terça-feira, 10 de março de 2009

É PRECISO TER FÉ ! ! !

No último domingo aconteceu uma coisa muito interessante. Um amigo, frequentador assíduo da missa das 18:15 hs, ficou de boca aberta. Ele rezava sózinho quando, de repente, entra na Catedral Nossa Senhora do Desterro o Sr. Eduardo dos Santos Palhares. Com a camiseta do Paulista F.C. e olhando para o alto, o presidente do Galo, da FUMAS e do PV começou a orar. Rezou. Rezou. Rezou muito. Ficou em pé. Ajoelhou. Entrou na sacristia. Saiu da sacristia e rezou mais. Andou e parou na frente de todos os santos. Um verdadeiro Rosário Cristão. Depois de completar seus pedidos saiu da igreja e foi embora. Resultado das orações do presidente Palhares: 1) O Paulista perdeu de 3 X 0 para o Santo André tomando um verdadeiro baile e continuando ameaçado pelo rebaixamento; 2) Recebemos informações de que Eduardo Palhares estaria perdendo o PV. O prefeito interino Miguel Haddad teria feito uma negociação com a direção nacional do PV para mudar o presidente da sigla em Jundiaí. Sairia Palhares e assumiria o PV local Leandro Di Pietro, amigo e fiel escudeiro do prefeito interino. Vou dizer um negócio para vocês. Do modo com que as coisas andam Palhares pode perder até a FUMAS, já que a presidência do órgão é um cargo do PV. He He He. Precisamos enviar bons fluidos para o Sr. Palhares porque, pelo jeito, suas orações foram muito fracas e sem o sentimento cristão. Oremos: " GLORIA IN EXCELSIS DEO ET IN TERRA PAX HOMINIBUS BONAE VOLUNTATIS, AMÉN ".

41 comentários:

Anônimo disse...

bem feito, rezou pra todos menos pro SANTO ANDRÉ.

Anônimo disse...

MEU DEUS! LEANDRO DI PIETRO, AQUELE QUE ERA DA CIJUN.AI JUNDIAÍ SERÁ QUE VOCE RESISTE.

Anônimo disse...

Ele está virando EDUARDO EMPALHADO.

Ah! Jundiai Jundiai se voce fosse um corpo....

Anônimo disse...

AÍ FERRINHO: PULA NESTA BARCA.

Anônimo disse...

E agora, foi fatalidade???

Ema 2006, já havia este fato.

Cadê, o grande governo do PSDB, a cidade saudável, etc, etc...

Vão queimar o Palhares, mas não está resolvido.

PARQUE SOB SUSPEITA
10/3/2009
A febre maculosa matou garota

Sacramone, Carolina, Tânia e Mara discutiram o caso com a imprensa
Secretaria de Saúde, DAE, Vigilância Epidemiológica e Centro de Controle de Zoonoses se reuniram na tarde de ontem, na Prefeitura de Jundiaí, para divulgar o laudo oficial da morte de Giovanna Ferreira Barbosa, 11 anos, no dia 4 de janeiro deste ano. A conclusão dos exames é de febre maculosa, seguida de meningite/encefalite.

Malukita disse...

ahahaha esse mesmo... que fata de equipe técnica... my goooooooooooood

Tio disse...

Eu tenho FÉ:

ESTE É UM PROJETO DE GENTE GRANDE:

Que os outros aprendam...

Parabéns vereador Durval Orlato.

ORDEM DO DIA
7/3/2009

Vereadores decidem criação de plebiscito

Os vereadores da Câmara de Jundiaí votarão na sessão ordinária da próxima terça-feira, a partir das 9 horas, projeto do vereador do PT, Durval Orlato, sobre a criação de lei para instituir plebiscitos, referendos e participação popular em Jundiaí.

A proposta recebeu pareceres favoráveis da Consultoria Jurídica e da Comissão de Justiça e Redação (CJR) da Casa. "Isso significa que, em questões locais, 5% da população e/ou 1/3 dos vereadores poderão marcar plebiscito ou referendo para questões relevantes em nosso município", justifica Orlato.

Segundo o parlamentar, propostas semelhantes já foram criadas em outras cidades e já têm apoio nacional da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) e da CNBB (Confederação Nacional dos Bispos do Brasil).

De acordo com Orlato, a realização de plebiscito seria permitida, por exemplo, para opinião pública em relação a obras que ultrapassem 3% do orçamento municipal. "A inspiração para o projeto começou enquanto eu ainda estava na Câmara Federal. O projeto permite à população se expressar em determinados casos. São formas de consulta popular."

Em caso de referendo, de acordo com a proposta, "uma vez proclamado resultado pela Justiça Eleitoral, compete à Câmara Municipal declarar texto normativo sobre a decisão popular."
THIAGO GODINHO

Tio disse...

Minha breve análise do projeto do vereador Durval Orlato:

1-Pensou no povo (inclusão social);
2-Pareceres favoráveis: foi estudioso (é eficiente);
3-Participação popular, devolve ao dono do PODER o PODER;

Para mim, não há por que recusar é aprovar e por prática.
Espero que a sociedade organizada participe ativamente deste instrumento de melhoria.

Solicito aos Kamaradas, blogueiros que façam seus comentários.

Podem discordar, é democracia.

Tio disse...

Até que enfim: o aluno só poderá passar de ano se tirar nota acima de 5.

VÁRZEA PAULISTA
10/3/2009
Justiça nega pedido da Prefeitura

A desembargadora de São Paulo, Maria Olívia Alves, decidiu que as escolas municipais de Várzea Paulista não adotarão a chamada progressão continuada (aprovação automática dos alunos). A informação foi dada ontem, pelo promotor de Justiça de Várzea Paulista, Fausto Luciano Panicacci. "Ela entendeu que adolescentes de 14 e 15 anos estão passando de ano sem saber ler e escrever direito", disse o promotor.

Panicacci entrou com o pedido de tutela antecipada para a não-implantação da progressão continuada nas escolas municipais de Várzea em janeiro deste ano. Ele baseou seu pedido em dissertações de mestrado e teses de doutorado que confirmam a ineficiência da progressão, além da vivência do dia-a-dia. "Através de vários estudos comprovei que, na prática, a progressão continuada contribui para que muitos alunos saiam na 8ª série sem saber ler nem escrever."

Segundo ele, a decisão inclui tanto escolas estaduais como municipais. "Com essa decisão da desembargadora, o aluno só poderá passar de ano se tirar nota acima de 5. Caso contrário ficará retido." Para o promotor, a liminar servirá de exemplo a outros municípios. "Acredito que outros municípios seguirão o exemplo e entrarão com ações. Essa forma de ensino não contribui em nada na formação do aluno."

A Secretaria de Assuntos Jurídicos de Várzea Paulista informou ontem, pela assessoria de imprensa, que não foi comunicada oficialmente sobre a decisão da desembargadora.

Essa moda, precisa pegar!!!!!

Anônimo disse...

O amigo tayar! o tio tá ficando muito metido,lá em cima tem alguém dizendo pro "sucata",'PULA NESSA BARCA".Naõ seria melhor:vá pro ninho tucano e se satisfaça com uma minhoquinhas,sua bibona antiga??????????????.mexa comquemtáquieto!!!!!!!!!!!!!pinduca na area!!!!!!!!!

Anônimo disse...

Caro Tio, vou comentar!

Não fosse a hipocrisia reinante, eu aplaudiria o Sr. Durval, como cidadão do bem, mas conhecendo um pouco de história, bem....
Concordo nos pontos listados e os julgo nobres mas um tanto utópicos.
As armas que usam contra nós, o povo, é algo que dificilmente usariamos pois contudo ainda somos seres solidários e ser solidário jamais significa legislar em causa própria, prática que tem se agigantado nos municípios brasileiros, como se fosse a regra e não a exceção.
Diz meu amado pai que o único jeito de combater um oponente mais forte é tentar usar a força desse a nosso favor e, aproveitando o desequilibrio gerado no golpe desferido contra atacá-lo.
Considerando...
(Em caso de referendo, de acordo com a proposta, "uma vez proclamado resultado pela Justiça Eleitoral, compete à Câmara Municipal declarar texto normativo sobre a decisão popular.") penso que é nesse exato momento que entra a mobilização popular para acompanhar de perto o texto normativo para que medidas posteriores não venham frustar o verdadeiro anseio do POVO.
Povo aqui entendido como "demos" que origina a DEMOCRACIA tão desejada e poucas vezes observada dentre nossos representantes "legítimos"!

TENHO FÉ SIM!!!
MUITA!!!!!!!!!!!!
MAS APRENDI QUE em rio que tem piranha, jacaré nada de costas!

Abraços,

MRC

Anônimo disse...

Proposta de princípios para Lei de Responsabilidade Educacional

Todos Pela Educação, Comissão de Educação e Cultura da Câmara dos Deputados e Unesco, Consed e Undime lançam documento com princípios e fundamentos para a criação da Lei de Responsabilidade Educacional no Brasil(08/2008)
Questão bastante discutida foi a efetividade da futura lei. O deputado Antonio Carlos Biscaia (PT-RJ) acredita na sua aprovação, mas afirma que este será apenas o primeiro passo. Ele explica que é papel de todos acompanhar e cobrar o cumprimento e a efetividade da lei. Ainda sobre a aplicabilidade da futura lei, o deputado Paulo Rubens Santiago (PDT-PE) expôs a sua preocupação com a demora da justiça em julgar as denúncias de desvios de conduta, sobretudo nos casos de improbidade.

fonte:http://www.anj.org.br/

MRC

Tio disse...

Pelo que fiquei sabendo da reunião do pessoal do PDT, o caro Ex-vereador Ferrinho, atual "Sucata", criou a nova Lei da Física:
"Contra a força não há resistência...".

Mas também já estava com outra na manga:
"Contra o dinheiro não há resistência...".

Será??? Vendido? Não.

O cara, é bom moço! Ou estou enganado?

Anônimo disse...

Em tempo:

Nao me referi ao Sr. Durval com desconfiança e sim à forma global de produzir política!

MRC

Anônimo disse...

Leandro Di Pietro? Leia-se Prof. O.J.F. Amigos e sócios... tá na mão! De quem, mesmo???

Anônimo disse...

EUREKA!!!!!!!!!!

Vamos pedir ao Palhares para rezar pelo MIGUEL pedindo ABSOLVIÇÃO DE SEUS PECADOS "CAPITAIS", rs... quem sabe!!!!!!!!!!!!

Anônimo disse...

Aquele projeto do gordo irmão Petralha, dos cem metros no entorno de represas e quetais, me parece que já existe resolução do Conama (Conselho Nacional do Meio Ambiente). Me corrijam se estiver errado.

Anônimo disse...

César o artigo abaixo fala com propriedade sobre progressão continuada, espero que nossos amigos blogueiros possam refletir após a leitura e entabular uma discussão "local" a respeito!

abraços, MRC

Progressão continuada ou aprovação automática?

Há dez anos venho estudando a escola onde o ensino é organizado por ciclos. Por conta disso, li muito sobre o tema e também orientei duas pesquisas de mestrado sobre o assunto, que já estão publicadas em livro: (DOCÊNCIA E DESESPERO: avaliação da aprendizagem na Escola Ciclada, de Renata Cabrera; e RESISTÊNCIA DOCENTE À ESCOLA CICLADA, de Marisa Brescovici Araújo, ambas publicadas pelas editoras Líber Livro e EdUFMT). De tudo isso, pude tirar conclusões bastante seguras:

1 - A chamada Escola Ciclada acabou sendo a vilã em função dos resultados dos exames de avaliação que apontam uma generalizada má qualidade do ensino no Brasil – mesmo que os modelos seriados também estejam lá embaixo. O senso comum da área confundiu progressão continuada com aprovação automática – forma ideológica, pejorativa e equivocada de se referir aos ciclos. Ora, em uma sociedade na qual o aparelho escolar é concebido naturalmente como mecanismo de seleção social, isso cai como uma bomba. Fazer todo mundo progredir? Isso parece absurdo, pois o “natural” seria a escola selecionar só os bons. Aos mais fracos bastam as primeiras letras e o mundo do trabalho físico.

2 - Os professores, salvo as raras exceções, não foram formados, nem na vida e nem nas universidades, para trabalhar em uma escola que se proponha a promover a todos com qualidade. Eles oscilam entre duas alternativas simples: aprovação apenas de alguns, cumprindo assim a função de escola seletiva reprovando a grande massa, ou, de outro lado, aprovação de todos sem critérios de qualidade. A idéia de uma educação para todos, com qualidade, não faz parte do imaginário do magistério brasileiro, afinal, ele vive em uma cultura onde a exclusão é a tônica. Portanto, reprovar é apenas uma conseqüência lógica.

Ele mesmo, às vezes, se enquadra na área dos excluídos. Então, a bandeira da educação para todos, com qualidade, não é empunhada pela maioria dos professores, a não ser como palavra de ordem. Afinal, vivemos em uma sociedade onde poucos serão os vencedores, os eleitos, os bem sucedidos.

3 - Um dos grandes dramas dos professores, que aparece abundantemente nas pesquisas, é o controle dos alunos em sala de aula. E, tendo-se a avaliação como possível instrumento de reprovação, o professor se sente mais seguro. Afinal, ele aparece aos olhos dos alunos como uma autoridade capaz de decidir sobre o seu sucesso ou insucesso. Neste caso, a avaliação se torna um eficaz instrumento de controle e não um mecanismo necessário ao contínuo julgamento do processo de ensino-aprendizagem. Portanto, a avaliação que não reprova é tida como ineficaz ao processo pedagógico em sala de aula. Os professores sabem avaliar os alunos pela retenção de conteúdos, mas não sabem avaliar o seu próprio processo de ensino.

4 - A escola organizada em ciclos se propõe a romper com a fragmentação do ensino, de natureza positivista – e este é o seu principal avanço em relação ao modelo seriado. Este concebe que o real, para ser compreendido, precisa ser parcelarizados até os seus extremos. Quanto mais fragmentado melhor para se conhecer. Ora, a Escola Ciclada busca inverter essa lógica e trabalhar com os conteúdos da ciência de modo articulado. É dado aí um enorme salto de qualidade, ou seja, da fragmentação para a articulação. Neste sentido, ela reconhece que não é possível ao aluno ser bom em história se ele não souber ler, interpretar textos, afinal, a história trabalha fundamentalmente com interpretação de textos. Também não é possível ser bom conhecedor da geografia sem profundo conhecimento de história. No ensino seriado – a lógica é separar os conteúdos de tal forma que nem mesmo o professor de literatura converse com o professor de língua portuguesa. Professores de outras disciplinas não corrigem erros gramaticais – pasmem! Professores de química e física não preparam os seus cursos em um plano articulado com o professor de matemática.

5 - No modelo seriado, a culpa pela reprovação era sempre dos alunos. O professor nunca se incluía nos resultados. A Escola Ciclada incomoda barbaridade, porque coloca o professor, também, como um dos responsáveis pela não aprendizagem. Afinal, como é possível ao aluno permanecer dois ou três anos na escola e nem mesmo ser alfabetizado? Será que os professores nada têm a ver com isso? No tempo da reprovação em massa – prática comum e naturalizada no modelo seriado, sobretudo, nas décadas de sessenta a oitenta – era fácil. Reprovava-se a cada ano e, conseqüentemente, o aluno desistia da escola. E o professor se eximia de qualquer responsabilidade pela reprovação.

6 - Uma outra conclusão tirada das pesquisas aponta para uma verdade simples: os professores não sabem trabalhar com a metodologia do ensino organizado por ciclos, pois não foi formado, nos cursos de licenciatura, para trabalhar com tal modelo. Então, aos governos que adotam o modelo de ciclos, cabe dar formação sólida, talvez maior que os quatro anos de universidade, para essa nova e revolucionário maneira de ensinar. Não há outra alternativa. No dia em que os professores de Matemática, Física, Química e Biologia, por exemplo, compreenderem que podem planejar junto o ensino, articulando os saberes, mostrando aos alunos, na prática de ensino mesmo, que um depende do outro, nunca mais retornarão ao modelo fragmentado.

7 - A escola organizada em ciclos respeita algo que é óbvio: as crianças não aprendem todas ao mesmo tempo. Nós, adultos, também não. Cada um tem o seu tempo de aprendizagem. Quando fazemos mestrado, doutorado, os nossos orientadores respeitam os diferentes tempos de cada um. Por que, então, parece absurda a idéia de que as crianças também aprendem de maneira dispare?

Respeita-se os diferentes ritmos dos adultos e não se respeita os das crianças. Pode?

8 - Por último, os governos precisam saber que os professores têm o poder de matar ou de dar vida a qualquer proposta de política educacional, por uma razão simples, simples: eles só ensinam o que sabem.

Melhoria do prédio escolar, biblioteca atualizada, laboratórios de informática e de ciências, melhoria nas condições de trabalho, melhores salários, etc., etc., tudo isso ajuda, mas o professor só ensina o que sabe – esta é a obviedade difícil de ser vista. Portanto, antes de formular qualquer política para a educação, é preciso perguntar: os professores saberão operacionalizar tal política? Se não sabem, apliquem os recursos primeiramente na formação.

Fazer educação de qualidade com os professores; muitas vezes contra eles, mas jamais sem eles – talvez esta seja a receita, embora nem todos eles estejam dispostos para essa empreitada.

(*) Antônio Carlos Máximo é doutor em educação, coordenador da UNESCO em Mato Grosso antoniomaximo@terra.com.br

Fonte: Antonio Maximo RSS 2

Anônimo disse...

"Bibona antiga"? O "Sucata"? Caramba... bem que eu desconfiava, mas... sacomé, né? Nunca fui cama, então...

Anônimo disse...

Em solidariedad ao Palhares e em homenagem ao MIGUÉ lá vai:

"Que as pulgas de mil camelos infestem o meio das pernas da pessoa que pense em arruinar JUNDIAÍ, e que os braços dessa pessoa sejam curtos demais pra se coçar.

Amém!"

Essa oração árabe é poderosa!

Graúna disse...

Ora ora, Leandro... amigo e fiel escudeiro do Osvaldo do "alambrado",estão "alembrados"? Aquele, o super, hiper, ultra ex secretário. Era só o que estava faltando! Concordo com o comentário do MRC.

Malukinha disse...

ferramenta popular:
seria interessante sair da teoria e ir para a pratica, mas isso requer um cadinho de trabalho...como opovo éfolgado, pelomenos conheçam a Lei...
ESTADO DE SÃO PAULO PROJETO DE LEI Nº13/2005

PROJETO DE LEI Nº 13, DE 2005
Regulamenta a Constituição do Estado, em matéria de plebiscito, referendo e iniciativa popular.

A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE SÃO PAULO DECRETA:

Art. 1º A presente lei tem por objeto regulamentar a Constituição do Estado, em matéria de plebiscito, referendo e iniciativa popular.
Art. 4º; § 1º A iniciativa popular, dirigida ao Tribunal Regional Eleitoral, ouvida a Assembléia Legislativa, exige a subscrição do pedido de manifestação do povo por, no mínimo, um por cento do eleitorado, distribuído em, pelo menos, cinco dentre os quinze maiores Municípios, com não menos de dois décimos de unidade por cento de eleitores em cada um deles.
Art. 8º A Constituição pode ser emendada por proposta de iniciativa popular, assinada, no mínimo, por um por cento dos eleitores, dirigida ao Presidente da Assembléia Legislativa. Parágrafo único – A proposta de emenda constitucional por iniciativa popular tem prioridade, em sua tramitação, sobre todas as demais propostas de emenda à Constituição.
Art. 9ºassegurada a defesa do projeto por representante dos respectivos responsáveis, perante as Comissões pelas quais tramitar.
§ 1º Os signatários(ou seja, QUEM ASSINAR O ABAIXO ASSINADO) devem declarar o seu nome completo, sua data de nascimento, bem como o Município onde têm domicílio eleitoral, vedada a exigência de qualquer outra informação adicional.
§ 2º O projeto de lei de iniciativa popular não poderá ser rejeitado por vício de forma
Lei criada por CARLOS NEDER PT EM 03/02/05

FONTE DE INFORMAÇÕES:biblioteca.virtual@sp.gov.br FONE:2193-8181

Anônimo disse...

PARABÉNS AO DURVAL PELA INICIATIVA. MINHA SUGESTÃO É QUE ESSAS AUDIENCIAS SEJAM MARCADAS EM HORÁRIO QUE O POPULAÇÃO POSSA PARTICIPAR, ASSIM COMO DEVERIAM REVER O HORÁRIO DA SESSÃO DA CÂMARA.

Anônimo disse...

que feio... reparando no momento tão intimo de uma pessoa, e se ele só estivesse buscando a paz interior ? se ele estivesse pedindo ajuda pra vida dele ? que veio bisbilhotar a vida dos outros...

Anônimo disse...

JÁ PASSOU DA HORA DESSE CARA (palhares) CAIR. JÁ MAMOU DEMAIS DESDE A ÉPOCA DA PARMALAT. LEMBRAM? NO DAE ENTÃO NADOU DE BRAÇADAS,ENRICOU E AJEITOU A VIDA DE UM PUNHADO DE PARENTES DE CORONEIS JUNDIAIENSES, FACILITANTO ATÉ MUDANÇA NO ULTIMO CONCURSO PUBLICO. NA FUMAS DEITOU E ROLOU ENCIMA DOS COITADINHOS DO MORADA DAS VINHAS POR EXEMPLO.(DIGA LÁ SR.BARBÁRA, DESSA VEZ VOCE MELHOROU DE VIDA HEIN?)

malukinha disse...

NÃO ADIANTA CRIAR MAIS UMA LEI PARA A EDUCAÇÃO... MAS SIM APLICAR A JÁEXISTENTES E ACABAR COM A CORRUPÇÃO NOS MUNICIPIOS... NADA NADA FORAM MAIS DE 15 BILHOPES DIRECIONADOS A EDUCAÇÃO ANO PASSADO... CADE?

O Ministério da Educação estuda implantar um sistema que pode ajudar na fiscalização do dinheiro que repassa aos municípios – algo como 15 bilhões de reais no ano passado. A idéia é usar imagens de satélite para vigiar a execução de obras financiadas com esses recursos. Fala-se até em contratar os serviços do Google. O ministério reconhece a dificuldade em se inspecionar as 5 500 cidades brasileiras, tarefa que hoje cabe aos órgãos controladores da União, como a CGU. Os relatórios oficiais mostram que muitas das obras não saem do papel.

VEJA publicou essa semana uma matéria (para assinantes), assinada pela editora assistente Camila Pereira, que trata da corrupção nas secretarias municipais de educação. Uma nova pesquisa mostra, com números, que essa é uma das piores pragas da educação brasileira. Quanto maior é o roubo, piores são as notas dos estudantes. A ocorrência de casos de corrupção significa um atraso de meio ano no nível de aprendizado dos alunos. Sem dúvida, preocupante. Quem sabe os satélites ajudem.

Anônimo disse...

Caro Tayar.
Vc deveria antes de escrever tanta besteira, procurar saber a verdade, aliás coisa que vc não se importa, pois vc cria a sua própria.
Limpe sua boca para falar da Igreja de Jesus Cristo. Vc não tem idéia de quantas vidas já foram salvas por ela. Os erros dos homens ocorridos no passado e que ocorrerão sempre, não tiram a dignidade e a missão de nossa Igreja.
Abaixo, segue o outro lado da história, que as pessoas como vc não se interessam de contar.



07/03/2009
GRÁVIDA DE GÊMEOS EM ALAGOINHA
O lado que a imprensa deixou de contar
Há cerca de oito dias, nossa cidade foi tomada de surpresa por uma trágica notícia de um acontecimento que chocou o país: uma menina de 9 anos de idade, tendo sofrido violência sexual por parte de seu padrasto, engravidou de dois gêmeos. Além dela, também sua irmã, de 13 anos, com necessidade de cuidados especiais, foi vitima do mesmo crime. Aos olhos de muitos, o caso pareceu absurdo, como de fato assim também o entendemos, dada a gravidade e a forma como há três anos isso vinha acontecendo dentro da própria casa, onde moravam a mãe, as duas garotas e o acusado.

O Conselho Tutelar de Alagoinha, ciente do fato, tomou as devidas providências no sentido de apossar-se do caso para os devidos fins e encaminhamentos. Na sexta-feira, dia 27 de fevereiro, sob ordem judicial, levou as crianças ao IML de Caruaru-PE e depois ao IMIP (Instituto Médico Infantil de Pernambuco), de Recife a fim de serem submetidas a exames sexológicos e psicológicos. Chegando ao IMIP, em contato com a Assistente Social Karolina Rodrigues, a Conselheira Tutelar Maria José Gomes, foi convidada a assinar um termo em nome do Conselho Tutelar que autorizava o aborto. Frente à sua consciência cristã, a Conselheira negou-se diante da assistente a cometer tal ato. Foi então quando recebeu das mãos da assistente Karolina Rodrigues um pedido escrito de próprio punho da mesma que solicitava um “encaminhamento ao Conselho Tutelar de Alagoinha no sentido de mostrar-se favorável à interrupção gestatória da menina, com base no ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente) e na gravidade do fato”. A Conselheira guardou o papel para ser apreciado pelos demais Conselheiros colegas em Alagoinha e darem um parecer sobre o mesmo com prazo até a segunda-feira dia 2 de março. Os cinco Conselheiros enviaram ao IMIP um parecer contrário ao aborto, assinado pelos mesmos. Uma cópia deste parecer foi entregue à assistente social Karolina Rodrigues que o recebeu na presença de mais duas psicólogas do IMIP, bem como do pai da criança e do Pe. Edson Rodrigues, Pároco da cidade de Alagoinha.

No sábado, dia 28, fui convidado a acompanhar o Conselho Tutelar até o IMIP em Recife, onde, junto à conselheira Maria José Gomes e mais dois membros de nossa Paróquia, fomos visitar a menina e sua mãe, sob pena de que se o Conselho não entregasse o parecer desfavorável até o dia 2 de março, prazo determinado pela assistente social, o caso se complicaria. Chegamos ao IMIP por volta das 15 horas. Subimos ao quarto andar onde estavam a menina e sua mãe em apartamento isolado. O acesso ao apartamento era restrito, necessitando de autorização especial. Ao apartamento apenas tinham acesso membros do Conselho Tutelar, e nem todos. Além desses, pessoas ligadas ao hospital. Assim sendo, à área reservada tiveram acesso naquela tarde as conselheiras Jeanne Oliveira, de Recife, e Maria José Gomes, de nossa cidade.
Com a proibição de acesso ao apartamento onde menina estava, me encontrei com a mãe da criança ali mesmo no corredor. Profunda e visivelmente abalada com o fato, expôs para mim que tinha assinado “alguns papéis por lá”. A mãe é analfabeta e não assina sequer o nome, tendo sido chamada a pôr as suas impressões digitais nos citados documentos.
Perguntei a ela sobre o seu pensamento a respeito do aborto. Valendo-se se um sentimento materno marcado por preocupação extrema com a filha, ela me disse da sua posição desfavorável à realização do aborto. Essa palavra também foi ouvida por Robson José de Carvalho, membro de nosso Conselho Paroquial que nos acompanhou naquele dia até o hospital. Perguntei pelo estado da menina. A mãe me informou que ela estava bem e que brincava no apartamento com algumas bonecas que ganhara de pessoas lá no hospital. Mostrava-se também muito preocupada com a outra filha que estava em Alagoinha sob os cuidados de uma família. Enquanto isso, as duas conselheiras acompanhavam a menina no apartamento. Saímos, portanto do IMIP com a firme convicção de que a mãe da menina se mostrava totalmente desfavorável ao aborto dos seus netos, alegando inclusive que “ninguém tinha o direito de matar ninguém, só Deus”.
Na segunda-feira, retornamos ao hospital e a história ganhou novo rumo. Ao chegarmos, eu e mais dois conselheiros tutelares, fomos autorizados a subirmos ao quarto andar onde estava a menina. Tomamos o elevador e quando chegamos ao primeiro andar, um funcionário do IMIP interrompeu nossa subida e pediu que deixássemos o elevador e fôssemos à sala da Assistente Social em outro prédio. Chegando lá fomos recebidos por uma jovem assistente social chamada Karolina Rodrigues. Entramos em sua sala eu, Maria José Gomes e Hélio, Conselheiros de Alagoinha, Jeanne Oliveira, Conselheira de Recife e o pai da menina, o Sr. Erivaldo, que foi conosco para visitar a sua filha, com uma posição totalmente contrária à realização do aborto dos seus netos. Apresentamo-nos à Assistente e, ao saber que ali estava um padre, ela de imediato fez questão de alegar que não se tratava de uma questão religiosa e sim clínica, ainda que este padre acredite que se trata de uma questão moral.
Perguntamos sobre a situação da menina como estava. Ela nos afirmou que tudo já estava resolvido e que, com base no consentimento assinado pela mãe da criança em prol do aborto, os procedimentos médicos deveriam ser tomados pelo IMI dentro de poucos dias. Sem compreender bem do que se tratava, questionei a assistente no sentido de encontrar bases legais e fundamentos para isto. Ela, embora não sendo médica, nos apresentou um quadro clínico da criança bastante difícil, segundo ela, com base em pareceres médicos, ainda que nada tivesse sido nos apresentado por escrito.
Justificou-se com base em leis e disse que se tratava de salvar apenas uma criança, quando rebatemos a idéia alegando que se tratava de três vidas. Ela, desconsiderando totalmente a vida dos fetos, chegou a chamá-los de “embriões” e que aquilo teria que ser retirado para salvar a vida da criança. Até então ela não sabia que o pai da criança estava ali sentado ao seu lado. Quando o apresentamos, ela perguntou ao pai, o Sr. Erivaldo, se ele queria falar com ela. Ele assim aceitou. Então a assistente nos pediu que saíssemos todos de sua sala e os deixassem a sós para essa conversa. Depois de cerca de vinte e cinco minutos, saíram dois da sala para que o pai pudesse visitar a sua filha. No caminho entre a sala da assistente e o prédio onde estava o apartamento da menina, conversei com o pai e ele me afirmou que sua idéia desfavorável ao aborto agora seria diferente, porque “a moça me disse que minha filha vai morrer e, se é para ela morrer, é melhor tirar as crianças”, afirmou o pai quase que em surdina para mim, uma vez que, a partir da saída da sala, a assistente fez de tudo para que não nos aproximássemos do pai e conversássemos com ele. Ela subiu ao quarto andar sozinha com ele e pediu que eu e os Conselheiros esperássemos no térreo. Passou-se um bom tempo. Eles desceram e retornamos à sala da assistente social. O silêncio de que havia algo estranho no ar me incomodava bastante. Desta vez não tive acesso à sala. Porém, em conversa com os conselheiros e o pai, a assistente social Karolina Rodrigues, em dado momento da conversa, reclamou da Conselheira porque tinha me permitido ver a folha de papel na qual ela solicitara o parecer do Conselho Tutelar de Alagoinha favorável ao aborto e rasgou a folha na frente dos conselheiros e do pai da menina. A conversa se estendeu até o final da tarde quando, ao sair da sala, a assistente nos perguntava se tinha ainda alguma dúvida. Durante todo o tempo de permanência no IMIP não tivemos contato com nenhum médico. Tudo o que sabíamos a respeito do quadro da menina era apenas fruto de informações fornecidas pela assistente social. Despedimo-nos e voltamos para nossas casas. Aos nossos olhos, tudo estava consumado e nada mais havia a fazer.
Dada a repercussão do fato, surge um novo capítulo na história. O Arcebispo Metropolitano de Olinda e Recife, Dom José Cardoso, e o bispo de nossa Diocese de Pesqueira, Dom Francisco Biasin, sentiram-se impelidos a rever o fato, dada a forma como ele se fez. Dom José Cardoso convocou, portanto, uma equipe de médicos, advogados, psicólogos, juristas e profissionais ligados ao caso para estudar a legalidade ou não de tudo o que havia acontecido. Nessa reunião que se deu na terça-feira, pela manhã, no Palácio dos Manguinhos, residência do Arcebispo, estava presente o Sr. Antonio Figueiras, diretor do IMIP que, constatando o abuso das atitudes da assistente social frente a nós e especialmente com o pai, ligou ao hospital e mandou que fosse suspensa toda e qualquer iniciativa que favorecesse o aborto das crianças. E assim se fez.
Um outro encontro de grande importância aconteceu. Desta vez foi no Tribunal de Justiça do Estado de Pernambuco, na tarde da terça-feira. Para este, eu e mais dois Conselheiros, bem como o pai da menina formos convidados naquela tarde. Lá no Tribunal, o desembargador Jones Figueiredo, junto a demais magistrados presentes, se mostrou disposto a tomar as devidas providências para que as vidas das três crianças pudessem ser salvas. Neste encontro também estava presente o pai da criança. Depois de um bom tempo de encontro, deixamos o Tribunal esperançosos de que as vidas das crianças ainda poderiam ser salvas.
Já a caminho do Palácio dos Manguinhos, residência do Arcebispo, por volta das cinco e meia da tarde, Dom José Cardoso recebeu um telefonema do Diretor do IMIP no qual ele lhe comunicava que um grupo de uma entidade chamada Curumins, de mentalidade feminista pró-aborto, acompanhada de dois técnicos da Secretaria de Saúde de Pernambuco, teriam ido ao IMIP e convencido a mãe a assinar um pedido de transferência da criança para outro hospital, o que a mãe teria aceito. Sem saber do fato, cheguei ao IMIP por volta das 18 horas, acompanhado dos Conselheiros Tutelares de Alagoinha para visitar a criança. A Conselheira Maria José Gomes subiu ao quarto andar para ver a criança. Identificou-se e a atendente, sabendo que a criança não estava mais na unidade, pediu que a Conselheira sentasse e aguardasse um pouco, porque naquele momento “estava havendo troca de plantão de enfermagem”. A Conselheira sentiu um clima meio estranho, visto que todos faziam questão de manter um silêncio sigiloso no ambiente. Ninguém ousava tecer um comentário sequer sobre a menina.
No andar térreo, fui informado do que a criança e sua mãe não estavam mais lá, pois teriam sido levadas a um outro hospital há pouco tempo acompanhadas de uma senhora chamada Vilma Guimarães. Nenhum funcionário sabia dizer para qual hospital a criança teria sido levada. Tentamos entrar em contato com a Sra. Vilma Guimarães, visto que nos lembramos que em uma de nossas primeiras visitas ao hospital, quando do assédio de jornalistas querendo subir ao apartamento onde estava a menina, uma balconista chamada Sandra afirmou em alta voz que só seria permitida a entrada de jornalistas com a devida autorização do Sr. Antonio Figueiras ou da Sra. Vilma Guimarães, o que nos leva a crer que trata-se de alguém influente na casa. Ficamos a nos perguntar o seguinte: lá no IMIP nos foi afirmado que a criança estava correndo risco de morte e que, por isso, deveria ser submetida ao procedimentos abortivos. Como alguém correndo risco de morte pode ter alta de um hospital. A credibilidade do IMIP não estaria em jogo se liberasse um paciente que corre risco de morte? Como explicar isso? Como um quadro pode mudar tão repentinamente? O que teriam dito as militantes do Curumim à mãe para que ela mudasse de opinião? Seria semelhante ao que foi feito com o pai?
Voltamos ao Palácio dos Manguinhos sem saber muito que fazer, uma vez que nenhuma pista nós tínhamos. Convocamos órgãos de imprensa para fazer uma denúncia, frente ao apelo do pai que queria saber onde estava a sua filha.
Na manhã da quarta-feira, dia 4 de março, ficamos sabendo que a criança estava internada na CISAM, acompanhada de sua mãe. O Centro Integrado de Saúde Amaury de Medeiros (FUSAM) é um hospital especializado em gravidez de risco, localizado no bairro da Encruzilhada, Zona Norte do Recife. Lá, por volta das 9 horas da manhã, nosso sonho de ver duas crianças vivas se foi, a partir de ato de manipulação da consciência, extrema negligência e desrespeito à vida humana.
Isto foi relatado para que se tenha clareza quanto aos fatos como verdadeiramente eles aconteceram. Nada mais que isso houve. Porém, lamentamos profundamente que as pessoas se deixem mover por uma mentalidade formada pela mídia que está a favor de uma cultura de morte. Espero que casos como este não se repitam mais.
Ao IMIP, temos que agradecer pela acolhida da criança lá dentro e até onde pode cuidar dela. Mas por outro lado não podemos deixar de lamentar a sua negligência e indiferença ao caso quando, sabendo do verdadeiro quadro clínico das crianças, permitiu a saída da menina de lá, mesmo com o consentimento da mãe, parecendo ato visível de quem quer se ver livre de um problema.
Aos que se solidarizaram conosco, nossa gratidão eterna em nome dos bebês que a esta hora, diante de Deus, rezam por nós. “Vinde a mim as crianças”, disse Jesus. E é com a palavra desde mesmo Jesus que continuaremos a soltar nossa voz em defesa da vida onde quer que ela esteja ameaçada. “Eu vim para que todos tenham vida e a tenham plenamente” (Jo, 10,10). Nisso cremos, nisso apostamos, por isso haveremos de nos gastar sempre. Acima de tudo, a Vida!

Pe. Edson Rodrigues
Pároco de Alagoinha-PE

Anônimo disse...

Sugestão de epitáfio para o sr. Eduardo Palhares, presidente do Partido Verde de Jundiaí:

“Entrei em extinção”.

cesar tayar disse...

Sobre o aborto da criança de 9 anos em Pernanmbuco gostaríamos de dizer que nosso post se baseou no que foi divulgado pela imprensa, pois não vivemos no local para sabermos sobre os fatos. No que diz respeito às críticas do comentarista anônimo sobre o que dissemos a respeito dos 600 anos da Inquisição Católica podemos dizer apenas que respeitamos mas não concordamos com sua colocação. O argumento de que foram os homens e não a Igreja que cometeram os crimes não tem o menor cabimento. Os homens falavam em nome da Igreja e em nome dela confiscaram os bens das 3 milhões de pessoas queimadas nas fogueiras do Santo Ofício. Ninguém aqui está condenando a missão da Igreja Católica e sim os crimes que ela cometeu no passado.

Tio disse...

Qual é a Igreja de Jesus Cristo???

Eu nunca li no Novo Testamento, o nome dela, me diga.

Anônimo disse...

O imbecil anônimo-católico disse acima: Igreja de N.S Jesus Cristo? ... faz-me rir.
Missão digna da Igreja? faz-me rir. Bando de safados... deviam é pagar impostos, isto sim...

priscila disse...

estamos sintonizados ao mesmo tempo que da hora Cesar pena que não tenho seu msn.

priscila disse...

A verdade é que muitos se escondem atras da imagem de cristo para angariarem benefícios próprios.Até hoje foram poucos os fiéis que ví de fato ajudarem alguém sem esperar algo em troca.Me dêem um nome de um padre ou pastor que tem uma van perua ou micro ônibus para transportarem os doentes muitas vezes sujos,ensanguentados etc... já ví muitos padres e até freiras de carro pequeno e de luxo.Para que,não fizeram votos de pobreza, celibato sei la o que mais pois não sou eu a santa eu não fiz e ficam me julgando.E porque não julga los também já que podem até escomuncar.

ToChegando disse...

A excomunhão da vítima
( Miguezim da Princesa )

I

Peço à musa do improviso
Que me dê inspiração,
Ciência e sabedoria,
Inteligência e razão,
Peço que Deus que me proteja
Para falar de uma igreja
Que comete aberração.

II

Pelas fogueiras que arderam
No tempo da Inquisição,
Pelas mulheres queimadas
Sem apelo ou compaixão,
Pensava que o Vaticano
Tinha mudado de plano,
Abolido a excomunhão.

III

Mas o bispo Dom José,
Um homem conservador,
Tratou com impiedade
A vítima de um estuprador,
Massacrada e abusada,
Sofrida e violentada,
Sem futuro e sem amor.

IV

Depois que houve o estupro,
A menina engravidou.
Ela só tem nove anos,
A Justiça autorizou
Que a criança abortasse
Antes que a vida brotasse
Um fruto do desamor.

V

O aborto, já previsto
Na nossa legislação,
Teve o apoio declarado
Do ministro Temporão,
Que é médico bom e zeloso,
E mostrou ser corajoso
Ao enfrentar a questão.

VI

Além de excomungar
O ministro Temporão,
Dom José excomungou
Da menina, sem razão,
A mãe, a vó e a tia
E se brincar puniria
Até a quarta geração.

VII

É esquisito que a igreja,
Que tanto prega o perdão,
Resolva excomungar médicos
Que cumpriram sua missão
E num beco sem saída
Livraram uma pobre vida
Do fel da desilusão.

VIII

Mas o mundo está virado
E cheio de desatinos:
Missa virou presepada,
Tem dança até do pepino,
Padre que usa bermuda,
Deixando mulher buchuda
E bolindo com os meninos.

IX

Milhões morrendo de Aids:
É grande a devastação,
Mas a igreja acha bom
Furunfar sem proteção
E o padre prega na missa
Que camisinha na lingüiça
É uma coisa do Cão.

X

E esta quem me contou
Foi Lima do Camarão:
Dom José excomungou
A equipe de plantão,
A família da menina
E o ministro Temporão,
Mas para o estuprador,
Que por certo perdoou,
O arcebispo reservou
A vaga de sacristão.

---

Miguezim de Princesa é poeta popular, paraibano radicado em Brasília.

PRISCILA disse...

Olha o que vou contar só para dar uma lição do que é querer fazer o BEM SEM OLHAR A QUEM.

A PRIMEIRA VEZ QUE TIVE UMA ATITUDE INESPERADA POR ALGUÉM FOI ALGUNS MESES QUANDO MINHA FILHA TINHA AMEAÇAS DE DESMAIO SEGUIDAS DE CONVUNÇÃO.fOI QUANDO CONHECI A ANDREIA DA VILA REAL.



EM 2004 QUANDO TIVE O PROBLEMA DO LEO E TIVE QUE PAGAR UMA ESCOLA CONHECI A CELIA O CELIA(TE AMO E DEUS TAMBÉM)PEDIA TODO DIA PARA ELA FICAR COM O LEO NA MERENDA PARA ELE NÃO CHORAR E CONCLUIR O ANO NA ESCOLA.ELA ERA AJUDANTE DA INSPETORA,E ASSIM O FEZ O ANO TODO ELA E A BEL SUA IRMÃ.E GRAÇAS A ELAS O LEO ESTUDOU O ANO TODO.

PASSARAM 4 ANOS E PRECISEI VOLTAR LÁ PARA PEGAR O HISTÓRICO DO LEO E SÓ REVI A BEL,PERGUNTEI DA CELIA,DISSE QUE ELA ESTAVA EM SÃO PAULO HOSPITAL DAS CLINICAS.

HÁ 3 ANOS DO NADA DESCOBRIU AO QUEBRAR A COLUNA QUE TINHA CÂNCER NA MEDULA E QUE IRIA FAZER UM TRANSPLANTE.

POR DEUS SE TEM UMA PESSOA A QUAL NÃO CONSIGO ENCONTRAR UMA MALDADE SE QUER.

fui visita-la 20 dias depois de seu transplante,por deus me senti pequena diante tanta força e fé.me senti um lixo em me preocupar com coisas tão insignificantes,como querer provar aos homens e suas leis falhas que estou certa.PARA QUE,POR QUE?


ME PEDIU PARA LEVAR AS CRIANÇA PARA ELA VE-LOS.ERA PARA TERMOS IDO SÁBADO MAS POR DIVERSOS MOTIVOS NÃO FUI.

HOJE O LEO LEVANTOU PASSANDO MAL FIQUEI BRAVA POIS IRIA FALTAR DA ESCOLA,ENTÃO RESOLVI IR VISITAR A CELIA COM TODOS.

POR UMA QUESTÃO DE DAREM VALOR A VIDA E VEREM O QUE É TER PROBLEMA.E PASSAR POR DIFICULDADES JÁ QUE ELA É HUMILDE.

SEU SEMBLANTE SINGELO SOFRIDO MAS TRANSMITINDO AMOR E PAZ FICOU FELIZ EM NOS VER.NO MEIO DA CONVERSA DISSE A ELA QUE GOSTARIA DE AJUDA-LA FICOU SEM JEITO NÃO QUERIA ACEITAR,RESPONDI QUE DINHEIRO PARA MIM NÃO TRARIA A FELICIDADE MAS AO DAR A ELA ME TRARIA POIS ERA AJUDA ESPIRITUAL QUE ELA ME DAVA ERA AQUE MAIS TINHA VALOR.


SABE O QUE ME DISSE :PRI ONTEM FUI A SÃO PAULO LIMPAR MEU CATETER E TINHA SÓ 50,00 REAIS O TONINHO ME DISSE GUARDAR O QUE SOBRAR QUE TEMOS QUE PAGAR A CONTA DE AGUA E LUZ.SÓ QUE AO DESCER DO CARRO ODINHEIRO CAIU E UMA MENINA PEGOU E ELA NÃO TEVE CORAGEM DE PEDIR PARA MENINA APENAS PENSOU SENHOR QUE ELA USE DE UMA FORMA A QUAL PRECISE MAIS QUE EU.DE NOITE SEU MARIDO FICOU CHATEADO E PREOCUPADO,E ELA PENSOU DEUS VAI ME AJUDAR DE ALGUM JEITO.


RESUMINDO QUANDO DEUS TRABALHA COM A FÉ E SUAS PROVAÇÕES ELES NOS PREPARAS CAMINHOS DE DOR MAS COM RECOMPENSAS ATRAVES DE SUAS VERDADES ESTAS QUE ESTÃO LOGE DE SE ENCONTRAR DENTRO DE UMA IGREJA OU UM TEMPLO CHEIO DE OSTENTAÇÃO.


NESSE DIA ENCONTREI NA CASA DA CELIA E A ELA DEUS ME ENCAMINHOU.

DEIXO AQUI O EXEMPLO DE MAIS RECEBER DO QUE DAR.

A CELIA MINHA IRMÃ EM CRISTO.

Anônimo disse...

Amigo tayar,dá nojo ,saber que na nossa cidade tem gente(???????)que ainda defende esse "pároco" EDSON RODRIGUES,de Alagonhinhas.Eu gostaria (ou melhor,não gostaria que viesse à acontecer na familia desse beato que transcreveu essa merda acima,!!!!vou mais longe,se uma desgraça dessa (que DEUS me livre)acontecer no meu seio familiar,te digo seu "BEATÃO DE BOSTA",Como católico que sou (com sérias restrições),irei até as últimas consequencias,ENTENDEU????????

Anônimo disse...

DINOVO!!!!!!!!!!!!!.Viu seu "beatão",fale dos padres safados que desgração vida de centenas e centenas de crianças,garotas que estudam em colégios de freiras que sofrem e são humilhadas por "MADRES SUPERIORES",Repare bem seu "BEATÃO",faça uma pesquisa e converse com os futuros "padres",repare na "bixice" que impera,Há meu dá licença vá!!!!!!!!!!!!

Tio disse...

Vamos lã meu caro, qual é Igreja de Jesus Cristo?

Já vou antecipar: Jesus, não tem nada com isso aí não, outra coisa ele não julga ninguém...

Estou esperando...

Parece que os, Kamaradas estão bravos com você!

Anônimo disse...

Amigos do Blog, envio cópia da carta manifesto que encaminhamos em solidariedade aos envolvidos. Saudações Feministas.


São Paulo 5 de março 2009.
Magnífico Reitor da Universidade de Pernambuco.

Prof. Carlos Calado

Prezado Senhor,

Nesta semana mais uma vez nos indignamos com a violência sofrida por uma menina de 9 anos abusada sexualmente desde os 6 anos(segundo relato da imprensa). Uma criança com uma infância marcada pelo abuso sexual que resultou em uma gravidez indesejada.

Nos solidarizamos com a direção do CISAM e a equipe de atenção à saúde, em especial com os médicos Prof.Olimpio Moraes e Dr. Sergio Cabral, que tiveram coragem e ética para fazer respeitar o direito desta menina de interromper esta gravidez, que se levada adiante seria uma violência a mais na vida desta menina.

Repudiamos com veemência a atitude da Igreja Católica (Arquidiocese de Olinda) que mais uma vez, usa seus métodos violentos de ameaçar, difamar e tentar penalizar as mulheres e aqueles que as apóiam no seu soberano direito de decidir por sua vida e exercer seus direitos.

Esta igreja ao invés de condenar as pessoas que acolheram e apoiaram esta menina e a família, deveria sim prestar sua solidariedade, denunciar a pedofilia e o estupro, crimes que parecem não incomodar muito esta igreja. O que vale para estes senhores é a vida abstrata produto de um estupro que esta menina carregava no ventre, não porque defendam a vida, mas porque defendem radicalmente seus valores: conservadores, autoritários e hipócritas que tentam a todo custo impor para toda sociedade, num fragrante desrespeito a democracia, a pluralidade e os direitos e a autonomia das mulheres.

A vida desta menina vitima desta violência brutal, para eles, parece mesmo que não vale nada.

O que esta menina precisa agora é ser acolhida, assistida em suas necessidades para ainda desfrutar o seu direito de ser criança. Ser Mãe? Ela tem toda uma vida para decidir se quer ou não ser mãe.

A Ação deste centro e demais entidades que apoiaram neste caso fortalece a nossa luta por uma sociedade justa onde todas as mulheres tenham autodeterminação.

“Nenhuma mulher deve ser humilhada perseguida ou condenada por praticar um aborto”

Marcha Mundial das Mulheres.

Anônimo disse...

Olhar os dois lados sempre é bom.

Tio disse...

Cadê o Cara da Igreja de Jesus Cristo?

Estou esperando...

Qual é o nome? Diga?