terça-feira, 13 de janeiro de 2009

DE QUEM É O TERRITÓRIO DE ISRAEL ?

Não é objetivo deste blog comentar assuntos nacionais ou internacionais. Mas o absurdo que está acontecendo na faixa de Gaza merece uma pequena reflexão nossa. Afinal de contas por que acontece esta guerra interminável ? É preciso conhecermos um pouco da história étnica da região para entendermos as razões de tantas mortes. Os cananitas, ancestrais dos palestinos, foram os primeiros habitantes conhecidos da Palestina em 3.000 a.C.. Eles se urbanizaram e viveram em cidades-estado, uma das quais era Jericó. Alí eles desenvolveram um alfabeto. A localização da Palestina, no centro das rotas que ligavam três continentes, fez com que se tornasse um lugar de encontro de influências religiosa e culturais do Egito, Síria, Mesopotamia e Ásia Menor. Foi também o campo de batalhas natural dos grandes poderes da região e esteve sujeita a dominação de impérios adjacentes, começando com o Egípcio, no 3° milênio a.C.. A hegemonia egípcia e a autonomia cananita eram constantemente desafiadas por invasores etnicamente distintos como, amoritas, hititias e hurianos. Estes invasores eram combatidos pelos egípcios e absorvidos pelos cananitas, que naqueles tempos eram aproximadamente 200 mil. O poder egípcio começou a enfraquecer e novos invasores apareceram: os hebreus, um grupo de tribos semitas da mesopotamia e os filisteus, um povo Egeu de proveniência indo-europeu. Em 1.125 a.C. os israelitas, uma confederação de tribos hebraicas, derrotaram os cananitas. Porém em 1.050 a.C. os filisteus, com sua superioridade em organização militar e usando armas de ferro, derrotaram severamente os israelitas. Esta é uma pequena parte da história da região mas que já nos coloca a seguinte certeza: O território do Estado de Israel, criado em 1948 após a 2ª Guerra Mundial, é de propriedade dos palestinos, segundo a história nos mostra. Esta é a grande questão: Os palestinos foram expulsos, pelos judeus, de sua própria terra e tem usado todos os seus recursos, inclusive a guerra, para terem de volta a sua Pátria. Só que Israel não quer devolver e tem apoio incondicional dos EUA. Diante de toda esta situação fica claro que uma solução para o problema na região está longe de acontecer.

29 comentários:

Anônimo disse...

Um pouco mais de história, pf, caro Tayar. Desde as derrubadas das muralhas de Jericó (e não é o evento dos carismáticos na cidade não) que Israel é uma terra dos judeus e suas 12 tribos (assim eram divididos. Depois teve idas e vindas, escravidões de povos daqui e acolá, enfim, mas não era dos palestinos só como vc disse. É só uma parte da história o q vc contou.

Anônimo disse...

Qualquer guerra é um absurdo. Deus nos deu a vida, não podemos tira-la tira-la. Deus deu essa Terra p/ vivermos todos em harmonia, com amor e respeito. Um ajudando o outro. O poder, a ganancia e o fanatismo está tomando conta.
Peçamos a Deus´p/ que tenha misericórdia. Quem verdadeiramente tem Deus no coração não pensa em fazer o mal.
Deus abençõe a todos.

cesar tayar disse...

Os cananitas foram os primeiros a chegarem à Palestina por volta de 3.000 a.C.. Os judeus só começaram a aparecer naquelas terras por volta de 1.400 a.C.. Isto é história.

Budu disse...

A guerra ocorre exatamente por isto: se houvesse, de fato, um, um só, deus.

Anônimo disse...

Judeu é assim mesmo. E o judeu sionista é um horror, espalham doença do materialismo e da perversão pra todo o planeta. Eles fazem com a gente em termos financeiros a mesma coisa que estão fazendo na Palestina.

Anônimo disse...

Tayar, volte a falar dos libaneses municipais de 8 milhões de reais. Está adentrando a um campo que desconheces pura e simplemente.

Se a coisa fosse assim tão fácil. Os palestinos não criaram porcaria nenhuma e hoje são usados como massa de manobra pelos islâmicos. Vc pinta os palestinos como coitadinhos, mas esquece que a guerra é contra o Hamas, e até o Mahmoud Abbas admite que o Hamas é o grande entrave de uma tentativa de paz.

Esquece que eles (palestinos) conspiraram contra o rei Hussein e quase deram um golpe de estado na Jordânia, que mesmo a contragosto foi beneficiada por Israel na guerra dos sete dias.

Em 47 a ONU tentou criar um estado binacional. Os judeus fizeram a sua parte e fundaram seu estado, coisa que os palestinos não fizeram até hoje, tendo o seu território sempre administrado por terroristas financiados pelo Irã.

Enfim, os palestinos são uma pedra no sapato até do mundo Árabe, que não os suporta, mas de vez em qdo os usam na cruzada antisemita, que vale lembrar, morrem cristãos no meio, como em 67, que o Hezbollah andou queimando igrejas e, olha só, não é que vieram uns ex-guerrilheiros-terroristas para a região de Jundiaí incorporar o tráfico de drogas?

Anônimo disse...

Ademais, dizer que os cananitas (em verdade, cananeus) são ancestrais dos palestinos é forçar a barra.

Depois, falar de história e ignorar tudo o que ocorreu por lá? Invasão babilônica, egípcia, greco-macedônica, romana, árabe, turco-otamana, francesa e bretãnha...

Quer dizer, segundo essa sua teoria etapafúrdia, os cananeus eram os palestinos de hoje e os culpados por todas as invasões é dos judeus. Porca miséria, juro que tenho algum respeito por você e não quero te chamar de ignorante. Mas começa a ficar difícil...

Por favor, do Oriente médio, fale somente o necessário: do nosso libanês municipal de 8 milhões de reais que se apossou dos cofres públicos da nossa cidade...

Anônimo disse...

O nome Canaã é alusivo ao filho de Can e neto de Noé, ao qual se atribui a origem dos cananeus, conforme relato de Gênesis capítulo 10. Canaã seria a duodécima geração depois de Adão: Adão > Sete > Enos > Cainan > Mahalalel > Jarede > Enoque > Matusalém > Lameque > Noé > Cam > Canaã

Após o Dilúvio, Cam ter-se-ia deparado com Noé embriagado, tendo visto a sua nudez em sua tenda e contado o fato a seus irmãos, em vez de cobrir o pai (Gênesis 9). Quando recobrou a consciência, Noé amaldiçoou o filho de Cam, Canaã, referindo-se a ele como o "servo dos servos". Gênesis 9:25 "e disse: Maldito seja Canaã; seja servo dos servos de seus irmãos".

Segundo uma certa linha de interpretação, ao proferir tais palavras, Noé estaria profetizando que um dos descendentes de Sem, Abraão, iria herdar a terra dos cananeus.

Raquel disse...

Indifere quem começou,os seres humanosdeveriam parar para pensar que quem está insentivando todo esse conflito são os que tem interesse político e usam os dois lado como querilha.E eles mesmos não estão no meio do conflito e nem seus parentes.É quenem os filhos dospoderosos,sera que eles vão a escola pública,vão ao hospital público,andam de onibus,comem merenda escolar ou compram.CLARO QUE NÃO.Isso tudo porque lá é o berço de Jesus.

Anônimo disse...

uma aula de historia esse post...parabens.

Anônimo disse...

O babaca lá de cima falando só merda.A ONU é um quintal dos judeus sionistas, estes lixos que parecem com seres humanos mas não são. Os palestinos não são Hamas. E Hamas é um partido, tão podre quanto qualquer outro partido do ocidente ou oriente. A Palestina é dos palestinos e estes judeus-israelenses é que parasitam por lá com apoio dos bosta dos EUA e outros genocidas.

Anônimo disse...

A santa aliança entre nazistas e sionistas


Quando os nazistas quiseram se livrar dos judeus quem você acha que eles convidaram para a ignomínia?

Quem respondeu os sionistas! acertou.

Para comemorar o faustoso acontecimento mandaram cunhar até uma medalha. De um lado a suástica, de outro a estrela de Davi.

E os sionistas não se fizeram de rogados.

No dia 17 de março de 1937 deram início a uma infinidade de atentados terroristas. Plantaram uma bomba num café da cidade palestina de Jafa, causando dezenas de vítimas.

E três postagens abaixo, você verá uma pequena relação dos atentados introduzidos pelos terroristas sionistas na Palestina.

Assassinavam ingleses e palestinos a mando dos nazistas, apesar destes estarem planejando a solução final para os judeus.

Agora você entende porque os dirigentes de israel e seus aliados sionistas odeiam os semitas palestinos.

Querem terminar o que os nazistas não conseguiram.

Essa santa aliança entre nazistas e sionistas fez com que no dia 10 de novembro de 1975, a Organização das Nações Unidas (ONU) aprovasse a resolução 3379 considerando o sionismo como forma de racismo.
Não confie em quem critica o Hamás!
Lembre-se que o Hamás é um Movimento de Libertação. Seus dirigentes foram eleitos democraticamente para governar a Palestina, numa eleição mais transparente do que a dos dirigentes de Israel e do deliquente Bush.

E o que é importante. O Hamás respeitou integralmente a trégua!

Israel é quem não honrou o compromisso.

Durante a trégua convencionou-se que Israel acabaria com o bloqueio contra Gaza e o Hamás não se defenderia e nem cometeria atentados

Durante os seis meses da trégua, o Hamás manteve sua palavra, mas os dirigentes israelenses, além de manter os palestinos num campo de concentração e de não reabrir as passagens, realizaram uma série de invasões para assassinar os "líderes" daquele movimento de resistência.

Líder para os dirigentes israelenses é qualquer palestino que respire, não importa a idade ou o sexo.

Você, que acompanha o noticiário pelas TVs, deve ter assistido a dezenas, centenas de manifestações, em todo o mundo, de solidariedade aos palestinos.

Você viu alguma imagem dos massacres em Gaza?

Sabe por que não viu?

Porque os dirigentes de Israel impuseram uma censura rigorosa e proibiram os jornalistas de entrar no território palestino.

Então que história é essa de que Israel é a única democracia do Oriente Médio?

Você acha possível que numa democracia haja censura à imprensa?

Mas afinal, Gaza é ou não um território palestino?

Ou na verdade é um campo de concentração onde sobrevivem um milhão e meio de semitas palestinos?

Você aceitaria viver num campo de concentração?

Você aceitaria passivamente morrer de sede e de fome?

Você aceitaria ser humilhado diante de seus filhos?

Você aceitaria passivamente que os bens de toda uma vida sejam destruídos?

Por isso repito, não confie em quem critica o Hamás.

E, por favor, não confunda o Estado de Israel com os semitas.

Semitas são os palestinos.

Não confunda o Estado de Israel com os judeus. Os verdadeiros judeus, os autênticos judeus sentem repulsa pelos sionistas e pelos dirigentes de Israel.

Se você alguma vez se interessou por História sabe que judeus, cristãos e muçulmanos sempre conviveram harmoniosamente na Palestina árabe..

Isso tudo acabou no dia em que os Ocidentais, cuja História é permeada por Inquisições, guerras, massacres e bombas atômicas, resolveram se livrar de seus judeus nos campos de concentração, ou expulsá-los do Ocidente.

Você acha justo que os palestinos paguem a conta?

Anônimo disse...

Se a história for tão longe assim, deveremos devolver o Brasil, o resto das Américas aos aborígenes, estes sim os detentores históricos destas terras. Sendo mais antecipado ainda, por que não devolver tudos aos macacos?

Anônimo disse...

puta que pariu,esse pessoal que erscreveu aí em cima deve ter participado do "cerco de jericó"na varzea paulista,!!!puta papo sem graça!!!!!!!!!!!!(só prá descontrair,voces sabem o que é uma missão cumprida????????NÃO,eu digo,é uma missa do padre da vila cristo,demora mais que uma hora e meia,..haja paciência( ou saco )

Anônimo disse...

CÉSAR, ACHO IMPORTANTE TRAZER ESSA QUESTÃO DA ABSURDA GUERRA ENTRE JUDEUS E O POVO PALESTINO. NA MINHA OPINIÃO AS DUAS PARTES TEM SUAS RAZÕES, MAS NADA, NADA MESMO JUSTIFICA TANTAS MORTES DE INOCENTES E PRINCIPALMENTE CRIANÇAS, QUE NADA PODEM FAZER PARA SE DEFENDER E SÃO VÍTIMAS DE TANTA VIOLÊNCIA. VAMOS ORAR A DEUS, CADA UM NA SUA CRENÇA, PARA QUE ILUMINE TODOS OS ENVOLVIDOS E DEEM UM BASTA NESSA GUERRA ESTÚPIDA. MUITO MAIS QUE ISSO NÃO PODEREMOS FAZER POIS VIVEMOS AQUI DO OUTRO LADO E NÃO CONHECEMOS PROFUNDAMENTE A REALIDADE DAQUELES POVOS E MUITO MENOS OS BASTIDORES DA POLÍTICA QUE REGE AQUELES POVOS, ATÉ PORQUE HÁ O ENVOLVIMENTO DE OUTRAS NAÇÕES PODEROSAS QUE AGEM DIRETAMENTE NA POLÍTICA LOCAL.
GOSTARIA QUE PUDESSEMOS DEBATER MAIS OS NOSSOS PROBLEMAS E LUTARMOS DEMOCRATICAMENTE E DENTRO DA LEI PARA MUDAR O "STATUS QUO" DENOSSA QUERIDA JUNDIAÍ.
ABRAÇOS E PARABÉNS PELO SEU BLOG. EU O RESPEITO E ADMIRO MUITO PELA SUA LUTA E DEDICAÇÃO.

Anônimo disse...

Ao anônimo que escreveu o post "A santa aliança entre nazistas e sionistas":

Tua escrita é clara, objetiva, concisa e com uma sensibilidade de quem participa das dores daquele povo, eu o respeito.

Anônimo disse...

Como diria minha avó querida tudo depende de como usamos os recursos que nos são dados pelo PAI em nossa curta estadia na TERRA!

Proponho uma parada para orarmos e meditarmos e em seguida agirmos na direção da orientação recebida!

O Pai Nosso em Hebraico

Tradução Direta do Texto Hebraico
Autor: Prof. Severino Celestino da Silva

Texto em Hebraico Transliterado

Avnu shebashamaim itkadash shemehá. Tavô malcutechá iassé retsonchá baárets caasher na'assá bashamaim.

Ten-lanu haiom lechem chuknu. Uslách-lanú et-ashmatenu caasher solchim anachnu laasher ashmu lanu.

Veal-tevienu lidei massá. Ki in-hatsilenu min-hará.

Amen.

Tradução

Pai nosso dos céus, santo é o teu nome, venha o teu reino, tua vontade se faz na terra como também nos céus.

Dá-nos hoje nossa parte de pão. Perdoa-nos as nossas culpas, quando nós perdoamos as culpas de nossos devedores.

Não nos deixes entregues à provação; porque assim nos resgatas do mal.

Amém (ou, que assim seja, que possa ocorrer assim).

Anônimo disse...

É importante lembrar que o artigo 20 da lei 7.716 prevê "reclusão de um a três anos" a quem praticar, induzir ou incitar a discriminação por raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional.

POrtanto, manerem na linguagem antisemita.

Depois, atenham-se aos fatos reais e não essas coisas absurdas de que os judeus são culpados pelo próprio holocausto. Isso, senão ignorância, é malcaratismo puro e simples, tanto que o covarde se esconde por detrás de um anonimato.

Há mais coisas que sequer devem ser contestadas, afinal, é de uma imbecialidade ímpar. Dizer que a ONU é manipulada por Israel é contrariar os fatos que passam por nossas vistas. Basta abrir os jornais para ter o posicionamento da ONU, além de saber que o Conselho de Direitos Humanos daquela entidade é composta por representantes de países islâmicos nada democráticos. E diga aí qual a credibilidade de um órgão ou entidade que lava as mãos para o que se passa em Darfur, onde governos tocados pela Shar'ia já exterminaram mais de 300 mil pessoas? Lá não há crianças ou mulheres, senhores?

Interessante que o calhorda anônimo chama de "partido político" quem lança foguetes e "dispara" homens bombas em alvos civis. É apenas um partido político quem defende a matança de judeus e a destruição de um Estado democrático que abriga árabes e palestinos e lhes dá até direitos políticos.

INteressante mesmo é este discurso ensaiado. Primeiro a tese era a desproporção dos ataques, mas a própria corte internacional se manifestou contrária a tese, explicando que não é a soma de foguetes que limita ou não uma ação de auto-defesa; mas sim, a certeza de que OS ATAQUES CESSARÃO!.

Agora, com a tese furada, procuram outra: a de morte de crianças e mulheres. Primeiro, o próprio Hamas admite que 90% dos mortos são do movimento; depois, mudam as estatísticas e dizem que 1/3 são de civis. Agora, 1/2 são de crianças. Assim, na contabilidade de mortos do Hamas, só morreram civis.

Ademais, vale lembrar que os palestinos contrários ao Hamas (e isto não quer dizer que são simpáticos a Israel), estão sendo eliminados, assim como fizeram com os simpatizantes do Fatah, expulsos de Gaza pelos terroristas.

Quem defende o Hamas, defende o terrorismo. Tanto, que nem o presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, discorda de que o Hamas é o culpado por essa guerra.

Não consigo colocar meu nome neste post porque me pede senha e nome de usuário, mas me chamo Antonio de Oliveira Ribeiro, sou advogado e moro em vinhedo.

Anônimo disse...

Seu Antonio de Oliveira Ribeiro, hoje em dia ser advogado já não é tão boa referencia.
Quem discrimina raça, e se acha superior ( os escolhidos por Deus) são os israelenses-judeus-sionistas.

O Hamas fo eleito legalmente pelo povo. Inúmeros excelentes blogs atestam isto: aliás o texto que senhor se opôe foi tirado do blog do Bourdoukan e do excelente blog do Luis Carlos Azenha: viomundo.

Defender os genocidas dos israelenses judeus é que merece ir ao tribunais. Alias Israel com certeza irá para os tribunais responder por estas atrocidades.

Anônimo disse...

Isto é israel
Responda rápido:

Como você denominaria um país que não possui fronteiras, nem Constituição e não reconhece o casamento civil?
Acompanhe o mapa e diga quem é o terrorista!

O mapa original da Palestina é o primeiro a esquerda. Aí os dirigentes europeus e USA-americanos, para se livrar de seus "judeus", ou para aplacar suas consciências, resolveram oferecer-lhes uma terra que não lhes pertencia.

Os novos habitantes, não satisfeitos, resolveram apossar-se de tudo. Notem que o mapa foi ficando cada vez mais branco. Os semitas palestinos iam sendo assassinados ou jogados ao mar.

Tudo em nome da paz.

E em nome da paz o mapa de Israel continuava avançando.

Os palestinos que se defendiam eram chamados de terroristas.

Hoje, aos palestinos restaram apenas 17% do território original.
Mas Israel oferece apenas 13 por cento...

O que você faria numa situação dessas?

Mas cuidado! Dependendo da resposta você poderá ser acusado de terrorismo...

Anônimo disse...

Primeiro foi a Venezuela. Agora a Bolivia vai fechar a embaixada de Israel. TODO O PLANETA DEVE fazer isto: devolver estes genocidas pra sua terrinha (alias nem terrinha ).
E levar aos tribunais internacionais. E VIVA O HAMAS!!!

Raquel disse...

fuGINDO UM POUCO DO ASSUNTO E COMO A MIORIA IRÃO LER AQUI.Ao dar uavolta para ver imóveis descobri um no jardm Tanus que segundo nformação é de posse do senhor Ary,e ontém a noite segundo vizinhanç constantemente a reuniões da cupola lá,inclusive a pessoa disse que viu a Ana e o Ary disse que riam das pessoas e falavam dos projetos mais disse que tinha mais gente.Lá.Depois essa mesma pessoa comentou que o que estava no jornal era na verdade a mesma coisa que o miguel fez,disse que ligaram para ela e varios conhecidos e perguntavam em quem iam votar e se falassem que era no Pedro daí o próprio Miguel era quem falava.E olha o papo só surgiu porque fui ver um imóvel perto e perguntei se era para fins comércial ou residencial,foi daí que surgiu a conversa

Anônimo disse...

Permitam a transcrição de uma matéria sobre o assunto em pauta:

"Intelectuais criticam desobediência de Israel às leis internacionais"

Documento conjunto assinado pela Comissão Teotônio Vilela de Direitos Humanos defende a "retirada completa das tropas de Israel, a reabertura dos pontos de acesso para a entrada da ajuda humanitária e a pronta retomada do diálogo pacífico". Para o jurista Fábio Konder Comparato, Israel comete crimes contra a humanidade em Gaza. "Nosso programa mínimo tem que ser a constituição de dois estados na Palestina", defende Marilena Chauí.

Tadeu Breda

O permanente desrespeito ao Direito Internacional e ao Direito Internacional Humanitário por Israel em relação aos territórios e à população palestina esteve no centro do debate promovido nesta terça-feira (13) pela Comissão Teotônio Vilela de Direitos Humanos no Memorial da América Latina.

A conferência contou com a presença de intelectuais e políticos que expressaram o desejo da sociedade civil brasileira em assistir ao fim imediato dos ataques sobre a Faixa de Gaza. Outro objetivo do encontro foi instar o Itamaraty a posicionar-se de maneira contundente em favor de uma solução definitiva para a disputa. Mais de 900 palestinos já morreram vítimas da ofensiva israelense iniciada no dia 27 de dezembro. O número de feridos gira em torno de 4 mil.

“Julgamos urgente e imperativo o cessar-fogo imediato, a suspensão dos bombardeios e dos ataques por terra a Gaza e a proibição do lançamento de foguetes do Hamas sobre território israelense”, diz o documento conjunto assinado pela Comissão. “Deve ainda haver a retirada completa das tropas de Israel, a reabertura dos pontos de acesso para a entrada da ajuda humanitária e a pronta retomada do diálogo pacífico.”

Nesta segunda-feira (12) o Conselho de Direitos Humanos da ONU aprovou por 33 votos a favor e um contra – proferido pelo Canadá – uma resolução em que “condena fortemente” as operações militares israelenses por empreenderem “violações massivas” dos direitos humanos e destruírem “sistematicamente” a infra-estrutura palestina. Coréia do Sul, Japão e mais 11 países europeus se abstiveram da votação.

“Ficamos decepcionados pela resolução não ter sido aprovada por consenso”, diz Sílvio Albuquerque, chefe da divisão de Temas Sociais do Itamaraty. O diplomata demonstra preocupação com a aplicação dos pontos aprovados pelas Nações Unidas, uma vez que Israel desqualificou as novas exigências do Conselho de Direitos Humanos da mesma maneira que fez com as anteriores. Na semana passada o governo israelense desconsiderou o pedido de cessar-fogo enviado pelo Conselho de Segurança.

“O périplo do ministro Celso Amorim pelo Oriente Médio faz parte de um esforço diplomático para a realização de uma convenção pela paz com a participação de países que extrapolem o quarteto Estados Unidos, União Européia, ONU e Rússia”. Albuquerque acredita que as negociações realizadas apenas com as principais potências mundiais até agora não conseguiram promover avanços permanentes na questão palestina.

Impunidade
O jurista Fábio Konder Comparato acredita que Israel comete crimes contra a humanidade em Gaza e que se beneficia do fato de não estar vinculado ao Tribunal Penal Internacional. “Isso não pode ser admitido. Gostaria que o Brasil apresentasse uma proposta ao Tribunal para que os Estados que não fazem parte do estatuto possam ser alvo de um inquérito criminal preliminar que apure suas responsabilidades”, explica o jurista.

Caso o governo israelense siga descumprindo a legislação humanitária e as exigências da ONU, Comparato acredita que a comunidade internacional deve agir da mesma maneira como procedeu com o regime do apartheid na África do Sul. “Uma medida que nos resta é o boicote econômico. E isso diz respeito diretamente ao Brasil, uma vez que Israel é parceiro preferencial do Mercosul.”

O deputado federal Fernando Gabeira, membro da Comissão de Direitos Humanos da Câmara, acredita que o governo brasileiro deve ouvir tanto os parlamentares como a sociedade civil no momento de posicionar-se sobre os ataques israelenses. “Como deputado, quero ajudar na evacuação de brasileiros residentes em Gaza, além de estimular a continuidade da ajuda humanitária que o Brasil tem enviado à Palestina e intervir da melhor maneira possível nas longas negociações de paz que virão.”

Gabeira lembra que o mundo deve estar atento ao surgimento de um novo ator político internacional no dia 20 de janeiro: Barack Obama, que assume a presidência dos Estados Unidos dizendo-se “preocupado” com a morte de civis no conflito.

Paulo Sérgio Pinheiro, pesquisador do Núcleo de Estudos da Violência da USP, concorda com a avaliação e acredita que “não haverá nenhuma mudança relevante na postura israelense antes da posse de Obama”.

Teocracias
A filósofa Marilena Chauí analisa que o mundo assiste no Oriente Médio à perda do referencial republicano, laico e democrático na política. “Existe uma forte concepção teológica em ambas as partes envolvidas na questão palestina.”

Segundo a professora da USP, quando a política é vista como extensão de uma divindade, não há nada que os homens possam fazer senão matar e morrer em seu nome. “A disputa para saber quem é o verdadeiro eleito por deus para ocupar a Palestina é uma ideia que justifica razões militares, econômicas e sociais”, analisa.

Marilena Chauí cita o pensador judeu Baruch de Espinoza – excomungado em 1656 devido a seus escritos sobre deus – para dizer que a paz não é a ausência de guerra, mas a virtude política por excelência. “Toda paz unilateral é na verdade a imposição da vontade do vencedor sobre o vencido.”

Chauí acredita que a idéia mesma de “território ocupado” e de “refugiados” tem que desaparecer porque não pode haver paz entre ocupante e ocupado. “Nosso programa mínimo tem que ser a constituição de dois estados na Palestina.”

fonte: Carta Maior - Tadeu Breda - 13.01.2009

Anônimo disse...

Racismo É Burrice (nova Versão De Lavagem Cerebral)

(Gabriel O Pensador)


Salve, meus irmãos africanos e lusitanos, do outro lado do oceano
"O Atlântico é pequeno pra nos separar, porque o sangue é mais forte que a água do mar"
Racismo, preconceito e discriminação em geral;
É uma burrice coletiva sem explicação
Afinal, que justificativa você me dá para um povo que precisa de união
Mas demonstra claramente
Infelizmente
Preconceitos mil
De naturezas diferentes
Mostrando que essa gente
Essa gente do Brasil é muito burra
E não enxerga um palmo à sua frente
Porque se fosse inteligente esse povo já teria agido de forma mais consciente
Eliminando da mente todo o preconceito
E não agindo com a burrice estampada no peito
A "elite" que devia dar um bom exemplo
É a primeira a demonstrar esse tipo de sentimento
Num complexo de superioridade infantil
Ou justificando um sistema de relação servil
E o povão vai como um bundão na onda do racismo e da discriminação
Não tem a união e não vê a solução da questão
Que por incrível que pareça está em nossas mãos
Só precisamos de uma reformulação geral
Uma espécie de lavagem cerebral

Racismo é burrice

Não seja um imbecil
Não seja um ignorante
Não se importe com a origem ou a cor do seu semelhante
O quê que importa se ele é nordestino e você não?
O quê que importa se ele é preto e você é branco
Aliás, branco no Brasil é difícil, porque no Brasil somos todos mestiços
Se você discorda, então olhe para trás
Olhe a nossa história
Os nossos ancestrais
O Brasil colonial não era igual a Portugal
A raiz do meu país era multirracial
Tinha índio, branco, amarelo, preto
Nascemos da mistura, então por que o preconceito?
Barrigas cresceram
O tempo passou
Nasceram os brasileiros, cada um com a sua cor
Uns com a pele clara, outros mais escura
Mas todos viemos da mesma mistura
Então presta atenção nessa sua babaquice
Pois como eu já disse racismo é burrice
Dê a ignorância um ponto final:
Faça uma lavagem cerebral

Racismo é burrice

Negro e nordestino constróem seu chão
Trabalhador da construção civil conhecido como peão
No Brasil, o mesmo negro que constrói o seu apartamento ou o que lava o chão de uma delegacia
É revistado e humilhado por um guarda nojento
Que ainda recebe o salário e o pão de cada dia graças ao negro, ao nordestino e a todos nós
Pagamos homens que pensam que ser humilhado não dói
O preconceito é uma coisa sem sentido
Tire a burrice do peito e me dê ouvidos
Me responda se você discriminaria
O Juiz Lalau ou o PC Farias
Não, você não faria isso não
Você aprendeu que preto é ladrão
Muitos negros roubam, mas muitos são roubados
E cuidado com esse branco aí parado do seu lado
Porque se ele passa fome
Sabe como é:
Ele rouba e mata um homem
Seja você ou seja o Pelé
Você e o Pelé morreriam igual
Então que morra o preconceito e viva a união racial
Quero ver essa música você aprender e fazer
A lavagem cerebral

Racismo é burrice

O racismo é burrice mas o mais burro não é o racista
É o que pensa que o racismo não existe
O pior cego é o que não quer ver
E o racismo está dentro de você
Porque o racista na verdade é um tremendo babaca
Que assimila os preconceitos porque tem cabeça fraca
E desde sempre não pára pra pensar
Nos conceitos que a sociedade insiste em lhe ensinar
E de pai pra filho o racismo passa
Em forma de piadas que teriam bem mais graça
Se não fossem o retrato da nossa ignorância
Transmitindo a discriminação desde a infância
E o que as crianças aprendem brincando
É nada mais nada menos do que a estupidez se propagando
Nenhum tipo de racismo - eu digo nenhum tipo de racismo - se justifica
Ninguém explica
Precisamos da lavagem cerebral pra acabar com esse lixo que é uma herança cultural
Todo mundo que é racista não sabe a razão
Então eu digo meu irmão
Seja do povão ou da "elite"
Não participe
Pois como eu já disse racismo é burrice
Como eu já disse racismo é burrice

Racismo é burrice

E se você é mais um burro, não me leve a mal
É hora de fazer uma lavagem cerebral
Mas isso é compromisso seu
Eu nem vou me meter
Quem vai lavar a sua mente não sou eu
É você

Anônimo disse...

será nepotismo cruzado: vem o scaringela vai o ary.

Anônimo disse...

Os índios têm mais direito às terras americanas do que os “judeus” às terras da Palestina
Qualquer cidadão, em qualquer país do mundo, possui um documento que lhe outorga o direito de propriedade.

Os euro-sionistas que invadiram a Palestina desembarcaram dizendo que a terra lhes pertencia porque fora doada aos seus antepassados por deus.

O deus de israel.

Não teria sido o Deus de Ismael, o primogênito de Abraão, e que por engano os escribas trocaram o M por R?

Aí,naturalmente, a terra pertenceria aos árabes por direito divino e humano.

Sei que essa é uma discussão interminável, pois é uma questão de fé.

Mas e historicamente?


Trilhei pela História e não encontrei absolutamente nada que mencionasse algum testamento de deus doando terra aos israelenses.

Procurei por israel e não encontrei nenhuma nação, país, ou estado com o nome de Israel.
Tribo sim. Tribo com o nome de israel havia.

Mas como não sou fanático nem fundamentalista, a ponto de me valer de uma metáfora, pergunto:

E se eu for chinês, hindu, japonês, budista, xintoísta, etc,etc e não crer nesse deus e nem em seu suposto livro?

Como é que fica?

Devo ser atirado à fogueira?

Ser crucificado?

E por falar em tribo, há apenas 500 anos o Brasil pertencia não a uma, mas a inúmeras tribos, legítimas donas da terra, cujos descendentes perderam tudo e hoje se encontram abandonados e em péssima situação.

Você leitor, não acha justo então que os denominados índios têm todo o direito de reivindicar de volta as terras que lhes pertenciam?

Isso me lembra uma pesquisa realizada pelo governo dos Estados Unidos entre os índios do país durante a guerra do Vietnam, na década de 60.

A pergunta era se os americanos deveriam sair do Vietnam.

A resposta dos índios foi que sim, e dos Estados Unidos também.

Graúna disse...

Pois é....temos religião o suficiente para nos odiarmos, mas não o suficiente para nos amarmos...

Anônimo disse...

O povo judeu, que tanto repugna o holocausto, parece ter aprendido como fazê-lo e o fazem em Gaza e na Cisjordânia...
Lendo alguns comentários anteriores, ví que citaram a ONU.
Vale lembrar que a ONU já tentou aprovar resoluções contra Israel, mas o Tio Sam, que por razões óbvias, não deixa passar nada que afete seu filhote lá do Oriente Médio.

Anônimo disse...

voce falou a verdade esse blog e muito bom voce falou de coraçao