sexta-feira, 29 de julho de 2016

DINHEIRO E VOTO ! ! !

Está aberta a temporada de compra e venda na política de Jundiaí.

Os coronéis saíram da toca, daí o odor de pústula no ar.

Oriundos dos círculos mais profundos do Inferno de Dante Alighieri, lançam pela cidade suas legiões de lacaios sedentos de consciências.

Nos próximos dois meses a cidade estará envolvida em uma escuridão por onde caminham seres de caráter disforme que farão de tudo para enganarem os ingênuos eleitores.

Toda esta escória fétida que chafurda na lama da corrupção tentará comprar tudo: Partidos, pessoas, imprensa e votos.

Além disso, vão cobrar o apoio de empresários corruptos em troca dos favores recebidos no passado à custa do dinheiro público.

Verdadeiros Asmodeus, se especializaram no ilusionismo de homens e de almas em troca das delícias do poder.

Talvez a solução para Jundiaí seja implantarmos novamente aqui o Código de Hamurabi, o sexto rei da Babilônia. O Código de Hamurabi é visto como a mais fiel origem do Direito.

Um bom ponto que talvez ilustre perfeitamente a finalidade de tal legislação, escrita por Hamurabi, em nosso município seria o seguinte:

"... Por esse tempo Anu e Bel me chamaram, a mim Hamurabi, o excelso príncipe, o adorador dos deuses, para implantar justiça na terra, para destruir os maus e o mal, para prevenir a opressão do fraco pelo forte, para iluminar o mundo e propiciar o bem-estar do povo ..."

quarta-feira, 27 de julho de 2016

GOVERNO SEM VERGONHA ! ! !

FOTO: Loteamento Reserva da Ermida. Ao fundo nossa Serra do Japi. Como nós podemos ver, a especulação imobiliária está cada vez mais próxima de nosso santuário ecológico tombado pela UNESCO.

O loteamento imobiliário na região de nossa Fazenda Ermida chamado "Reserva da Ermida" está prestes a ser lançado no começo de agosto. São 613 lotes de 250 m2, ao pés da Serra do Japi, no valor aproximado de míseros R$ 250.000,00 cada lote.

A Fazenda Ermida tem mais de 13 milhões de m2 e está seriamente ameaçada por especuladores imobiliários que nadam de braçadas aqui nesta terra de ninguém em que se transformou Jundiaí.

Com isso fica muito claro que, para as nossas próximas eleições, em que expira a lei de congelamento da Serra do Japi, o plano seria um jogo de cartas marcadas com tudo muito bem arquitetado para a definitiva ocupação da zona de amortecimento da Serra do Japi por hotéis, restaurantes e imóveis residenciais.

A prefeitura virou as costas para todo o potencial hídrico da Serra do Japi, omitindo-se em tentar evitar esta tragédia ecológica de prejuízos incalculáveis à vida silvestre e às futuras gerações.

Tudo está sendo feito de maneira escancarada, sob as barbas de nossa secretária municipal de planejamento, a arquiteta Daniela da Câmara Sutti, e com a cumplicidade dos vereadores.

De qualquer forma, está claro que a Fazenda Ermida está condenada a ir para o beleléu diante da inércia do executivo e do legislativo, que estão preocupados, neste momento, apenas em enganar os pobres dos eleitores para permanecerem em seus acarpetados gabinetes por mais quatro anos. O resto é apenas um detalhe sem importância.

Uma pergunta que deixamos no ar: Por onde anda o nosso Meritíssimo Desembargador Dr. Cláudio Antonio Soares Levada que ameaçou adotar medidas judiciais contra os especuladores imobiliários que ameaçavam o Plano Diretor ? Nobre desembargador, onde estás que não te vemos.

segunda-feira, 25 de julho de 2016

É O CAOS ! ! !

A atual administração continua, de maneira irretocável, com o seu apocalíptico modelo de gestão.

A situação é gravíssima. Dentre os vários absurdos do atual governo, encontra-se a seguinte situação: A maioria dos fornecedores de nossa prefeitura não recebem absolutamente nada desde outubro de 2015.

Isso mesmo. A situação é tão grave que há sérios indícios de que pode haver greve em vários serviços, inclusive na limpeza pública.

A situação caótica fez com que setores do executivo tivessem os seus telefones desligados para não receberem cobranças.

E agora o mais grave: Enquanto a prefeitura vai falindo os vereadores não se manifestam. Continuam se preocupando apenas em dar nomes de rua e fecham os olhos para o seu principal papel que é de fiscalizar o executivo. Pobre cidade acéfala de Jundiaí.

Sugestão deste blog: O último que sair da prefeitura apague a luz. Isso se a CPFL já não tiver cortado.

sexta-feira, 22 de julho de 2016

A LEI ? ORA, A LEI ! ! !

A prefeitura de Jundiaí publicou nesta semana na Imprensa Oficial do Município um edital de licitação relativo à construção do BRT que dizia respeito à contratação dos projetos para a obra.

Ora, acontece que o 9° Promotor de Justiça de Jundiaí, Dr. Claudemir Battalini, havia recomendado que não fosse iniciada ou se interrompa a licitação, caso iniciada, do BRT até a definição e solução de todos os problemas abordados no Inquérito Civil em andamento.

Mesmo assim o executivo municipal publicou o edital de concorrência em uma arrogante, intolerável e prepotente afronta às recomendações da Promotoria de Justiça de Jundiaí.

Diante do fato, protocolamos um adendo ao Inquérito Civil sobre esse assunto informando ao MP o descaso da prefeitura para com todas as suas recomendações legais e solicitando providências sobre a questão.

Ninguém está acima da lei. Nem o prefeito e nem os secretários.

quinta-feira, 21 de julho de 2016

FALÊNCIA PÚBLICA ! ! !

Hoje é dia de festa olímpica na cidade. O prefeito Pedro Bigardi vai segurar a tocha. Eiiiiitttttaaaaaaaaa Jundiaí, hein ?

Enquanto o alcaide coloca a mão na tocha o caos toma conta de nosso combalido, massacrado, vilipendiado, esbulhado e pisado município.

A situação é a seguinte: O Hospital São Vicente está falido.

Enquanto essa farra do boi vai de vento em popa, os prefeitos que se sucederam na cidade nos últimos 30 anos quebraram o hospital.

Eles precisam ser responsabilizados judicialmente por isso.

Se o próximo prefeito de Jundiaí tiver um mínimo de dignidade ele vai fazer uma auditoria profunda no hospital para levantar as causas da falência e os seus responsáveis, levando-os todos às barras da justiça.

Mais do que as palavras, os números falam mais alto. Vamos lá:

Dívidas do Hospital de Caridade São Vicente de Paulo

TRIBUTÁRIAS: R$ 130.570.096,00

EMPRÉSTIMOS BANCÁRIOS: R$ 54.502.558,94

FORNECEDORES: R$ 8.234.000,00

CONTINGÊNCIAS TRABALHISTAS: R$ 40.118.511,98

CONTINGÊNCIAS CÍVEIS: R$ 4.936.454,40

TOTAL DA DÍVIDA: R$ 238.361.621,32