domingo, 14 de novembro de 2010

A CICA DESPEDINDO-SE PARA SEMPRE ! ! !

Na última sexta-feira estivemos na loja TELHANORTE para a compra de um material que precisávamos. Na hora de sairmos de lá perguntamos ao vendedor o por que da loja estar quase vazia. O funcionário nos respondeu o seguinte: " O novo dono do prédio pediu o imóvel, por isso estamos de mudança ". A pergunta feita por nós foi óbvia: " Mas quem é o novo dono do imóvel ? ". A resposta do funcionário foi rápida: " O novo dono do prédio é o Miguel Haddad ". Pagamos a conta e deixamos a loja. A Companhia Industrial de Conservas Alimentícias - CICA foi a maior multiprodutora agrícola brasileira. A empresa foi fundada em 1941 como resultado da associação do banqueiro Alberto Bonfiglioli com as famílias Messina, Guerrazzi e Guzzo, entre outras. A CICA depois de décadas de atuação transformou-se em uma verdadeira bandeira da cidade de Jundiaí. Em 1998, durante a gestão do então prefeito de fato Miguel Haddad, a empresa, que chegou a empregar cerca de 4.000 funcionários, foi embora da cidade por puro descaso da administração municipal da época que não moveu uma palha sequer para segurá-la. Hoje, todo o patrimônio que restou tem um destino quase certo devido ao histórico do novo proprietário: Mais um condomínio de luxo no município. E assim caminha Jundiaí. Uma cidade que já foi berço de homens extraordinários como o Engº Jayme Pinheiro de Ulhôa Cintra, um dos maiores nomes da engenharia ferroviária brasileira; o Engº Francisco Paes Leme de Monlevade, o precursor da previdência social dos ferroviários no Brasil; o Dr. Eloy de Miranda Chaves, deputado federal que fez aprovar no Congresso Nacional a lei que criava a previdência social no Brasil. Eles e tantos homens brilhantes viveram e foram sepultados nesta terra que tanto amaram. Porém, a atualidade de Jundiaí é muito triste. A nossa história está sendo jogada pela janela, de maneira vergonhosa, em troca de polpudos lucros imobiliários. O resultado dos últimos 20 anos de governo deste grupo que aí está é tão funesto que, ao continuar assim, Jundiaí poderá ser, em breve, um lugarejo fantasma sem identidade, sem história e sem futuro. Além das robustas contas bancárias dos especuladores imobiliários, seremos apenas um batalhão de andarilhos cuja única perspectiva de vida será a de sermos seres robotizados, dizendo amém ao coronelismo que nos domina há duas décadas e também agradecendo a ele por vivermos sob o seu chicote.

25 comentários:

Cover do Chalaça disse...

Tayar, me disseram que certo empresário local que tem nome de azeitona iniciou a construção de dois enormes prédios de apartamentos no início da estrada do Engordadouro, na Vila Marlene. Antes, a Prefeitura apareceu e implantou toda a infraestrutura: galerias de águas pluviais, abertura de rua etc. O lugar foi, enfim, todo preparado para valorizar o investimento do homem forte que tem nome de azeitona (se preferir, pode chamá-lo de Chico Azeitona)
Esse comportamento da municipalidade já não assusta ninguém, pois tornou-se corriqueiro. Basta um dos conhecidos investidores do mercado imobiliário -- inclua-se aí o ex-da agricultura -- comprar uma área para que a Prefeitura compareça em seguida levando melhoramentos. Uma vergonha: o público a serviço do privado, na maior cara dura!
O pior: dizem que o homem queleva nome de azeitona deu a um secretário municipal dois apartamentos no empreendimento como pagamento pela sua prestimosa colaboração.
Vamos investigar isso, Tayar?

Anônimo disse...

COVER DO CHALAÇA, INVESTGAR PRA QUÊ?????

ALGUÉM CONSEGUE ALGUMA COISA CONTRA OS "TENTÁCULOS" DESTA TURMA?????

ISTO AÍ TEM BLINDAGEM ANTI BOMBA NUCLEAR.

Anônimo disse...

Não quero defender o prefeito, mas ele não pode ser responsabilizado pela saída da Cica de Jundiaí. Só lembrando: a Cica foi comprada por um grupo que, baseado em estudos logísticos e econômicos, entendeu que a fábrica daria mais lucro junto às plantações de tomate, em Goiás.

cesar tayar disse...

O amigo anônimo tem razão sobre esta questão logística do tomate de Goiás. Porém, a prefeitura, na época, tinha instrumentos ao seu dispor para manter a CICA em Jundiaí. Mesmo que tivesse de entrar na chamada guerra fiscal, ainda assim valeria o esforço para a manutenção dos milhares de postos de emprego que se fecharam com a saída da empresa da cidade. O que ficou de concreto foi, sim, a negligência do executivo municipal sobre esta questão.

Comunista do PC do B disse...

A cica deixa um gosto travoso na boca.
**********
Cica: sf.
1. Bras. Gosto amargo e adstringente das frutas verdes ou ricas em tanino (p.ex., banana, caju), assim como de folhas, cascas etc. de certas plantas; TRAVO; TRAVOR
[F.: Do tupi si'ka. Hom./Par.: cica (sf.), sica (sf.).]

Anônimo disse...

O desenvolvimento sustentável é algo a ser levado a sério, senão vejamos o planeta está alterando drásticamente seus ciclos climáticos, acredito que o homem será levado a repensar suas práticas a partir da possibilidade de extinção, não do planeta mas da vida humana! A forma atual de governar está ultrapassada, não serve, a forma atual de constituir nossos representantes também, senão como justificar tudo o que vemos, ouvimos, constatamos e vivenciamos. Nenhum governo serve se não servir! Nossos problemas são profundos e urgentes, só não vê, só não sente quem está na superfície boiando! Porém acredito que homens e mulheres de boa vontade possam revolucionar primeiro criticando e depois agindo sobre tudo quanto não aprova!
Viva a Democracia!

Anônimo disse...

TAYAR, aquele terreno é da MRV...., que por sinal jogou sua aconra nas terras de petronilha....tomara que não seja amanhã uma ENCOL da vida.....

Anônimo disse...

TAYAR, aquele terreno é da MRV...., que por sinal jogou sua aconra nas terras de petronilha....tomara que não seja amanhã uma ENCOL da vida.....

Anônimo disse...

TAYAR, aquele terreno é da MRV...., que por sinal jogou sua aconra nas terras de petronilha....tomara que não seja amanhã uma ENCOL da vida.....

Anônimo disse...

Cica, Vulcabrás, Fleishman Royal, Fantex, Filobel, Ebal, Ermeto, Moinho Jundiaí, Simão Newmark, Frigorífico Guapeva, Star, Estrucal, Coniexpress e Duratex.
Quem será a próxima ???

Paulo Alcantara disse...

O povo de Jundiaí ainda não percebeu, mas o desinteresse em Jundiaí, é para transforma-lá em uma cidade basicamente residencial, queira em condomínio vertical queira em condomínio horizontal! O interesse está em valorizar muito a cidade, afastando daqui qualquer possibilidade de empresas que possam fazer com que os funcionários residam no município! Querem transformar Jundiaí em um cidade totalmente moderna, apagando todo o seu passado, para que uma elite venha morar! Estão separando Jundiaí por zonas, que a cada dia, com o interesse de algumas imobiliárias super valorizam imóveis, fazendo com que pessoas que paguem aluguéis vá para a periferia, e os proprietários não tendo mais quem pague aluguéis astronômicos, se vêem obrigados a vender suas propriedades para essa corja! Por isso digo onde está a oposição? Será que ela é cega, surda, muda e incapacitada? Todas as obras realizadas para atender os condomínio que são implantados, veja até o córrego das Valquírias, é feito com o dinheiro público! Isso de acordo com a lei federal 6766/76, deveria ser comportado pelo empreendedor! O desapropriação da Vila Graf, somente agora, para atender uma solicitação de uma forma mais rápida de entrar ou sair da Ponte São João, só tem uma finalidade, valorizar os imóveis da corja que serão implantados naquela região! A população que acha é para atender a uma revindicação antiga está muito enganada! Em Jundiaí não há obra que não seja planejada para atender a interesses particulares! Mas a mesma população que se diz indignada, foi a que elegeu o interino, então tem mesmo de pastar e ser jogada na periferia, em bairros sem qualquer planejamento para ver de uma vez por todas se aprende votar no que presta!

Paulo Alcantara disse...

Paulo vejo aqui quantas pessoas são contra o interino e sua corja, mas qual dessas pessoas tem "CORAGEM" em dar sua cara pra bater? Nenhuma! Até aqueles que assinam como comunistas, que teoricamente seria oposição, são covardes! Quando foi para fazer algo, isso em 2008 para que Jundiaí saisse das mãos dessa corja, será que algum desses covardes, saiu a rua mostrando ser oposição? Eu dei minha cara pra bater em muito reduto tucano! No dia que essas pessoas criarem coragem e vergonha na cara, para enfrentar essa corja, pode acreditar que a situação muda! Qual o valor e qual a intimidação que causa eu entrar em um blog, me mostrar revoltado e depois assinar "ANÔNIMO"!

James Bond disse...

Esse tal de Paulo Alcantara é uma piada. Ele se acha "muito macho" só porque fica postando mensagens revoltadas com sua assinatura aqui no blog do Tayar, como se isso fosse mudar alguma coisa ou tivesse qualquer importância!

Que sujeito patético e presunçoso...

Baco de Litre disse...

ADEG informa: sai kalango, entra paulo alcântara.
E prossegue o jogo...

Anônimo disse...

Tem razão o Paulo.Mas continuo na dúvida: no segundo "a" de Alcântara, não deveria ter um acento circunflexo?

Anônimo disse...

PPS está para se fundir com o PSDB, disse o Roberto Freire. E você, Tayar, como fica nessa???????

cesar tayar disse...

Se isso realmente acontecer serei o primeiro a sair.

Anônimo disse...

O PPS abriu mão de seu horário político em prol do Serra nestas eleições... aliás, o PPS é tucano desde os tempos do Covas. Não há estranheza.

Paulo Alcantara disse...

Querer a vaga de presidente da câmara é uma coisa, agora achar que vai conseguir porque é mais velho de casa ou tem mais experiência é se iludir! A algum tempo atrás o pedágio girava em torno de R$ 200.000,00, que ia parar nas mãos de certo senhor, mas esse valor deve ter sido corrigido e já estar perto dos R$ 400.000,00! Então para ser presidente da câmara tem de ter um bolso forte, ou ter alguns empresários por trás financiando, em busca de benefícios!

Anônimo disse...

Para o Paulo Alcântara

Paulo, é o seguinte: nunca escreva "a algum tempo". O certo é "há algum tempo". E nunca escreva "atrás" depois da expressão, porque o verbo haver já dá a noção de que você está falando do passado. Outra coisa: no seu sobrenome, o segundo "a" não tem mesmo acento circunflexo?

Anônimo disse...

chegou rotatória, asfalto, canteirinho, palmeirinhas, basta pesquisar e verá que ao redor algum deste parasitas imobiliarios adquiriram áreas, é tiro e queda.

Anônimo disse...

PAULO, NÃO ESQUENTA,ENTENDI TUDO O QUE DISSE,É ISSO AÍ O POVO ENTENDE,RECOMENDO A ESSA PESSOA QUE VÁ ENSINAR O TIRIRICA....DEVE SER UMA OU UM MALA

Anônimo disse...

Jundiaí o paraíso dos condomínios.

Anônimo disse...

Olá, gostaria de saber como encontrar ex funcionários da cica jundiaí, trabalhei na cicanorte em Juazeiro - Ba e conheci algumas pessoas daí de Jundiaí que vinham de vez em quando aqui em Juazeiro, ouvi dizer que existem uns encontros de ex funcionários e gostaria de saber se existe alguma página ou endereço de e-mail onde possa me comunicar com algum deles, se for possível, meu e-mail é gilsao@bol.com.br

Craig Williamson disse...

A meu ver, o que levou tanto a Cica quanto outras empresas do mesmo segmento a deixar não apenas Jundiaí mas outros pólos agrícolas por todo o estado de São Paulo foi a excessiva "especialização" na indústria sucroalcooleira, forçando à necessidade de buscar matérias-primas em outras regiões e por consequência encarecendo todo o processo logístico.