sexta-feira, 26 de maio de 2017

DENÚNCIA GRAVE ! ! !

Este espaço recebeu uma denúncia sobre irregularidades que estariam ocorrendo na Defesa Civil da prefeitura de Jundiaí.

Como qualquer veículo de comunicação, este blog reserva-se o direito de não divulgar a fonte das informações que relataremos a seguir:

* Servidor denuncia irregularidades e é desligado da Defesa Civil *

No início deste governo servidores da Defesa Civil procuraram o novo gestor do setor, Coronel PM Mauro Minoro Takara, para denunciar práticas ilícitas adotadas pela chefia imediata que foi mantida pela atual administração, mas não foram tomadas as devidas providências.

Em fevereiro servidores fotografaram esta chefia imediata levando produtos de limpeza da prefeitura para o seu carro e, mesmo com as fotos do ato, o responsável pela Defesa Civil mais uma vez não tomou as devidas providências para esta situação.

A citada denúncia foi levada à Ouvidoria Municipal, o que acarretou a abertura do processo administrativo 204/17.

Mesmo com o referido processo em andamento, novas irregularidades continuavam a acontecer e em 29 de fevereiro o funcionário, hoje em outro setor, procurou novamente o gestor para questionar a falta de controle e a "vista grossa" frente à estas novas irregularidades, mas, ao invés de denunciar para a administração, o gestor disse que este funcionário estava "arrumando confusão" e que iria "acertar" logo sua saída da Defesa Civil.

No dia 15 de maio ao chegar na Defesa Civil o servidor se deparou com um bilhete que havia sido deixado em sua mesa pedindo para procurar o RH da prefeitura, onde ficou sabendo do seu desligamento.

Mesmo com as fotos e a gravação com a vil "ameaça de acertar a sua saída", o servidor não teve o devido amparo da administração sendo colocado em outra secretaria.


O diretor da Defesa Civil indagou a funcionária e ela confirmou que teria "levado" os materiais públicos para sua casa, mas que depois devolveu. Já o Ouvidor Municipal, Adilton Garcia, em decorrência do ilícito ocorrido solicitou ao prefeito municipal, o tucano Luiz Fernando Machado, quais as providências que o alcaide teria adotado no caso.

Até agora, publicamente, o chefe do executivo está mudo. Calado. O prefeito, como bacharel em direito, sabe muito bem que quando uma autoridade toma conhecimento de uma ilegalidade e retarda ou não adota providência nenhuma sobre o caso ela está cometendo o crime de prevaricação, cuja pena é de 3 meses a 1 ano de detenção.

Portanto, a cidade de Jundiaí aguarda uma manifestação pública do prefeito municipal sobre este gravíssimo assunto.

Inúmeros documentos, fotos e um áudio que foi gravado com o diretor da Defesa Civil, Cel. Mauro Minoro Takara, foram enviados ao blog.

Apenas a título de ilustração, nas fotos abaixo observa-se a servidora levando a caixa com material público para o seu veículo particular:

quarta-feira, 24 de maio de 2017

ENGANA TROUXA ! ! !

" Esta é uma notícia que jamais gostaríamos de dar, mas infelizmente não podemos colocar as finanças do município em risco ". Assim foram as palavras do alcaide de Jundiaí a respeito do fato de ficarmos fora dos jogos regionais.

O custo estimado para Jundiaí participar da competição poderia variar entre R$ 830 mil a R$ 930 mil. Mas o prefeito continuou com estas suas sandices: " Após assumir um governo com contratos de medicamentos para pacientes em tratamento oncológico com atraso de quatro meses, não tenho outra escolha ".

E conclui o burgomestre: " A opção sempre será pela responsabilidade com o dinheiro público ".

Estas declarações são cômicas, para não dizermos trágicas.

Se há uma coisa totalmente ausente no atual desgoverno do PSDB é a responsabilidade com o dinheiro público.

Apenas como exemplo dizemos que o "responsável" prefeito da cidade, Luiz Fernando Machado, vai gastar R$ 50 milhões por ano apenas com as despesas dos 325 cargos de confiança nomeados por ele. Em quatro anos serão catastróficos R$ 200 milhões só com seus cabos eleitorais.

Enquanto isso os funcionários do Hospital de Caridade São Vicente de Paulo ainda não receberam a metade do seu 13º salário a que tinham direito em dezembro de 2016. Bela responsabilidade !!!

Essa gente só pode estar brincando de gestor público, não existe outra forma de conclusão. E eles dizem todas estas barbaridades com a cara lavada, sem o menor constrangimento.

Desta forma, o município vai navegando em mar aberto, sem o capitão no leme, ao sabor das marés e com tempestades no horizonte.

segunda-feira, 22 de maio de 2017

MENTIRAS E ABANDONO ! ! !

O ensino público é aquele oferecido a todos os indivíduos pelo Estado, custeado por meio de impostos pagos pela população. Normalmente o orçamento da pasta da educação pública é o maior da administração.

Em Jundiaí não é diferente. O orçamento da secretaria municipal de educação é de quase R$ 500 milhões ao ano.

Diante do volume financeiro e da importância fundamental do setor, ele deveria sempre ser gerido por especialistas na área. Mas isso nem sempre acontece por estas terras onde canta o sabiá.

A nível estadual o titular da educação pública é um advogado que foi promovido ao cargo de desembargador.

Já em nosso município a situação é ainda pior.

O atual prefeito Luiz Fernando Machado disse durante a sua campanha que iria nomear técnicos para as secretarias para atenderem ao novo modelo de administração pública que ele implantaria.

Tudo balela. Conversa fiada. Papo furado para boi dormir.

O novo secretário de educação de Jundiaí é um administrador que não sabe nem o que fazem as merendeiras das escolas.

Uma lástima. Um desplante. Uma desfaçatez. Um escárnio.

Apenas devemos lembrar que José Antonio Parimoschi não serviu nem como secretário de finanças, afinal de contas logo ao término de sua gestão, em 2012, deixou a prefeitura com uma dívida monstruosa de R$ 350 milhões para o seu sucessor.

Esta é a maneira lamentável com que os governos do PSDB tem tratado a educação na cidade, um setor crucial para o futuro do município e do país. Mas não. O que interessa é a politicagem de fundo de quintal. O que importa é ter cabos eleitorais nas próximas eleições.

Talvez a única solução para a cidade seja a seguinte: O nobre prefeito comprar uma passagem só de ida voltando para as belíssimas praias de Itapuã na Bahia, de onde nunca deveria ter saído.

quinta-feira, 18 de maio de 2017

VERGONHA TOTAL ! ! !

FOTO: Esta imagem representa uma vergonha sem limites para toda a cidade de Jundiaí. O deputado federal Miguel Haddad abraçado com o senador Aécio Neves. O senador foi gravado pedindo R$ 2 milhões em propina para o proprietário da empresa JBS. O resultado foi que este senador foi afastado de seu cargo pelo Supremo Tribunal Federal e sua irmã foi presa pela Polícia Federal.

Gravações de posse da Procuradoria Geral da República mostram este diálogo entre o senador Aécio Neves e o proprietário da empresa JBS, Joesley Batista:

"Se for você a pegar em mãos, vou eu mesmo entregar. Mas, se você mandar alguém de sua confiança, mando alguém da minha confiança", teria dito Aécio Neves, de acordo com o jornal O Globo. "Tem que ser um que a gente mata ele antes de fazer delação. Vai ser o Fred com um cara seu. Vamos combinar o Fred com um cara seu porque ele sai de lá e vai no cara. E você vai me dar uma ajuda do caralho", disse o senador. Fred, segundo o jornal, seria Frederico Pacheco de Medeiros, seu primo e um dos coordenadores de sua campanha em 2014.

Não bastasse este diálogo lamentável sob todos os aspectos, o golpista presidente Michel Temer pediu à JBS a manutenção da "mesada" ao ex-deputado Eduardo Cunha para que este continuasse de boca fechada.

A democracia representativa neste país está morta e enterrada.

Mas o pior para nós, jundiaienses, é o fato do deputado Miguel Haddad andar abraçado com esta gente corrupta e da pior espécie.

Apenas lembrando que durante as eleições de 2014, Miguel Haddad fez campanha declarada para Aécio Neves, chegando a dizer o seguinte na imprensa local achando que conseguiria enganar a todos:

" Hoje, nosso voto vai escrever a história. É chegada a hora de pensar o que é melhor para o Brasil ". E continuou o jundiaiense:

"O candidato certo é a favor da melhoria da qualidade da assistência social e também do desenvolvimento econômico. Só assim poderemos olhar para o futuro com confiança. Essa é a proposta de Aécio Neves".

Se o eleitor de Jundiaí tiver um pouquinho só de amor por esta cidade, nunca mais vai eleger para nada o deputado Miguel Haddad, do PSDB.

quarta-feira, 17 de maio de 2017

DAE S/A É CONDENADA ! ! !

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SÃO PAULO

TC-004195/026/08

Contratante:
DAE S/A – Água e Esgoto - Jundiaí.

Contratada: Kemwater Brasil S/A.

Autoridades que firmaram os Instrumentos: Eduardo Santos Palhares (Diretor Presidente), Eduardo Pereira da Silva (Diretor Superintendente), Milton Takeo Matsushima (Diretor de Operações) e Antonio Pereira de Araújo (Diretor de Manutenção e Obras).

Objeto: Fornecimento de 2.500 toneladas de sulfato férrico para uso em tratamento de água, com entregas parceladas.

Assinatura: 26-06-07.

Valor: R$ 1.099.000,00.

Em 28 de agosto de 2012 o TCE-SP condenou a nossa DAE S/A julgando irregulares a licitação e o contrato, bem como ilegais as decorrentes despesas relativas ao episódio relatado acima.

Dentre os argumentos utilizados por aquela corte, constou o seguinte:

" ...A Administração inseriu no edital exigência, descabida, de atestado de qualidade do produto, através de laudo de análise, como condição de habilitação. Extrapolou o rol dos únicos documentos, elencados nos artigos 27 a 31 da Lei de Licitações, que podem ser exigidos para fins de habilitação, e afrontou súmula editada por esta Corte, criando, assim, entrave à habilitação dos licitantes que a Lei e a jurisprudência não admitem... ".

A empresa de água e esgoto recorreu e perdeu. Em sentença emitida em 04 de maio de 2017 o TCE-SP negou provimento ao recurso.

Este é o resultado de anos e anos de descaso dos governos do medíocre PSDB para com a DAE S/A, o que começou na década de 1990 com essa tresloucada transformação de nosso DAE como autarquia municipal em empresa S/A, de economia mista, pelo então prefeito Miguel Haddad.

Esta mudança da natureza jurídica do DAE causou prejuízos regulares e anuais de milhões e milhões de reais pagos com o dinheiro do povo.

Pois é. O mesmo Eduardo dos Santos Palhares é novamente presidente da DAE S/A e o mesmo Miguel Haddad se elegeu deputado federal.

A cidade de Jundiaí não merece isso !!!

Para lerem a sentença, na íntegra, cliquem aqui e para lerem também na íntegra a rejeição do recurso, cliquem aqui.