terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

UM CARNAVAL DE ABUSOS ! ! !

Tivemos o prazer de almoçar, hoje, com o arquiteto Roberto Franco Bueno, também um eminente historiador de Jundiaí. Entre uma garfada e outra, veio à mesa o assunto da negociação do imóvel do antigo quartel no centro da cidade. Dentre os fatos que já conhecíamos ocorreu uma questão importante sobre o assunto que, aliás, já comentamos aqui em outro post: A viela que cortava o terreno ao meio ligando a Rua do Rosário à Rua Senador Fonseca. Prestem atenção para entenderem o que aconteceu. Esta viela, chamada em tempos imemoriais de " BÊCO DO PELOURINHO ", era o caminho direto e menos íngreme para quem saísse da Avenida Torta para o centro. Por outro lado a existência oficial dessa passagem é a referência que dela fazem diversas cartas de Dattas, além ainda da cessão dessa faixa ao Exército Brasileiro em 23 de maio de 1932, agora então com a denominação de " BÊCO DO ROSÁRIO ". A cessão era e é, portanto, condicional já que a faixa é sem dúvida uma via carroçável com 4 metros de largura em toda a sua extensão. Assim sendo, esta viela era um patrimônio público municipal. O que aconteceu foi que, de maneira incrível, o Exército, ao desativar as unidades militares ali instaladas, repassou esta viela junto com o restante do terreno ao Patrimônio da União. E o mais incrível ainda: O Ministério Público Federal aprovou a transação. A partir daí, na negociação entre a família do prefeito Miguel Haddad com o Exército, o antigo "BÊCO DO PELOURINHO" (a viela) que era um patrimônio público municipal ficou sendo de propriedade particular. Diante deste fato, o Conselho Municipal do Patrimônio Cultural de Jundiaí - COMPAC, entrou com um processo na Prefeitura de Jundiaí (Processo nº 22.990-1/2011-1) pedindo o tombamento desta viela. Vale dizer que pelo atual Plano Diretor, no caso de tombamento, de cada lado da viela (de 4 metros) deverão ser preservados no mínimo 5 metros onde nada poderá ser construído. Este processo está parado na Secretaria da Casa Civil de onde está muito difícil de sair. Porém, seja qual for o motivo, se não ocorrer o tombamento por parte da prefeitura o COMPAC deverá ir à justiça para conseguir o seu intento.

19 comentários:

Dick Boring disse...

Não aguento mais esta mediocrehaddad.

Anônimo disse...

Essa história realmente deve ser verdadeira. Meu falecido pai serviu no quartel do centro em 1961 e dizia da existência de uma velha fotografia na sala de espera do comando, que retratava essa antiga rua, localizada justamente entre a Rua do Rosário (portão do quartel) e Rua Senador Fonseca (onde hoje tem uma arvore plantada), em direção à Rua Marcílio Dias. Ele dizia também, "que se no futuro alguém removesse o asfalto do local, fatalmente iria encontrar os antigos paralepipedos da antiga rua".

Anônimo disse...

ME DIGA DR TAYAR, PARA LEGALIZAR A SITUAÇÃO DO IMÓVEL O PROPRIETÁRIO NÃO PODERIA ENTRAR COM UMA AÇÃO DE USO CAMPEÃO? EXISTEM DOCUMENTOS, MAPAS, ETC, QUE COMPROVEM A RUA? SE A RUA ERA DA PREFEITURA, NÃO EXISTE UM DOCUMENTO DE COMO DATO?

MADMAX O GUERREIRO DO ASFALTO disse...

RESUMO DO CARNAVAL EM JUNDIAÍ:QUE FALTA DE CONSIDERAÇAÕ DA PREFEITURA DE NAÕ DISPONIBILIZAR BANHEIROS QUIMICO NO DESFILE DO EXCELENTE BLOCO DO REFOGADOS DO SANDI SEXTA FEIRA NO CENTRO DA CIDADE,MOSTRA QUE NÃO TEMOS SECRETÁRIA DE CULTURA.SEGUNDO UM JORNAL QUE CIRCULA NA CIDADE INTEGRANTES DE DUAS ESCOLAS TRADICIONAIS ALEGAM QUE HOUVE FAVORECIMENTOS PARA A CAMPEÃ DEVIDO SEUS DIRETORES ESTAREM LIGADOS A ADMISTRAÇÃO PÚBLICA E TAMBEM A LIJUNES.QUANTO CUSTA O CARNAVAL EM JUNDIAÍ?A INSTALAÇÃO DE POSTES,TRANSFORMADORES,ARQUIBANCADAS,AMARELINHOS...ISSO SEM FALAR NA MERDA QUE FICOU O TRÂNSITO NAQUELA REGIÃO NAS ULTIMAS SEMANAS.HOUVE ATRASOS NO DESFILE,E OS FOLIÕES FICARAM SEM BUSÃO DEVIDO AO HORARIO DO TERMINO DO EVENTO.COMO SABEMOS O TRANSPORTE COLETIVO NA CIDADE TAMBEM É UMA GRANDE MERDA.

Anônimo disse...

Por falar em carnaval, o nosso foi um show de horrores... A ¨transmissão da TVE¨ (falando nisso cade o caminhão link?) foi um lixo só, aquela avenida tomada de gente, atrasos, enfim, uma meleca só, e muitos afirmam que a prefeitura investe nisso, lamentável...

Anônimo disse...

Bom dia César.

Que excelente matéria.

Parabéns. Voce é o cara mesmo!

Esse tipo de fato deve ser ampliado porque se trata de patrimonio Nosso.

Esse espaço, salvo engano, foi usado não sei por quem por muito tempo como estacionamento né?

Aproveitando, se puder indique os candidatos com ficha suja. Será útil porque acho que alguns devem estar sujos e continuam dando uma de bonzinhos. Jundiaí agradece.

Anônimo disse...

Cesar qual é a localização correta dessa viela?

Anônimo disse...

Questão de Hermenêutica:

Que saudade tenho do Professor Pedro Favaro! Jamais entrou em qualquer tipo de conchavo! Morreu pobre!

cesar tayar disse...

Ao anônimo das 10:08 - Esta viela de 4 metros de largura começava bem no portão de entrada de onde é, hoje, o estacionamento e continuava até a rua Senador Fonseca, ao lado de uma árvore enorme que ainda está lá até hoje. Aliás, no pedido de tombamento feito pelo COMPAC foram incluídas as árvores também.

Anônimo disse...

Que o saudoso Pedro Fávaro, lá nas alturas, ilumine os que ficaram por aqui!

Falta pudor, honra, dignidade, aos que tomaram Jundiaí como se fosse um feudo.

Além disso, está faltando JUSTIÇA, pe$$oa$ que por juramento se propuseram defendê-la, promovê-la, mas dormem em bêrço e$plêndido, como se nada de anormal estivesse acontecendo por aqui.

Um povo que vota nas coxas, toma na B---A.

cesar tayar disse...

Saudades do Prof. Pedro Fávaro. Um grande homem sem dúvida nenhuma.

FERNANDO ZINGRA disse...

Comentário em meu blog, cria mais dúvidas sobre o incêndio que devastou área da Serra do Japi!

http://fernandozingra.blogspot.com/2012/02/serra-do-japi-incendio-na-madrugada.html

Anônimo disse...

Falando em carnaval, não é uma grande coincidência que a escola campeã tenha homenageado o grupo de teatro de um dos diretores da secretaria de cultura, órgão que organiza o carnaval, contrata jurados, etc?????????????????

Anônimo disse...

Notícia da Folha de São Paulo: "Carnaval do Rio perde 20% do ibope na Globo". Sabem porque?
Concorrência com a transmissão do Desfile de Carnaval de Jundiaí, pela TVE Jundiaí! Rss.

Anônimo disse...

Ao Anônimo das 20:40. Os bens públicos são imprescritíveis, ou seja, não podem ser usucapidos. Não cabe usucapião sobre bens públicos por previsão da Constituição (arts. 183 e 191) e do Artigo 102 do Código Civil.

Anônimo disse...

Ao anônimo das 21:31, não podem ser usucapidos é uma coisa, outra coisa é o vizinho da viela pedir retificação de área judicialmente e o poder público dizer que obedecida a legislação correlata (cobrança de IPTU) não tem nada a opôr....e é isso que acontece com todas as vielas existentes nos loteamentos. (Bela Vista; Anhangabaú; Vianelo etc....etc...)

Marcus Guaicuru disse...

Os bens públicos são imprescritíveis, ou seja, não podem ser usucapidos. Não cabe usucapião sobre bens públicos por previsão da Constituição (arts. 183 e 191) e do Artigo 102 do Código Civil.

Quer dizer então, que todas aquelas guaritas e obstruções de ruas existentes no Bairro Anhangabaú nas proximidades da Av. Jundiaí e a Estação de Tratamento de Água, são ilegais?

Apenas existem por que os capitães da provínia que vendem verdura, kibe e pedras ornamentais fecham os olhos para a ilegalidade?

Dick do Pelô disse...

Temos que pegar em marretas e picaretas (no bom sentido) e reabrir o Beco do Haddad!

Ricardo F B disse...

Pois é ...
Essa Viela é só mais um retrato de abandono e descaso com o patrimônio da cidade. Coitada da Ponte Torta ... Continua como sempre servindo de banheiro para pombos !!! Srs., Não adianta chorar, se não vai conservar, melhor derrubar antes que caia na cabeça de alguém como acontece frequentemente no RJ e Bahia com os casarões. Vamos ser realistas ... Jundiaí nunca foi uma cidade focada e apegada em seu patrimônio Histórico e Cultural ... Foi sim vítima da Bravata de políticos que sequer tem aderência à cidade. Lamentavelmente a Ponte Torta um dia vai ruir ... Coitado dos pombos, ficarão sem banheiro ...