terça-feira, 9 de março de 2010

JUNDIAÍ: UMA DITADURA DESARMADA ! ! !

6 comentários:

Priscila disse...

http://noticias.r7.com/sao-paulo/noticias/carro-estacionado-em-local-proibido-provoca-briga-entre-policias-civis-e-militares-na-zona-norte-de-sp-20100308.html

cremilda disse...

09/03/2010 - 11:23
A GREVE DOS PROFESSORES DE SP, PASSADA A LIMPO.
O Jornalista Gilberto Dimenstein descreveu os motivos da greve dos professores: “Uma greve contra os pobres”.
TODOS MOTIVOS TORPES.
O problema é que ele escreveu em professorês… eu vou tentar passar a limpo, ainda que pese a boa vontade do jornalista.
1- Não querem que os concursos exijam nota mínima.
Isto quer dizer que os professores querem que o próximo concurso para professores seja apenas e tão somente para efetivar os professores que já estão na escola. O professor pode tirar qualquer nota, que vai contar pontos os anos de serviço e os cursinhos que o professor fez. Esses cursinhos, bancados pela Secretaria de Educação, são pagos com o suado imposto que o povo paga. O professor falta para fazer os tais cursinhos… e o povo paga… e o aluno fica sem aula… e ainda valem pontos nos concursos.
No concurso passado, 92% dos professores da rede pública de SP foram reprovados, mas mesmo assim foram efetivados. O professor que veio de fora “da rede” – e que concorreu – não entrou, mesmo tirando nota muito superior aos que já estavam na rede.
Conclusão:
Os professores corporativistas querem o concurso, mas apenas para serem efetivados. Não terá a mínima chance quem está “de fora” mesmo que tenha capacidade e vocação para ensinar.
Não se oxigena a rede educacional de SP e a panelinha continua cada vez mais forte.
2- Professores que não sabem a matéria vão continuar nas escolas.
Os professores temporários que fizeram a avaliação e não tiraram a nota mínima na matéria que lecionam, devem continuar trabalhando e dando aula na escola que escolher.
Ficando valendo o “Q.I.” (QUEM INDICA). O professor que tiver o melhor pistolão fica na melhor escola.
Conclusão:
Não querem ser avaliados de jeito nenhum.
3- Querem faltar e não ter os dias descontados.
Os professores Tinham “direito” a 130 faltas por ano… e o governador José Serra quer acabar com isso.
Conclusão:
Além dos dias onde assinam ponto e não dão aula, ainda querem os 130 dias faltando e não sendo descontados.
Bem, para não me alongar, vou ficar só com os três maiores motivos da greve.
Claro que o Serra, governador de São Paulo, vai afinar e voltar atrás em todas as medidas moralizadoras… é claro que ele não vai ter peito de bancar um enfrentamento com o sindicato mais rico e mais poderoso do Estado de São Paulo.
E essa é uma greve politica sim. Toda greve é. Só que essa não é uma greve político partidária. Na Apeoesp tem PT, PSDB, PSTU, PMDB etc
Na APEOESP são todos os partidos contra o aluno de escola pública.

http://cremilda.blig.ig.com.br

Dedu Duro do PSDeuBola disse...

Pelo que leio e vejo, professor grevista é tudo sem-vergonha: desde o Covas fazem sistematicamente sua greve anual. Quando não recebem afago na cabeça, tomam pé na bunda. Mas continuam na escola, prejudicando com os dias parados o ensino de nossos filhos.
Ah, entendi: é assim que se formam professores.

Anônimo disse...

QUE COISA NAO?
O ANALFABETO QUER SABER...
OS ENGENHEIROS QUE ESTAO TRABALHANDO NA NOVE DE JULHO SAO CONCURSADOS?
SE SAO PORQUE ESTAO ATRASANDO AS OBRAS?
QUEM SAO OS RESPONSAVEIS PELO DESENVOLVIMENTO RÁPIDO E EFICIENTE DAS OBRAS DAQUELE LOCAL?
QUERO SABER SE OS ENGENHEIROS EXATAMENTE DAQUELA OBRAS SAO CONCURSADOS ME RESPONDAM POR FAVOR, FALA AI KALANGO.
FALA AI DEDO DURO

Anônimo disse...

fala ai kalango
fala ai dedoduro
so sabem levantar alarme mas contribuir mesmo que é bom nada!

Le disse...

1964-1985: LEMBRAR É RESISTIR !!!