaução e assim por diante.

Os professores vão retornar de férias neste dia 11 de maio, que é o mesmo dia em que os alunos deverão ir até a escola buscar material impresso de estudo feito pelos professores.

Quem pode e tem acesso à internet, vai pegar esse material online, realizar tudo e enviar para a correção do professor. Quem não tem acesso à internet deverá ir até a escola buscar esse material impresso, realizar a atividade e voltar para a escola para o professor corrigir.

Ninguém da prefeitura disse como fazer o isolamento dos alunos, funcionários e professores que retornam para a escola. Menos ainda foi falado sobre EPIs de proteção. A equipe volta e deve se virar para conseguir máscaras, luvas e álcool 70°.

Com a presença do professor o aluno já tem dificuldades no aprendizado, imaginem sem o professor. Alunos indo para a escola pegar material impresso podem receber ou repassar o vírus através dos papeis.

Outras questões sobre a volta às aulas:

1) Especialistas alertam que a reabertura das escolas provoca o desenvolvimento de uma cadeia de transmissão, uma vez que a atividade envolve a presença de adultos e a possibilidade de transmissão do vírus de uma criança para outra.

2) Em sua maioria, as crianças têm desenvolvido uma forma leve ou assintomática da doença, o que dificulta o rastreio neste público. Sem saber que carregam o vírus, elas passam aos mais velhos.

3) Segundo levantamento do Ministério da Saúde, há registro de mortes de crianças abaixo de 1 ano de idade e na faixa etária entre 1 e 5 anos.

4) Há algo em torno de 10.000 crianças internadas com Síndrome Respiratória Aguda Grave até agora.

Todos esses problemas poderiam ser contornados se as nossas autoridades tivessem o nível de seriedade e de organização das autoridades da China, como constatamos no vídeo abaixo:

sábado, 9 de maio de 2020

CASSADA A LIMINAR ! ! !

SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL DERRUBA LIMINAR QUE AUTORIZAVA O FUNCIONAMENTO DE ACADEMIA DE TÊNIS EM SÃO PAULO.

O Supremo Tribunal Federal acaba de derrubar a liminar, concedida pelo desembargador Cláudio Antonio Soares Levada do Tribunal de Justiça de São Paulo, que autorizava uma academia particular de tênis, no bairro da Saúde, na capital, a abrir as portas e, assim, descumprir o decreto estadual que proíbe o funcionamento de serviços não essenciais por causa da pandemia do novo coronavírus.

Para o ministro José Antonio Dias Toffoli, presidente do Supremo Tribunal Federal, a liminar concedida pelo Tribunal de Justiça paulista "apresenta grave risco de efeito multiplicador" porque, em tese, daria a outros estabelecimentos pleitear tal benesse.

Ainda segundo o presidente do STF, cabe ao Judiciário analisar eventuais ilegalidades ou violações à ordem constitucional e não quais estabelecimentos devem ficar abertos, ou seja, jamais "promover-se a mudança das políticas adotadas, por ordem de quem não foi eleito para tanto e não integra o Poder Executivo, responsável pelo planejamento e execução dessas medidas".

E continua o presidente do STF: "Não se mostra admissível que uma decisão judicial, por melhor que seja a intenção de seu prolator ao editá-la, venha a substituir o critério de conveniência e oportunidade que rege a edição dos atos da Administração Pública, notadamente em tempos de calamidade como o presente, porque ao Poder Judiciário não é dado dispor sobre os fundamentos técnicos que levam à tomada de uma decisão administrativa".

A matéria da Folha sobre a cassação da liminar pode ser lida aqui.

sexta-feira, 8 de maio de 2020

NA CONTRAMÃO ! ! !

Segundo o jornal Folha de São Paulo, o desembargador do Tribunal de Justiça de São Paulo, Dr. Cláudio Antonio Soares Levada, concedeu uma liminar em um mandado de segurança que autoriza uma academia particular de tênis, no bairro da Saúde, na capital, a voltar a funcionar imediatamente, descumprindo decreto estadual e outras decisões do próprio tribunal que proíbem o funcionamento de serviços não essenciais por causa da pandemia do novo coronavírus.

O magistrado defende tratamento diferenciado à prática de tênis por não apresentar, segundo ele, risco à saúde, afirma a reportagem. O desembargador alega ainda que o esporte melhora "a capacidade cardiorrespiratória de seus praticantes, o que é relevante no combate ao vírus coronavírus".

Segundo trecho da liminar citado pela Folha, o desembargador afirma que "atividades desportivas individuais, porém, como caminhadas, ciclismo e tênis, em que virtualmente ausentes contato físico e aglomerações, além de melhorarem a capacidade cardíaca e respiratória, devem ter tratamento diferenciado, como se comprova terem tido, com razoabilidade, nas cidades de Foz do Iguaçu, Paraná, e Teixeira de Freitas, na Bahia", comentou o magistrado se referindo a prefeituras que foram favoráveis a prática de tênis.

O desembargador, de acordo com o texto da Folha, seria crítico do isolamento social universal. Em artigo publicado em 27 de março no Jornal da Cidade de Jundiaí, intitulado "O que Mata Mais ?", ele critica o que chama de "políticos oportunistas e carreiristas" citando o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, e o governador do Estado de São Paulo, João Doria.

Continuando, o magistrado disse ainda que há riscos econômicos à referida academia de tênis em razão de "prejuízos financeiros que se acumula à impetrante, podendo conduzi-la ao fechamento e ao desemprego de seus colaboradores". Ainda segundo a matéria, o desembargador ecoa o presidente Jair Bolsonaro e diz estar havendo disseminação de pânico pela mídia.

Segundo o jornal Folha de São Paulo, procurado, o Governo do Estado de São Paulo divulgou que adotará as medidas cabíveis assim que for intimado da decisão. O Ministério Público ainda não se manifestou. O Tribunal de Justiça informou que os magistrados não podem comentar as próprias decisões nem a dos outros.

Para lerem a matéria da Folha, na íntegra, cliquem aqui.

quinta-feira, 7 de maio de 2020

NOVA CONDENAÇÃO ! ! !

O Ministério Público protocolou no Fórum local uma Ação Civil Pública contra a prefeitura de Jundiaí pedindo uma liminar que obrigasse o prefeito a anular o seu decreto ilegal, uma vez que contrariou o decreto estadual emitido pelo governador do Estado de São Paulo.

A meritíssima juíza de direito da Vara da Fazenda Pública, Dra. Bruna Carrafa Bessa Levis, acaba de emitir a sua decisão deferindo a liminar pleiteada pelo Ministério Público. Com isso a quarentena deve ser retomada em Jundiaí colocando-se um fim na flexibilização do isolamento social levada a cabo pelo prefeito Luiz Fernando Machado.

Segue abaixo alguns trechos da decisão do deferimento da liminar:

"...DECIDO

De rigor o deferimento da liminar pleiteada, pois presentes seus requisitos legais. Com efeito, destaca-se que o Decreto Municipal nº 28.970, de 17.04.2020, ao contrário do quanto sustentado pela Municipalidade ré, de fato trouxe expressiva flexibilização das regras de distanciamento social e quarentena..."

"...Essa flexibilização não encontra correlação ou amparo nas normas estaduais e federais a respeito do tema, o que motivou o questionamento ora formulado pelo Ministério Público..."

"...Todavia, a mesma interpretação, a nosso ver, não cabe para a adoção de medidas de flexibilização, mormente, como dito, quando tais medidas estão em dissonância com a realidade fática de disseminação da COVID-19, que vem sofrendo forte aceleração..."

"...Em suma, verifica-se a impossibilidade de a norma estadual, ordenada por exigências epidemiológicas e sanitárias, com fundamento na Lei Federal nº 13.979/20, ser contrariada pela norma municipal, sob pena de ofensa às regras constitucionais de distribuição de competências..."

"...Oportuno registrar, ainda, que inúmeras outras decisões vem sendo adotadas no âmbito do E. Tribunal de Justiça deste Estado neste mesmo sentido, inclusive a decisão proferida na ADIN já mencionada (ADIN nº 2.080.065-50.2020.8.26.0000), que considerou inconstitucionais vários dispositivos do Decreto Municipal nº 28.970 de 2020..."

"...Ante o exposto, defiro a liminar para determinar ao Município de Jundiaí/SP a obrigação de fazer consistente em cumprir o Decreto Estadual nº 64.881/2020 e todas as disposições emanadas das autoridades sanitárias do Governo do Estado de São Paulo no que se refere a pandemia da Covid-19, enquanto perdurar seus efeitos, suspendendo-se as atividades não essenciais cujo funcionamento fora autorizado pelo Decreto Municipal nº 28.970/20, em especial através do item 5, subitens VII, VIII, XII e XIII, da Nota Técnica CAE 05, no prazo de 24 (vinte e quatro) horas, sob pena de multa diária de R$ 25.000,00, sem prejuízo de eventual apuração de responsabilidade civil, administrativa e criminal..."


Depois destas duas condenações, o governo do PSDB está completamente desmoralizado. O prefeito Luiz Fernando Machado está no chão, desesperado, já pensando que a sua reeleição está indo pelo esgoto. Na realidade, tudo tem fim nessa vida. E o domínio político tucano em Jundiaí está terminando.

Para lerem essa decisão do judiciário, na íntegra, cliquem aqui.

quarta-feira, 6 de maio de 2020

PREFEITURA DE JOELHOS ! ! !

O Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo atendeu a uma Ação Direta de Inconstitucionalidade do decreto municipal de autoria do prefeito Luiz Fernando Machado que flexibilizava a quarentena para o coronavírus.

Através do meritíssimo desembargador, Dr. Evaristo dos Santos, foi concedida uma liminar solicitada pela Procuradoria Geral do Estado para a suspensão do decreto do prefeito de Jundiaí. Alegou o magistrado que o decreto contrariava as diretrizes estabelecidas pelo governo estadual para o controle da pandemia do coronavírus.

Eis alguns pontos ressaltados na decisão do Tribunal de Justiça:

"...O decreto determinou o abrandamento da quarentena no Município de Jundiaí, admitindo o exercício de atividades úteis, porém não essenciais. Ademais, impôs isolamento apenas a pessoas com mais de sessenta anos e portadores de doenças crônicas. Contudo, o Município não pode se afastar das diretrizes estabelecidas pela União e pelo Estado para proteção à saúde decorrente da pandemia. Desrespeitado o pacto federativo. O abrandamento é contrário a orientações científicas e coloca em risco direitos fundamentais à vida e à saúde. Afronta aos princípios da razoabilidade, prevenção e precaução..."

Em nota, entre outras coisas, a prefeitura respondeu o seguinte:

"...O Comitê de Enfrentamento ao Coronavírus sempre manteve a defesa pelo isolamento social e pelo afastamento controlado, como importantes medidas para a contenção do COVID. Estudos foram feitos e todos os cuidados necessários foram tomados ao liberar atividades específicas, inclusive foi intensificada a fiscalização efetuada pelo Procon, pela Guarda Municipal (GM) e pela Vigilância Sanitária. Contudo, o Tribunal de Justiça, devido à conjuntura do Estado, entende que é necessário fechar o que não é considerado serviço essencial. Acatamos a decisão e, neste momento, está sendo avaliada a não interposição de recurso..."

Desta resposta da prefeitura, deduzimos duas coisas:

1) O prefeito está querendo jogar nas costas do Tribunal de Justiça a responsabilidade sobre a continuidade da quarentena. Assim o alcaide fica bem com os empresários, os vereadores e as igrejas garantindo o apoio destes segmentos nas próximas eleições, como quem diz: "Eu não tenho nada com isso. Quem decidiu foi o tribunal. Fiz de tudo para atender os empresários, os vereadores e as igrejas".

2) Eles tiveram o descaramento de ainda dizer que estão avaliando entrarem ou não com recurso sobre a decisão do tribunal e tentarem novamente a flexibilização do isolamento social.

Apenas lembrando que, em novo relatório divulgado no fim da tarde desta terça-feira, a Fundação Oswaldo Cruz chama atenção para a curva de contágio do coronavírus no país: depois de uma relativo controle, ela se mantém em alta e em um ritmo acelerado.

Nos organismos internacionais, a gestão da crise e a conduta de Bolsonaro são avaliadas como agravantes e o temor é de que, assim como nos EUA, presidido por Trump, a pandemia saia do controle no Brasil, ameaçando até mesmo os países vizinhos.

E o prefeito Luiz Fernando Machado, de maneira tresloucada, continua tentando a flexibilização da quarentena em uma atitude irresponsável, que pode ter consequências catastróficas em Jundiaí, pensando somente em chegar bem nas próximas eleições.

sábado, 2 de maio de 2020

MENTINDO SEMPRE ! ! !

De acordo com um grupo de pesquisadores ligados à Universidade de São Paulo - USP, " a experiência internacional tem mostrado que a persistência na implementação das medidas de isolamento social é essencial para controlar a transmissão do vírus ".

Os pesquisadores afirmam ainda que abandonar o isolamento agora, ainda que gradualmente, provocaria um aumento rápido do número de infecções e mortes, sobrecarregando os hospitais. Os ganhos obtidos com a reativação da economia não compensariam a perda de controle sobre a evolução da doença.

É da mesma opinião o Dr. Paulo Brandão, professor associado da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade de São Paulo, Doutor em Epidemiologia Experimental Aplicada às Zoonoses pela USP, pesquisador associado ao Coronavírus Research Group: " Esse vírus sobrevive por até três horas em aerossóis. O que são aerossóis ? Por exemplo, se eu espirrar ou tossir, isso vai fazer uma espécie de spray e o vírus vai ficar no ar por este período. O que quer dizer que é justificada a quarentena e o isolamento social como medidas eficientes de controle de pessoas atingidas pelo vírus ".

Um estudo de Harvard, sugere que as medidas de distanciamento social devam ser mantidas de forma intermitente até o ano de 2022. O professor de epidemiologia de Harvard e coautor do estudo, Marc Lipsitch, afirmou que o coronavírus ainda tem alto potencial de propagação porque a maioria da população ainda é suscetível à doença.

Diante da opinião destas autoridades de alto credenciamento científico, o isolamento social é fundamental para evitarmos uma tragédia humanitária.

Mas não é assim que entende o credenciado cientista e profundo conhecedor de epidemiologia e infectologia, Sua Excelência Dr. Luiz Fernando Machado. Para ele, a cidade está sendo submetida a uma desinformação, o que justifica o relaxamento do isolamento social.

Apenas lembrando ao mal informado prefeito que o Hospital São Vicente está lotado. Todas as UTIs, as enfermarias de Clínica Médica, o Pronto Socorro, enfim, tudo lotado. Internações em Jundiaí por coronavírus cresceram 47,3% em apenas 5 dias. O caos se aproxima.

Portanto, quem está desinformando a cidade é exatamente ele. Não bastasse tudo isso, o prefeito ainda publicou um artigo, em um dos seus vassalos veículos de comunicação da cidade, onde fez uma salada com os dados. Misturou tudo. E o pior: O alcaide reconheceu que está havendo uma subnotificação da doença, o que produz resultados enganosos sobre as mortes.

Enfim, parece que em Jundiaí o que pesa mesmo é a pressão dos empresários e das igrejas para o fim da quarentena, ou seja, o dinheiro é muito mais importante do que a vida humana.

O resultado deste desastre iminente, que estará no colo do prefeito Luiz Fernando Machado, podemos conferir no vídeo abaixo que foi gravado no centro da cidade de Jundiaí. Confiram:

............................

quinta-feira, 30 de abril de 2020

POVO DESCARTÁVEL ! ! !

A opinião generalizada de médicos e cientistas é de que a medida mais eficiente de controle da pandemia provocada pelo coronavírus é o isolamento social, mesmo que isso represente alguns sacrifícios econômicos e sociais por parte da população.

Interromper este isolamento agora, sem condição de deter novos surtos, só dará ao vírus a oportunidade de retomar o seu avanço destruidor e de gerar um novo colapso no sistema de saúde. Portanto deve existir um critério científico para o fim da quarentena e não político eleitoral.

Na cidade de Blumenau, em Santa Catarina, o comércio foi reaberto por determinação do prefeito daquela cidade. Em 15 dias o número de infectados naquele município cresceu 160% devido às aglomerações provocadas pelo fim do isolamento social.

Muito bem. No Brasil, se dependêssemos do quadrúpede esquecido pela evolução que nos governa em Brasília, a resposta para a gravíssima crise sanitária que estamos vivendo seria: " E daí ? O que é que eu posso fazer ? Eu sou Messias mas não faço milagres ".

Porém, com toda esta extrema ignorância vomitada pelo Equino da República, mesmo assim ele ainda tem admiradores por este país afora. Em Jundiaí não é diferente.

O prefeito Luiz Fernando Machado, que andou abraçado com o repulsivo animal, contrariando todas as orientações e recomendações das autoridades sanitárias e sem embasamento em evidências científicas ou análises técnicas estratégicas em saúde, publicou o Decreto Municipal n° 28.970/20 que permitiu o retorno de atividades não essenciais, bem como abrandou as medidas do Decreto Estadual nº 64.881/20.

Diante disso, o Ministério Público protocolou no Fórum local uma Ação Civil Pública contra a prefeitura pedindo uma liminar que obrigasse o prefeito a anular o seu decreto ilegal, uma vez que contrariou o decreto estadual emitido pelo governador do Estado de São Paulo.

O meritíssimo juiz de direito da Vara da Fazenda Pública, Dr. Gustavo Pisarewski Moisés, concedeu um prazo de três dias para que a prefeitura se posicionasse sobre este pedido do Ministério Público.

Todos nós sabemos que decisão judicial não se discute, cumpre-se. Porém, caros amigos, esta demora do judiciário em conceder a liminar pode custar caro aos munícipes.

O meritíssimo magistrado deveria ter concedido a liminar imediatamente e depois, durante a tramitação da ação, seria discutido o mérito do requerido pelo Ministério Público. Porém, Sua Excelência não entendeu assim.

A prefeitura foi notificada ontem. Os três dias vencem na 3ª feira. Até o juiz analisar e emitir a sentença já estaremos no final da próxima semana, ou seja, da entrada da ação no Fórum até a decisão do juiz serão quase três semanas, o que poderá representar a perda de muitas vidas na cidade.

As UTIs do Hospital São Vicente estão lotadas, ao contrário do que divulgou a nossa vendida imprensa local. O prefeito incompetente governa sentado em sua mesa, não tendo noção da real tragédia em que vivemos. Por isso emitiu o decreto relaxando a quarentena.

As autoridades não estão levando a sério esta pandemia. Hoje, o Brasil já tem mais mortos do que a China. E a continuarmos neste diapasão, teremos no país a maior tragédia humanitária de nossa história.

Se isto ocorrer, as autoridades que negligenciaram esta catástrofe que se anuncia serão responsabilizadas de maneira implacável, mesmo que isso não traga de volta as vidas perdidas.

segunda-feira, 27 de abril de 2020

MAR DE LAMA TUCANO ! ! !

A empresa Ecovias assinou um acordo com o Ministério Público do Estado de São Paulo dizendo que pagou propina por 18 anos em gestões do PSDB no governo do Estado de São Paulo.

A concessionária que administra o sistema Anchieta-Imigrantes, a Ecovias, afirma que houve formação de cartel, pagamentos de propinas e repasses de caixa dois em 12 contratos de concessão rodoviária firmados com o Governo de São Paulo.

As irregularidades duraram de 1998 a 2015, período que inclui as gestões de Mário Covas, José Serra e Geraldo Alckmin, todos do PSDB e íntimos dos prefeitos tucanos de Jundiaí, como mostram as fotos.

O acordo tem valor total de R$ 650 milhões, sendo R$ 450 milhões em obras, R$ 150 milhões na redução de pedágio e R$ 50 milhões em multa. O conteúdo dos relatos feitos aos promotores foram publicados pelos jornais O Estado de São Paulo e Folha de São Paulo.

A companhia citou à Promotoria as pessoas que teriam recebido os valores, entre eles políticos que ainda hoje têm mandato. No entanto, para ter validade, o acordo ainda tem que ser homologado pelo conselho do Ministério Público e pela Justiça.

Outras 11 empresas teriam participado da formação de cartel nos contratos, segundo a Ecovias, mas até o momento nenhuma delas firmou acordo com a Promotoria.

A Ecovias relatou ainda que firmou o cartel em 1998, durante a gestão de Mário Covas, em concessões que duram até hoje. O pagamento de propina e de caixa dois durou até 2015.

Em inúmeras campanhas eleitorais o diretório estadual do PSDB repassou dinheiro para as campanhas do PSDB de Jundiaí. A pergunta que não quer calar é a seguinte: Será que este dinheiro de caixa dois da Ecovias não teria transitado também aqui em Jundiaí ?

sexta-feira, 24 de abril de 2020

DATA MAXIMA VENIA ! ! !

FOTO: O prefeito Luiz Fernando Machado e o desembargador Cláudio Antonio Soares Levada abraçados, em um momento singelo, fraterno e tocante.

O Ministério Público do estado de São Paulo, através do Promotor de Justiça Rafael de Oliveira Costa, recomendou à prefeitura de Jundiaí que revogue integralmente o decreto municipal que permitiu o retorno de atividades não essenciais relaxando o isolamento social determinado por decreto do governo do estado.

Foi dado um prazo de 24 horas para que a Prefeitura de Jundiaí informe as providências destinadas a atender à orientação do MP. O não cumprimento da recomendação levará ao ajuizamento de ação civil pública para que o município seja obrigado a promover todas as medidas necessárias, sem prejuízo da análise da prática de atos de improbidade.

Diante desta atitude correta do MP, o meritíssimo desembargador do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, Dr. Cláudio Antonio Soares Levada, em um jornal local, fez severas e injustas críticas ao posicionamento do Ministério Público dizendo, entre outras coisas, o seguinte a respeito desta situação:

"...Cabe ao Executivo a implementação destas medidas, como o alcance das restrições do distanciamento social, por exemplo. Não cabe a outros órgãos, como Ministério Público ou Defensoria Pública, interferirem indevidamente na implementação dessas ações, que certas ou erradas são de atribuição EXCLUSIVA de quem possui a legitimidade do voto para isso; muito menos cabe recomendar o que quer que seja a prefeitos que estão usando de suas atribuições legais...".

Data Maxima Venia ao nobre magistrado, houve um equívoco em sua análise sobre este assunto. O Ministério Público não estava querendo interferir nas decisões do prefeito e sim que o alcaide cumprisse o decreto estadual que determinou o isolamento social até o dia 10 de maio de 2020.

Sobre esse assunto de relaxamento da quarentena para o coronavírus, já há uma decisão do meritíssimo desembargador, Dr. Luis Fernando Camargo de Barros Vidal, da 4ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, argumentando o seguinte:

" Nos termos do artigo 17, inciso IV, alíneas a e b da Lei Federal 8.080/90, compete à direção estadual do sistema de saúde a coordenação das atividades de vigilância epidemiológica e sanitária, ao passo que ao serviço municipal cabe tão somente executar tais serviços ". E conclui: " A norma estadual não pode ser contrariada pela norma municipal sem desrespeito à competência técnica e à hierarquia normativa ".

Além disso, o governador do Estado de São Paulo, João Dória, posicionou-se publicamente de maneira clara dizendo o seguinte:

" A orientação do governo do estado é para que nenhum município, nenhum, volto a repetir, flexibilize a quarentena. Faço aqui um apelo aos prefeitos: não se precipitem, não cedam à pressão. Se não fizerem, teremos que adotar medidas judiciais ".

Diante do exposto, fica evidente que o Ministério Público do Estado de São Paulo agiu acertadamente cumprindo a sua missão de atuar na defesa da ordem jurídica, do regime democrático e dos interesses sociais e individuais indisponíveis da população de Jundiaí.

quarta-feira, 22 de abril de 2020

PASSANDO PANO ! ! !

O vereador Wagner Ligabó divulgou um vídeo nas redes sociais colocando a sua posição sobre o relaxamento do isolamento social decretado pelo prefeito Luiz Fernando Machado na cidade de Jundiaí.

Atacou duramente a comunidade de Jundiaí como se ela fosse formada por um bando de ignorantes e ele fosse o dono da verdade.

Discordamos totalmente do vereador por entender que ele está passando pano para o prefeito de Jundiaí. Vamos às declarações do referido edil para depois fazermos uma análise do que foi dito:

Em primeiro lugar, o objetivo primordial da assistência médica, nobre vereador, não é fazer estatística e sim tratar a saúde dos cidadãos, afinal de contas as pessoas não são números estatísticos e sim seres humanos e assim devem ser considerados.

Sobre o fato de Jundiaí ter uma incidência relativamente baixa do coronavírus se deve ao isolamento social que grande parte da cidade se submeteu. O prefeito relaxando o isolamento poderá provocar um aumento das contaminações e causar um caos no sistema de saúde.

E o pior. O vereador Ligabó disse, de maneira absurda, que a responsabilidade sobre a doença pertence a cada indivíduo, não sendo admissível colocarmos a culpa no governo.

É claro, nobre vereador, que ninguém seria estúpido em dizer que a chegada do coronavírus aqui é culpa do governo. Mas o controle da estrutura de saúde da cidade e do fundamental isolamento social, é responsabilidade do governo sim senhor.

Porém, há uma questão importantíssima que não foi levantada pelo vereador Ligabó. No Brasil inteiro, quem coordena estes comitês de enfrentamento do coronavírus é um médico.

Apenas em Jundiaí esta coordenação é feita pelo prefeito, que é um verdadeiro analfabeto em moléstias infectocontagiosas.

Oras bolas, por que não deixaram esta coordenação, por exemplo, a cargo do vice-prefeito, Dr. Pacheco, que é médico pneumologista, especialista em doenças pulmonares, órgão onde se localizam os sintomas mais graves do coronavírus ? Por que alijaram um médico pneumologista deste trabalho ?

Este blog tem informações, inclusive, que o vice-prefeito foi afastado do gabinete do prefeito, ou seja, ele não tem mais sala para desenvolver as suas atividades. Por que isso ? Por motivos políticos ?

Então, nobre vereador Wagner Ligabó, o buraco é mais embaixo. Não venha neste momento grave em que vivemos se comportar como mais um bajulador do alcaide. Não é esse o caminho.

Só para terminar. Se com o relaxamento do isolamento social a cidade atingir o caos por esta pandemia, os responsáveis pela tragédia serão cobrados de maneira implacável pela sociedade jundiaiense. Não é hora de tangenciar o problema e nem de discursos de palanque. É hora de respeito ao povo de Jundiaí.

segunda-feira, 20 de abril de 2020

INCOMPETÊNCIA FATAL ! ! !

FOTO: O prefeito mais uma vez fazendo pose para a foto diante de toda esta estrutura de monitoramento que não serviu para nada, afinal de contas assassinaram uma servidora pública dentro da Unidade Básica de Saúde - Central.

Na tarde de sexta-feira, a servidora pública Elediane da Silva foi vítima de um assassinato, sendo fuzilada no interior da Unidade Básica de Saúde Central da prefeitura de Jundiaí.

Um absurdo. Um fato inaceitável. Uma servidora pública foi morta dentro da prefeitura. Isso mesmo. O interior de uma Unidade Básica de Saúde representa o interior da própria Prefeitura Municipal de Jundiaí. Em suma, uma Unidade Básica de Saúde, onde os servidores públicos trabalham para oferecer saúde para os usuários do SUS, não tem segurança nenhuma para a manutenção de sua própria vida.

Em um momento de catástrofe humana como essa é bom lembrarmos algumas questões que envolvem a segurança pública na cidade:

1) Está em atividade o chamado Centro Integrado de Comando e Controle de Jundiaí, que opera em base conjunta entre as Unidades de Gestão da Prefeitura, a Companhia de Informática de Jundiaí, a Guarda Municipal, o Corpo de Bombeiros, a Polícia Militar, a Polícia Civil e o Poder Judiciário, com o objetivo da manutenção da ordem pública e da segurança em Jundiaí.

2) A Prefeitura de Jundiaí investiu recentemente R$ 4,8 milhões na compra de 37 novos veículos para a Guarda Municipal que são utilizados no fortalecimento da segurança e da ordem da cidade.

3) O orçamento anual para 2020 da Unidade de Gestão de Segurança Municipal, que inclui a Guarda Municipal, é de R$ 85.197.800,00.

Tudo isso para nada. Não temos Polícia Militar, não temos Polícia Civil, não temos Guarda Municipal, não temos nada. Os Guardas Municipais, que tem como função guardar o patrimônio público, ficam desfilando inutilmente pela cidade dizendo que estão ali para oferecer segurança à população. Acontece que os Guardas Municipais estão em desvio de função pois a sua atividade constitucional não é o patrulhamento ostensivo. Senão, vejamos:

Constituição Federal

CAPÍTULO III - DA SEGURANÇA PÚBLICA

Art. 144 - A segurança pública, dever do Estado, direito e responsabilidade de todos, é exercida para a preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio, através dos seguintes órgãos:
.
§ 8º - Os Municípios poderão constituir guardas municipais destinadas à proteção de seus bens, serviços e instalações, conforme dispuser a lei.

Assim sendo, a administração pública de Jundiaí é a responsável direta pelo crime ocorrido dentro da Unidade Básica de Saúde - Central pois, no mínimo, deveria haver um Guarda Municipal no local guardando o patrimônio público, sem levarmos em conta ainda a negligência e a inutilidade das câmeras de monitoramento permitindo que alguém entrasse armado dentro de um estabelecimento público e executado a sangue frio uma servidora municipal.

O resultado desta ineficiência foi o assassinato de uma funcionária pública em serviço, que deixa duas crianças órfãs.

sábado, 18 de abril de 2020

CRIME E CASTIGO ! ! !

O Comitê de Enfrentamento ao Coronavírus da cidade de Jundiaí está abandonando o isolamento social no município.

Cientistas da Universidade Federal do Mato Grosso do Sul, da Universidade do Estado do Amazonas, da Fundação Oswaldo Cruz, da Fundação de Medicina Tropical Doutor Heitor Vieira Dourado, da Associação Brasileira de Saúde Coletiva, da Sociedade Brasileira de Imunizações, da Sociedade Brasileira de Virologia, da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência e da Escola de Saúde Pública da Universidade de Harvard, se posicionaram totalmente a favor do isolamento social como arma principal para conter o coronavírus.

O mundo todo está caminhando nesta linha, menos o Brasil.

O parasita de equino que governa este país e o prefeito Luiz Fernando Machado são os exemplos claros de como não se deve administrar a favor do povo.

O Quadrúpede da República, Jair Bolsonaro, relincha todos os dias querendo acabar com o isolamento social para favorecer a economia do Brasil. Na verdade a intenção principal não é essa. O que ele quer realmente é atender aos reclamos da milícia do Rio de Janeiro, à qual o marginal está ligado até o pescoço. Isto porque enquanto o comércio estiver fechado as milícias cariocas não podem cobrar as suas taxas e extorquir os comerciantes.

Já o prefeito de Jundiaí, Luiz Fernando Machado, continua apenas fazendo pose em seus pronunciamentos. Na realidade ele está se rendendo à pressão de seus sabujos vereadores que o apoiam na Câmara Municipal e das "famílias de bem" deste município.

O governo do PSDB está colocando Jundiaí na antessala do caos.

Segundo os cientistas, se o isolamento social for abandonado no Brasil a perspectiva é que teremos mais de 1 milhão de mortos.

Aqui em Jundiaí, se o caos for atingido após o fim do isolamento social, não haverá leitos suficientes nos hospitais e nem vagas disponíveis nos cemitérios para as milhares de pessoas que adoecerão e perderão as suas vidas. Viveremos em uma terra arrasada na companhia permanente de lágrimas de sangue.

Se isto ocorrer, o prefeito e outras autoridades municipais serão responsabilizados criminalmente pela tragédia, mesmo porque os mortos não retornarão mais para o convívio de suas famílias.

quarta-feira, 15 de abril de 2020

JUNDIAÍ HUMILHADA ! ! !

FOTOS: Enquanto o deputado federal Miguel Haddad continua votando a favor da destruição dos direitos trabalhistas da população, ele anda feliz e sorridente na companhia de muito do que não presta da política brasileira.

No meio da maior crise da história do Brasil, a Câmara dos Deputados aprovou, por 322 votos a 153, a medida provisória do contrato de trabalho verde amarelo. Esta medida provisória flexibiliza o pagamento de direitos trabalhistas e contribuições sociais acabando com o 13º salário, com o 1/3 de férias e reduzindo a multa do FGTS, em caso de demissão sem justa causa, de 40% para 20%.

Considerada uma nova etapa da reforma trabalhista implementada em 2017, a MP aprofunda a flexibilização de direitos. O Dieese cunhou a expressão "bolsa-patrão" para definir a proposta governista. É uma medida provisória que precariza ainda mais as relações de trabalho.

O deputado Paulo Pimenta (PT-RS) foi bastante enfático: " Mentiram para o povo que a reforma trabalhista ia gerar emprego e isso não aconteceu. Agora retiram mais direitos, com os mesmos argumentos. É mentira, o objetivo da medida é aprofundar os prejuízos causados à classe trabalhadora ".

Agora a cereja do bolo. Entre os deputados que aprovaram a MP do contrato verde amarelo que destrói ainda mais os direitos trabalhistas no país estava o tucano Miguel Haddad.

Aliás, isso não é novidade. Esse deputado esteve sempre do lado dos empresários e especuladores financeiros lembrando-se do trabalhador apenas em véspera de eleição quando precisa de voto.

Diante de mais esta punhalada nas costas do trabalhador desferida pelo deputado federal Miguel Haddad, gostaríamos de fazer uma sugestão ao parlamentar tucano: Deputado Miguel Haddad, vá embora de Jundiaí. A população não suporta mais olhar para a sua cara e passar vergonha com as suas votações em Brasília.

Confiram abaixo como votou o desprezível tucano Miguel Haddad, destruindo mais um pouco dos direitos do trabalhador brasileiro:

*** CLIQUE SOBRE AS IMAGENS PARA AUMENTAR DE TAMANHO ***

segunda-feira, 13 de abril de 2020

É O FIM DA PICADA ! ! !


O vereador Douglas Medeiros acha que vereador ganha pouco. Apenas lembrando que o salário de um vereador aqui na cidade é de R$ 10 mil e de um assessor também é de R$ 10 mil. Confiram este e outros descalabros dos vereadores de Jundiaí.

O Quadrúpede da República, Jair Bolsonaro, mugiu que o decreto de suspensão da quarentena já está pronto na sua mesa para ser assinado.

Mesmo com os novos dados apresentados, ele disse que as atividades exercidas pela sociedade são fundamentais e não podem parar.

Parece que em Jundiaí o prefeito Luiz Fernando Machado caminha nesta mesma linha. Aliás, o tucano apoiou abertamente a candidatura do mamífero Jair Bolsonaro nas eleições de 2018 dizendo: " Não podemos permitir a volta da esquerda e do PT ao poder ".

Muito bem. O nosso alcaide não somente abraçou as ideias do Quadrúpede da República, Jair Bolsonaro, mas também está caminhando célere para colocar um fim na quarentena em Jundiaí, como propôs o animal que governa este país.

E o fim da quarentena em Jundiaí já começou, com o prefeito Luiz Fernando Machado atendendo as exigências de vários vereadores. Senão, vejamos:

Cristiano Lopes - Pediu e o prefeito liberou os estacionamentos dizendo que é serviço essencial;

Leandro Bicho Legal - Impôs e o prefeito liberou Clínicas Veterinárias, banho e tosa de animais;

Gustavo Checchinato, é suplente de vereador - exigiu, e foi atendido, que as óticas fossem abertas. Ele tem uma rede de óticas;

Márcio Cabeleireiro - Está furioso porque o prefeito ainda não liberou os salões de cabeleireiros. Ele é proprietário de salão de cabeleireiro;

Os vereadores pastores estão pressionando para que as igrejas possam reabrir as suas portas para a "cura" do COVID19 e o devido recebimento do dízimo;

Tem vereador, inclusive, querendo liberar bares e motéis.

Durmam com um barulho desses. É uma festa. O governo municipal virou a casa da mãe Joana, pois o que vale são os interesses políticos dessa tucanada sem vergonha e não a vida da população.

quinta-feira, 2 de abril de 2020

VÍRUS LUCRATIVO ! ! !

O prefeito Luiz Fernando Machado emitiu o Decreto Nº 28.926, de 24 de Março de 2020, que colocou a cidade em estado de calamidade pública. Vamos entender o que significa, juridicamente, o estado de calamidade pública.

A Constituição permite que em casos de calamidade pública o governante tome os chamados empréstimos compulsórios. Além disso, o governante pode passar a parcelar as dívidas, atrasar a execução de gastos obrigatórios e antecipar o recebimento de receitas. O município afetado também pode ficar dispensado de realizar licitação em obras e serviços enquanto durar a calamidade.

Muito bem. Após este decreto, o prefeito de Jundiaí adquiriu 10 mil testes para detectar o coronavírus a serem utilizados na população.

Diante desse ato do executivo, fomos averiguar os detalhes do contrato de compra destes testes uma vez que, devido ao estado de calamidade pública vigente em Jundiaí, não houve licitação.

Ao analisarmos os dados desta contratação, nos deparamos com alguns detalhes realmente muito intrigantes. Senão, vejamos:

1) A empresa contratada, sem licitação pública, para fornecer os 10 mil testes foi o Instituto Sapiens Vita - Comércio de Instrumentos Médicos e Assessoria Clínica em Saúde, cujo contrato foi publicado na Imprensa Oficial do Município. Confiram abaixo:

**** CLIQUE SOBRE A IMAGEM PARA AUMENTAR DE TAMANHO ****


2) O Instituto Sapiens Vita - Comércio de Instrumentos Médicos e Assessoria Clínica em Saúde tem como administradora a Sra. Fernanda Correia Pereira Benassi, casada com o Sr. Alexandre Benassi, filho do ex-prefeito André Benassi que preside este instituto. Confiram os dados da empresa abaixo:

**** CLIQUE SOBRE A IMAGEM PARA AUMENTAR DE TAMANHO ****

3) O Sr. Alexandre Benassi, filho do ex-prefeito André Benassi e marido da administradora da empresa que vendeu os 10 mil testes para a prefeitura para detectar o coronavírus, é um dos diretores da Construtora Santa Angela. Confiram abaixo:

**** CLIQUE SOBRE A IMAGEM PARA AUMENTAR DE TAMANHO ****

Pois é. E assim caminha a humanidade e o coronavírus.

terça-feira, 31 de março de 2020

A VERDADE ESCARRADA ! ! !

Em época de coronavírus é necessário recordarmos os tempos sombrios que já se abateram sobre a saúde pública de Jundiaí.

Durante a gestão do então prefeito Pedro Fávaro e após a aprovação pela Câmara Municipal, sob a presidência do vereador Paulo Ferraz dos Reis, foi promulgada a Lei nº 1.506, no dia 12 de março de 1968, criando a Faculdade de Medicina de Jundiaí como autarquia municipal sob a responsabilidade do Dr. Jayme Rodrigues.

Vale salientar que, a partir de 1971, a Faculdade passou a contar com a ajuda dos médicos que atuavam no Hospital de Caridade São Vicente de Paulo, como Professores Assistentes das áreas clínicas, cabendo lembrar os nomes de Júlio Ferreira, Célio Ciari, Antonio Mendes Pereira, Edward Aleixo de Paula, Murilo Rodrigues Viotti, Lavoisier França Silveira, Antonio Carlos Ferragut, Eurico Malagodi, Natalino Filipini, entre outros.

O tempo passou e a faculdade foi se consolidando como uma escola médica de alta qualidade servindo como um parâmetro para a nossa assistência de saúde na cidade que passou a ser colocada da seguinte maneira: antes e depois da criação da Faculdade de Medicina.

Porém, a cidade começaria a viver tempos trágicos em sua política, o que iria refletir decisivamente na faculdade, com a chegada ao poder de um grupo político liderado pelo advogado André Benassi.

E chegou o ano de 1984. Assume a diretoria o vice-diretor, Prof. Dr. Antônio Monteiro Cardoso de Almeida, em virtude da indecisão de André Benassi quanto à escolha do novo diretor de lista sêxtupla a ele encaminhada, o que obedeceria o ritual da legislação e do Regimento Interno da Faculdade. O Prefeito foi convidado pela Congregação para reunião em seu prédio sede quando afirmou categoricamente:

- " Ou tenho um diretor meu ou fecho a faculdade ".

Assim se fez. Naquele mesmo ano André Benassi enviou um projeto de lei à Câmara Municipal extinguindo a Faculdade de Medicina. Este projeto foi aprovado. À medida em que os vereadores votavam na sessão da Câmara Municipal a favor do fechamento da escola, os alunos, que lotavam o plenário do legislativo, atiravam moedas nos edis. Um dos parlamentares que votou pelo fechamento da escola médica e também recebeu uma chuva de moedas atiradas pelos acadêmicos foi o então vereador Miguel Haddad.

E são exatamente estes os políticos nefastos que hoje fazem discurso a favor da saúde pública de Jundiaí.

Estas situações trágicas jamais poderão cair no esquecimento para que possamos evitar que políticos desqualificados como estes voltem a comandar a cidade causando enormes prejuízos ao povo de Jundiaí.

sábado, 28 de março de 2020

O DINHEIRO OU A VIDA ?

FOTO: O vereador Gustavo Martinelli ao lado do nazista Jair Bolsonaro, o ser mais desprezível da história do Brasil.

O Brasil tem vivido nas últimas semanas um verdadeiro estado de transe devido não somente à pandemia em pleno curso, mas também pelo fato de termos um presidente nazista, racista, ignorante e que odeia o seu povo.

Este baiacu de água doce que dirige a nação está colocando em prática um projeto de extermínio dos pobres através de decisões que somente favorecem à elite financeira do país.

Na contramão deste insano, as autoridades sanitárias brasileiras determinaram uma quarenta no país para diminuir os estragos proporcionados por este vírus.

Porém, uma legião de fracassados, de marginais, de seres vazios de espírito, uma patuleia cuja existência carecia até então de algum significado útil, uma gentalha ressentida, apodrecida e sem voz, está disseminando no país um movimento para que a quarentena seja interrompida sob o argumento de que a economia não pode parar.

As autoridades sanitárias já se posicionaram dizendo que, se a quarentena for interrompida, o número de infectados no Brasil poderá chegar à casa do 1 milhão de pessoas.

Mesmo assim as passeatas pedindo a interrupção da quarentena aconteceram. Aqui em Jundiaí uma turba, apoiada por comerciantes, saíram às ruas para protestarem, com a participação desastrosa do vereador Gustavo Martinelli. Inclusive este edil, junto com um grupo de comerciantes, esteve na prefeitura no intuito de pressionar o prefeito para que a quarentena fosse encerrada.

Profundamente lamentável a ação do vereador. Diante desta atitude, o parlamentar está na mira de um possível processo criminal pelo ato político tresloucado que adotou visando as próximas eleições.

Eis a base jurídica que pode levar o vereador ao banco dos réus:

CÓDIGO PENAL

Art. 267 - Causar epidemia, mediante a propagação de germes patogênicos:

Pena - reclusão, de cinco a quinze anos.

§ 1.º - Se do fato resulta morte, a pena é aplicada em dobro.

§ 2.º - No caso de culpa, a pena é de detenção, de um a dois anos, ou, se resulta morte, de dois a quatro anos.

Art. 268 - Infringir determinação do poder público, destinada a impedir introdução ou propagação de doença contagiosa:

Pena - detenção, de um mês a um ano, e multa.

quinta-feira, 26 de março de 2020

TIRANDO A MÁSCARA ! ! !

" Eu não estou ao lado deste grupo que atua contra o governo central do presidente Jair Bolsonaro. Se esta discussão continuar, reflito minha permanência no partido ".

Luiz Fernando Machado
Prefeito de Jundiaí

terça-feira, 24 de março de 2020

DEPOIS DA PANDEMIA ! ! !

Algumas indagações já começam a serem feitas sobra o destino do planeta após a passagem do coronavírus.

Que sociedade teremos depois da pandemia ? Seremos os mesmos ? Uma coisa é certa: Isto deixou de ser a vida como nós a conhecíamos. A economia mundial vai sofrer anos até se recuperar do impacto da pandemia, ou talvez jamais se recupere nos moldes em que esteve até hoje.

Alguns dizem até que será o fim do capitalismo global e da hegemonia dos Estados Unidos, dando lugar a uma nova estrutura econômica mais igualitária sob a batuta da China.

Aliás, o atual Presidente da República Popular da China e Secretário-Geral do Partido Comunista da China, Xi Jinping, disse recentemente que chegou a hora da China liderar o mundo. Diante do quadro econômico geral, a possibilidade que isto aconteça após a pandemia é imensa.

Em termos de Brasil, nós estaremos liquidados. O governo do nazista Jair Bolsonaro já acabou há muito tempo, estando atualmente em estado de coma. As grandes, médias, pequenas e micro empresas brasileiras já atingiram o grau de desespero antevendo a quebradeira em série que ocorrerá após a pandemia que paralisou toda a atividade econômica do país.

A nível de Jundiaí, a situação não é diferente. Além das empresas locais estarem incluídas nas futuras massas falidas pós pandemia, a nossa prefeitura está financeiramente destruída por inúmeras administrações irresponsáveis que aniquilaram a base econômica municipal em troca da perpetuação no poder do grupo político que nos governa há 40 anos.

A grande pergunta que fica é a seguinte: O que todos nós, meros mortais e pecadores, poderemos fazer para que as próximas gerações tenham algum futuro ?

Em primeiro lugar, o grupo que governa o país tem de ser deposto para podermos ainda salvar alguma coisa da riqueza nacional.

Em segundo lugar, aqui em Jundiaí teremos de fazer a mesma coisa, ou seja, colocarmos no olho da rua este grupo político funesto, capitaneado pelo PSDB, que tomou de assalto o poder público local com o objetivo de favorecer aos negócios particulares de meia dúzia de espertalhões.

Enfim, um novo tempo se aproxima, onde o povo deverá tomar o seu lugar de direito e descartar a política patrimonialista vigente que ninguém suporta mais.

sexta-feira, 20 de março de 2020

O ATOR DE SEMPRE ! ! !

O prefeito Luiz Fernando Machado constituiu há alguns dias o chamado Comitê de Enfrentamento ao Coronavírus com o objetivo de reduzir o desconforto à população e manter linha direta de comunicação com o poder público.

Disse o alcaide: " É preciso conter a circulação das pessoas, e, consequentemente, do novo coronavírus. Aqueles que puderem, que fiquem em casa. Quanto menos pessoas em circulação, menor a possibilidade de contaminação. Essas medidas são fundamentais para os idosos, que formam o público mais vulnerável ".

Muito bem. O que o prefeito disse todo mundo já sabe. Porém existem algumas questões que o tucano faz de conta que não vê. Vamos a elas.

Em primeiro lugar, o número real de infectados em Jundiaí não é apenas dois, como foi divulgado. Os contaminados são em número maior, inclusive já atingindo os profissionais de saúde.

Em segundo lugar, a estrutura da rede pública de saúde é precária. Faltam insumos, faltam máscaras que são racionadas, faltam paramentos para o atendimento dos infectados e dos suspeitos.

Em terceiro lugar, o prefeito diz para todos ficarem em casa. Isto está correto. Mas há um problema grave nesta recomendação que o prefeito não quer olhar.

Para as pessoas empregadas ou que tenham recursos financeiros de reserva, será relativamente tranquilo ficarem em casa.

Porém, caros amigos, existe uma verdadeira legião de pessoas que estão desempregadas, ou que só recebem pagamento se trabalharem, ou então que estão excluídas da vida social morando na rua, ou abandonadas nas periferias e nas regiões de submoradias.

O que estas pessoas irão fazer ? Vão ficar em casa para não se contaminar com o vírus, porém morrerem de fome ? O que está planejado para este segmento de pessoas órfãs do poder público e da vida ?

Na realidade, a prefeitura nem tocou neste assunto porque não tem programa nenhum para estas pessoas. O que está no radar do prefeito é só um discurso de salvador da pátria que será utilizado, certamente, nas eleições que virão.

As pessoas em situação de aflição que citamos aqui não serão atendidas e continuarão abandonadas. O tal Comitê de Enfrentamento ao Coronavírus só vai ficar no discurso de impacto, mostrando às pessoas o que elas já sabem pela grande imprensa.

Pois é. Se já não bastasse termos um presidente da república boçal e desqualificado, ainda temos de engolir um prefeito fanfarrão, que gosta de posar nos microfones fazendo de conta que governa.

segunda-feira, 16 de março de 2020

ACREDITE SE QUISER ! ! !

FOTO: O prefeito Luiz Fernando Machado e o presidente da Câmara Municipal, Faouaz Taha, anunciando a Taça das Favelas, enquanto a cidade está completamente abandonada. Uma vergonha.

A Prefeitura de Jundiaí vai sediar a realização da Taça das Favelas na cidade. Este é um torneio de futebol de campo com a participação de times formados em bairros vulneráveis.

Até aí, tudo bem. Tudo estava caminhando normalmente para a demagogia de sempre em véspera de eleições. Quando de repente o alcaide, entusiasmado com a ideia, desferiu o seguinte impropério:

" Quando o Poder Público abraça a Taça das Favelas, mostra que tem um olhar diferenciado para as comunidades envolvidas ".

Não, não é invenção deste blog. Tudo está registrado no próprio site da prefeitura. Ele não ficou nem vermelho de vergonha pelo que falou. Os prefeitos tucanos que se sucedem na cidade estão pouco se lixando para as favelas, onde colocam os pés apenas para pedirem votos.

E o munícipe tem de engolir mais este sapo de um governo que se mantém através de uma imagem vendida pela imprensa manipuladora.

Apenas para que os amigos tenham uma ideia sobre a situação das favelas, assistam ao vídeo abaixo, produzido há alguns anos, que mostra o resultado deste incrível "olhar diferenciado do PSDB" para com estas regiões carentes, abandonadas pela politicagem vigente:

quinta-feira, 12 de março de 2020

DEMAGOGIA BARATA ! ! !

FOTO: O prefeito Luiz Fernando Machado fazendo pose de defensor da preservação do meio ambiente. A enganação de sempre.

" Queremos fortalecer e ampliar a preservação do meio ambiente e dos recursos hídricos, criando uma cidade melhor para todos ". Estas palavras foram ditas pelo prefeito Luiz Fernando Machado em evento recente com os agricultores de Jundiaí.

Tudo mentira. Não existe política pública de preservação do meio ambiente em Jundiaí, a não ser nos discursos vazios das autoridades municipais. Em suma, a prefeitura não preserva nada.

Foi apresentado recentemente o ranking estadual do Programa Município Verde Azul - PMVA do governo do Estado de São Paulo. O resultado do programa em 2019 coloca a cidade de Jundiaí, que outrora já ocupou o 1º lugar, em 124° lugar no ranking ambiental estadual, ficando atrás de vários municípios que não detêm estrutura de gestão ambiental sequer aproximada de Jundiaí.

A cidade de Jundiaí não foi qualificada e obteve a segunda pior nota histórica, desde o início de sua participação no ranking do Município Verde Azul. Os quesitos avaliados foram: Município Sustentável, Estrutura e Educação Ambiental, Conselho Ambiental, Biodiversidade, Gestão das Águas, Qualidade do Ar, Uso do Solo, Arborização Urbana, Esgoto Tratado e Resíduos Sólidos.

O município de Jundiaí foi reprovado, ficando abaixo dos pontos mínimos necessários para obter prioridade nos repasses do Fundo Estadual de Controle da Poluição – FECOP e do Fundo Estadual de Recursos Hídricos – FEHIDRO. São milhões de reais a fundo perdido disponibilizados aos municípios qualificados, para aquisição de equipamentos e projetos para a área ambiental, que serão perdidos pela incompetência dos governos do PSDB que se sucedem na cidade.

Assim sendo, não adianta mais, em véspera de eleição, o prefeito Luiz Fernando Machado vir a público com uma cantilena mentirosa dizendo que a cidade é exemplo em preservação ambiental. Os dados oficiais provam exatamente o contrário.

Toda esta situação confirma que existe um projeto velado na cidade de destruição ambiental para que sejam favorecidos os especuladores imobiliários que detém o poder político do município.

A nossa cidade não é propriedade de meia dúzia de espertalhões. É preciso mostrarmos a essa gente que a cidade pertence aos mais de 400.000 habitantes que aqui vivem e não à estes reles corsários que transformaram Jundiaí em seu reinado particular.

segunda-feira, 9 de março de 2020

VERGONHA SEM FIM ! ! !

O Congresso Nacional rejeitou o veto do presidente Jair Bolsonaro a itens do projeto da Lei de Diretrizes Orçamentárias que preveem a inclusão de seis tipos de despesas entre aquelas que não poderão sofrer bloqueio de verbas caso haja diminuição de receita.

Dessa forma, não poderão sofrer bloqueio as despesas:

- com ações de pesquisas e desenvolvimento e de transferência de tecnologias vinculadas ao Programa de Pesquisa e Inovações para a Agropecuária;
- do Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FNDCT);
- da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa);
- da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz);
- do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea);
- da Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Na Câmara dos Deputados, o veto foi rejeitado por 282 votos a 167.

O mais inacreditável desta votação é que o deputado federal jundiaiense, Miguel Haddad, do PSDB, votou a favor da manutenção do veto de Jair Bolsonaro a verbas para pesquisas científicas no país.

O bolsonarismo reuniu diante de si um apanhado de fracassados, de marginais, de seres vazios de espírito, uma patuléia cuja existência carecia até então de algum significado útil. Uma gentalha ressentida, apodrecida, sem voz, que encontrou, agora, seu representante perfeito.

A claque bolsonarista, à semelhança dos "dezembristas" de Luís Bonaparte, é aquela trupe de "lazzaroni", muitos socialmente desajustados, aquela "coterie" que aplaude os vitupérios, as estultices do seu "mito". Gente da elite, da classe média, do lumpemproletariado.

Autodenominam-se "politicamente incorretos". Nada disso. É só uma engenharia gramatical para "gourmetizar" o cretino.

É a esta caterva ordinária que o deputado federal Miguel Haddad se juntou ao votar a favor do veto deste escroto presidente.

A cidade de Jundiaí não merece passar por este vexame.

Confiram nas imagens abaixo o voto do funesto deputado tucano:

***** CLIQUE SOBRE AS IMAGENS PARA AUMENTAR DE TAMANHO *****

IMAGEM ABAIXO: O deputado federal Miguel Haddad votou "SIM", ou seja, a favor da manutenção do veto de Jair Bolsonaro a verbas para ciência e tecnologia. Uma vergonha para o povo de Jundiaí.

quinta-feira, 5 de março de 2020

A DAE S/A DE SEMPRE ! ! !

Passa o tempo e os descalabros envolvendo a empresa de água e esgoto de Jundiaí continuam a todo o vapor. Tudo foi planejado e preparado há muito tempo para o ataque final à Serra do Japi com o objetivo de engordar a conta bancária de um grupo político e empresarial que tomou de assalto a vida pública da cidade há 40 anos.

Confiram mais este tapa na cara do povo de Jundiaí.

No ano de 2008 a DAE S/A despejou, intencionalmente, uma lama tóxica referente à limpeza de uma represa já existente na Serra do Japi. Esse despejo causou um desastre ambiental monumental que foi escondido da população pela nossa costumeira imprensa vendida.

Estes despejos tem sido feitos com frequência, destruindo de maneira inexorável a Serra do Japi e em particular a Fazenda Ribeirão.

Toda a fauna e a flora daquele santuário ecológico tem sido atingidos gravemente por estas ações da DAE S/A, inclusive causando a morte de milhares de peixes que vivem nas águas da região.

E ninguém fez nada. Os órgãos públicos apenas assistiram a catástrofe. O resultado desta inércia é que ninguém respondeu por isso. Ninguém foi processado por isso. Ninguém foi cassado por isso. Ninguém está na cadeia por isso. Nada. Não aconteceu absolutamente nada.

Isto mostra claramente que existe uma política de depredação contra a Serra do Japi visando, no futuro, facilitar o acesso dos especuladores imobiliários àquelas terras onde terão lucros milionários.

Para que os amigos deste blog tenham uma pálida ideia deste crime ambiental que foi cometido pela DAE S/A na Serra do Japi, assistam ao vídeo abaixo e alimentem um pouco mais a sua indignação: