domingo, 28 de junho de 2009

POR QUE A DEPUTADA NÃO DISSE ISSO AO JJ ? (III)

O Órgão Especial do Tribunal de Justiça de São Paulo determinou o afastamento por tempo indeterminado da juíza Ida Inês del Cid, da 2ª Vara do Fórum de Mauá. Ela foi flagrada em escutas telefônicas durante as investigações do Ministério Público sobre uma quadrilha acusada de usar postos de gasolina e revendedoras de carros para lavar dinheiro do tráfico de drogas para o Primeiro Comando da Capital (PCC), no ABC.

Nas gravações, a juíza dá instruções ao atual presidente da Associação Comercial de Mauá, Sidnei Garcia, que atuou na campanha da deputada estadual Vanessa Damo (PV), sobre como agir contra denúncias sobre a então candidata. Garcia é acusado pelo Ministério Público de contribuir para o esquema de lavagem de dinheiro do PCC. Vanessa é filha do prefeito de Mauá, Leonel Damo (PV).

A Assessoria de Imprensa do Tribunal de Justiça informou que o afastamento da juíza será mantido até o término do processo administrativo aberto contra ela na instituição. O tribunal informou ainda que o caso corre em sigilo e que não poderia fornecer mais informações. Quando foram divulgadas as conversas da juíza, a corregedoria do órgão informou que investigava o possível envolvimento de Ida Inês del Cid com a quadrilha no ABC.

A juíza não quis comentar o caso e informou estar com problemas de saúde. A reportagem também não conseguiu localizá-la em sua casa.

FONTE: Diário do Grande ABC

3 comentários:

PV disse...

12/04/2007 - Declarada a inelegibilidade do prefeito Leonel Damo e da deputadaVanessa DamoDeputada e prefeito de Mauá fizeram uso indevido de meio de comunicação social nas eleições de 2006. Em sessãorealizada nesta quita-feira (12/03), o TRE-SP julgou procedente a Investigação Judicial Eleitoral ajuizada pelaProcuradoria Regional Eleitoral de São Paulo (PRE-SP), órgão do Ministério Público Federal, em face da DeputadaEstadual Vanessa Damo e de seu pai, Leonel Damo, prefeito do município de Mauá. Em conseqüência, foi declarada ainelegibilidade de ambos por três anos.O Tribunal acolheu a representação formulada pela PRE-SP, segundo a qual os representados fizeram uso indevido demeio de comunicação social com a finalidade de promover a candidatura de Vanessa ao cargo de Deputada Estadual, oque se deu por meio do periódico semanal "Opinião Pública". No período de janeiro a setembro, o periódico, com tiragemde 30.000 exemplares, publicou notícias sobre obras, atividades e realizações de Vanessa e Leonel Damo, sempreenaltecendo suas realizações políticas e, dessa forma, incutindo de maneira subliminar a imagem de Vanessa Damo noeleitorado.Em sua representação, o Ministério Público Eleitoral apontou ainda que o jornal publicava, mediantepagamento, propaganda institucional da prefeitura de Mauá.Da decisão do TRE-SP cabe recurso ao TSE.Clique aquipara acessar o inteiro teor da representação no sítio da PRE-SP na internet. Procuradoria Regional Eleitoral em São Paulohttp://www.presp.mpf.gov.brFornecido por Joomla!Produzido em: 21 May, 2009, 02:28

Cel. Epaminondas disse...

Sr. Cesar

Por favor comente estas inserções: PV disse ..., pois repete nos três textos o que fora divulgado pelo Blog do Beduíno.

A vinda desta Sra.Vanessa e do Sr. José Anibal, com entrevistas em rádios e jornais, traz para Jundiaí a preocupação dos agentes de marketing dos senhores do Participação Só Da Bandalheira, inclusive temos um homem de marketing na Prefeitura de Jundiaí e esta preocupação é para reverter a situação precária dos mesmos, pois em 2.010 a boca vai esquentar.

Tá ou não está na hora de termos uma divulgação melhor, além do Blog, para a oposição na terra de Petronilha?

É só ver a questão da juíza de Mauá e do TRE no caso do alcáide de Jundiaí.

Tá na hora!

Anônimo disse...

quem mandou não se filiar no PSDB com certeza a coisa não teria chegado neste pé e a imunidade estaria garantida.