terça-feira, 7 de outubro de 2008

QUEM GANHOU A ELEIÇÃO ?

À primeira vista parece uma pergunta boba já que os jornais publicaram e comemoraram a vitória do candidato tucano, que, aliás, continua cassado. Para fazermos uma avaliação correta, precisamos ir um pouco mais além dos números divulgados. Ficou claro, mais uma vez, que a maioria da cidade não quer mais o PSDB, pois o candidato deste partido teve, a seu favor, 38% do total de eleitores de Jundiaí. Isto quer dizer que 62% não votaram no candidato da POLÍTICA S/A, o que fará com que sejamos governados pela minoria. Ao nos aprofundarmos mais um pouco nesta análise veremos que segmentos importantes do município, sorrateiramente e para defender seus interesses comerciais, também ajudaram o alcaide. Empresários, comerciantes, profissinais liberais e suas associações, vestiram a camisa azul e amarela pensando nos lucros futuros que o poder poderá lhes oferecer. Assim como estes, o segmento religioso da cidade deu seu apoio ao candidato da máquina em troca de favores ao seu rebanho, ou seja, a doutrina cristã passou a ser, para as igrejas, apenas uma moeda de troca para que possam ter as portas, dos gabinetes do poder, abertas a seus prelados. O exemplo claro desta postura foi o Bispo Católico da cidade que só faltou, em sua carta aos fiéis, levar às fogueiras da Inquisição aqueles que não votassem no representante dos coronéis. Ao irmos um pouco mais fundo, pelos caminhos fétidos da política local, iremos encontrar a imprensa jundiaiense. A maioria dos veículos de comunicação fizeram de tudo para que Miguel Haddad vencesse. Até pesquisas falsas foram publicadas para favorecer o candidato. Fica claro que a maioria deste segmento está comprometida até o pescoço com o sistema de favorecimentos, sejam através de cargos no executivo para determinados jornalistas ou sejam através das polpudas verbas de publicidade que recebem do erário. Diante de tudo isso, coloca-se para a população um esquema monumental de dominação política que envolve quase toda a elite da cidade. Um sistema perverso que vai se solidificando enquanto o povo de Jundiaí se transforma, gradativamente, em um espectador passivo deste poder sempre em representação. Respondendo à pergunta do post, algumas famílias ganharam mas o povo perdeu. Até quando ? Só o tempo poderá dizer.

6 comentários:

Anônimo disse...

Jundiaienses o comentário do Cesar é perfeito,O POVO PERDEU. Nós que trabalhamos, pedimos para que votassem no companheiro Pedro, na certeza de vitória no 2º turno, aí sim com governo: Votado e decidido pela maioria. Foi por pouco!!! Talvez mais 2.000 eleitores que comparececem já fossem suficientes. Ficamos tristes mas não derrotados, pois cumprimos o nosso dever de cidadãos, fomos guerreiros, não pedimos cargos, muitos não como eu não tivemos pagamentos, fomos voluntários e mostramos o caminho. Lembrem-se o Sr. Miguel Haddad, CONTINUA CASSADO Obrigado à quem compareceu e votou no Pedro, Gerson e B.A., para quem votou no Miguel, um abraço, mas peço que possa reconsiderar na próxima.
CORAGEM MEU POVO.

Anônimo disse...

César, surge uma dúvida, no caso da Ana Toneli, seus votos não foram computados, reduzindo portanto o total de votos válidos, e se houver sua contagem haverá aumento da votação proporcional em termos de votos válidos e com isso, a pequena margem que impediu um segundo turno poderá ser quebrada ?

Anônimo disse...

Tem uma distorção óbvia nesses argumentos. Considerando todo o colégio eleitoral de Jundiaí, 38% dos eleitores escolheram o candidato tucano. Visto por outro lado, 26% escolheram Bigardi e 10% escolheram Sartori, o que ainda dá a maioria para o tucano.
Mas o que interessa mesmo é que mais de 62 mil jundiaienses ou 24% do colégio - quase a votação total do Bigardi - disseram que não apoiam a administração tucana nem essa oposição tosca e sem projeto para a cidade.
O recado é simples: Jundiaí está cansada dessa discussão besta e não quer mais do mesmo. Jundiaí quer novidade que, nesse caso, nem um lado nem o outro, oferece.

BUDU GARCIA disse...

Números que qualquer um pode comprovar: Quem votou no vereador da coligação do Miguel não qui-lo para prefeito: votos dos vereadores:124.620; votos para prefeito: 98.734.
Esta diferença foi para o Bigardi, pois ele obteve 68.461 e seus vereadores 24.659. Querem mais números?

Anônimo disse...

O problema é que a população não aguenta mais essa tucanada e também não vê ninguém na fraca oposição para votar.... Oposição que nunca foi oposição na Câmara, por exemplo. Votar pra que, então?

KALANGO DOIDO disse...

A pergunta certa deveria ser " QUEM PERDEU A ELEIÇÃO", pois temos certeza que não foi o Bigardi, mas sim a população que como nós está cansada dessa corja. Mas eu tenho certeza que a Justiça será feita e em breve o Pedro estará assumindo a Prefeitura, estive conversando com os tucanos e esses estão todos de bicos calados e no desespero, grande por sinal, pois nem festa houve pra "comemorar" a farsa dessa eleição.